Pesquisar

31 de jul de 2008

O macaco que quase virou gente.


Uma da questões mais fascinantes é tentar descobrir se um primata que fosse criado como um bebê humano poderia aprender a linguagem e chegar a inventar a linguagem, assim como os seres humanos fazem.

O pesquisador Herbert S. Terrace, para testar a consistência desta possibilidade, se propôs a iniciar uma pesquisa com um bebê de chimpanzé, que provasse o erro da postulação de Chomsky sobre a capacidade inata do ser humano de não apenas repetir os signos da linguagem, não só de criar novas combinações dos signos aprendidos, mas também criar novos signos a partir deles.

Em 1973 Terrace conseguiu o seu filhote chimpanzé numa reserva próxima, que batizou com o irônico nome de “Nim Chimp Sky”, numa alusão bem humorada ao nome do cientista Noam Chomsky, que havia proposto como exclusiva e inata ao homem a capacidade de dominar a linguagem.

A criação de Nim se deu dentro de uma pesquisa científica criado especialmente para provar que outro animal pode dominar a linguagem, desde que fosse fornecido para ele o meio adequado, ou seja, o ambiente de uma família humana normal. Assim, o símio foi tratado desde o início como um bebê humano. Usava fraldas e roupinhas, tinha a sua mamadeira. Posteriormente foi ensinado a comer à mesa usando talheres. Nim se tornou asseado e indicava com gestos convencionados quando desejava ir ao banheiro.

O aprendizado proposto estava relacionado com as situações cotidianas. Ele acabou conseguindo escolher peças do vestuário, por exemplo, uma camisa e a cor, e também nos assuntos de alimentação e higiene, aprendeu a pedir a xícara, escova de dentes, etc.

Os cientistas que trabalhavam neste “reality show animal” agiam como se Nim fosse uma criança normal, sempre cercado de gente que conversava com ele e entre si, usando a linguagem dos sinais. Na casa onde o chimpanzé morava, as condições iram ideais, os professores tomavam conta dele o tempo todo. E, evidentemente, tudo que acontecia na casa era filmado.

Ao final, Chomsky tinha razão.
A cabo de 4 anos, Nim dominava 125 sinais, mas continuva impulsivo como qualquer chimpanzé pequeno. Decididamente eles são bem menos inibidos do que os bebês humanos, já que é possível se enganar sobre o que um bebê está sentindo, ao passo que isto não ocorre com um voluntarioso chimpanzé.

Convencido de que Nim havia mostrado o quanto Chomsky não tinha razão, Terrace resolveu suspender bruscamente a pesquisa, devolvendo o macaco à reserva de onde o tinha tirado.
Tempos depois, quando Terrance estava pronto para redigir uma declaração solene sobre a aptidão dos macacos para a linguagem, sobreveio a constatação que pôs a perder seus anos de convicção.

Quando ele analisou friamente as filmagens, descobriu que as pessoas que interagiam com Nim, sempre tomavam a iniciativa e, inconscientemente, passavam a senha da resposta desejada por eles. Herbert S. Terrace conseguiu enxergar a realidade de que o chimpanzé esteve todo tempo a repetir o que os outros queriam que ele fizesse. Era simplesmente imitação, que não pode ser confundida com a invenção da linguagem.

Enfim, ao cabo de alguns anos e muito dinheiro investido na pesquisa, Herbert S. Terrace teve que dar o braço a torcer de que Noam Chomsky tinha razão...

Fonte: Entrevistas do Le Monde, Indivíduo.

Por que as projeções holográficas são tão toscas?


Uma das tecnologias mais toscas atualmente é a holografia. A comparação que se pode fazer é a projeção holográfica do simpático robô R2-D2 “Artoo” feita na década de 80 no filme Guerra nas Estrelas, com os protótipos que temos hoje, tais como o vídeo acima.

A projeção de imagens bidimensionais já está atingindo não tanto o seu limite tecnológico, mas as limitações orgânicas de se perceber a diferença em 50 milhões, ou 60 milhões de pontos, ou entre 16 milhões, ou 32 milhões de cores. As interfaces bidimensionais de imagem já chegaram ao limite da capacidade humana de perceber maiores resoluções do que as atuais.

Tentando dar uma resposta ao esgotamento vislumbrado nos atuais hardwares de exibição de imagem, os laboratórios do mundo trabalham freneticamente para oferecer um produto que seja supere em qualidade a tecnologia da década de 80, embarcada no robô do filme Guerra nas Estrelas.

Do megabyte ao gigabyte, do terabyte ao petabyte.
Os olhos humanos percebem a tosquice das projeções holográficas atuais, porque já se acostumaram com a tecnologia da alta definição. Então, para uma holografia ser convincente, ela deveria casar alta definição e tridimensionalidade.

Os vídeos digitais compactados de baixa definição ocupam megabytes. Eles podem ser compartilhados através da Internet, dentro do limite suportado pela atual largura de banda de transmissão.

O padrão do DVD foi concebido num formato que ocupa em média 4,5 Gigabytes por filme e, mesmo que tenha só 480 linhas de resolução, um DVD não pode ser exibido “ondemand” porque as conexões da Internet ainda não têm banda suficiente para suportar um tráfego tão extenso.

O padrão de alta-definição (Blue-Ray) de 1080 linhas ocupa em média de 40 a 50 Gigabytes – ainda definitivamente fora de qualquer sonho de transmissão pela internet em tempo real.

Supondo-se um formato holográfico de alta definição, seu tamanho projetado dificilmente poderia ser de apenas 10 vezes maior do que o Blu-Ray. Como o número de pontos numa projeção holográfica aumenta exponencialmente, para se manter a mesma qualidade da versão bidimensional, temos que supor algo como 100 vezes o tamanho de um filme em formato Blue-Ray, o que seria 5 Terabytes.

Problemas de falta de tecnologia para manipular gigantescas massas de dados.
Os computadores domésticos recém chegam ao 1 Terabyte, portanto longe dos 5 Terabytes para armazenar um filme holográfico de alta definição de 1,30 h.

As transmissões “ondemand” pela Internet nem chegaram à era do DVD de 480 linhas.

Os discos capazes de armazenar arquivos holográficos teriam que ter capacidades da ordem de 500 Petabytes. Ora, estimava-se que todos os arquivos compartilhados no Kazaa ocupavam o espaço de 7 Petabytes – 2 Petabytes a menos do que o suposto vídeo holográfico.

Conclusão:
O gargalo tecnológico do armazenamento de dados é muito maior do que a dificuldade técnica de construção de aparatos de projeção. Enquanto não houver uma mudança radical nos paradigmas de armazenamento, não se poderá falar em vídeo holográfico menos tosco do que aquele exibido pelo robô R2-D2 de Guerra nas Estrelas. E olha que eu não falei de processamento!

Leituras adicionais:
Pesquisadores do MIT criam tecnologia de vídeo holográfico simples e barata
Com tela holográfica, game 'pula fora' da TV
Hologramas poderão substituir videoconferências

30 de jul de 2008

Notebook Acer com mouse e teclado travados é lixo?

Um cliente meu comprou um Notebook Acer 3660 no dia 08/11/2006 (contrariando as minhas recomendações). De um ano para cá, ele vem reclamando de problemas intermitentes de mal funcionamento no mouse e teclado, até que finalmente travou tudo.

Sintomas.
O mouse e o teclado funcionavam normalmente quando o Windows era inicializado em modo de segurança. Não adiantou colocar outros mouses e teclados nas portas USB, eles não travavam também.

Tentativas de solução:
A minha primeira ação foi formatar o HD, para descartar qualquer problema de sistema e vírus. Porém, já durante a finalização da instalação houve o primeiro travamento. Tive que reinicializar tirando a bateria e o adaptador AC da tomada. Depois não funcionou mais e eu disse para o cliente que procuraria uma solução.

A solução:
Hoje, resolvi jogar no Google a seguinte pesquisa: “notebook acer não funciona mouse teclado”. Em poucos minutos, descobri o padecimento de muitos usuários que tomaram este neném da ACER. Entre das soluções mirabolantes que encontrei, tais como a ressoldagem do chipset com “estação de retrabalho”, encontrei a verdadeira solução em três lugares diferentes.

Clube do Hardware: “após umas 288 formatações e outras experiências mirabolantes, resolvi checar a bateria do lap top. Quando o liguei sem a bateria, o teclado e o touchpad, em modo normal, tudo funcionou normalmente. Quando coloquei a bateria, travou o touchpad e o teclado. Então a troca da bateria vai resolver o problema.”

Problema no teclado e mouse ( travando ) do Acer é bateria.

Forum Info

Foi o que fiz. Retirei a bateria do maldito e o mouse e teclado voltaram a funcionar normalmente.

Conselhos práticos aos candidatos que planejam comprar notebooks ACER.
O meu cliente, proprietário de um notebook com menos de 2 anos de uso, não vai mais poder usar a bateria. Os usuários que já tem um ACER estão com este problema, passem a usar o notebook como desknote e aprendam a lição para a próxima compra. Eu disse ao meu cliente que não vale a pena gastar nem um centavo numa droga destas.

Enganação da ACER: A bateria original do notebook é de 2000 mAh de 4 células, que DURA NO MÁXIMO UMA HORA. Vale a pena enterrar mais R$ 500,00 na compra de uma bateria nova, se este lixo de notebook pode pifar logo em seguida?

A melhor dica é usar o ACER sem bateria até virar lixo reciclável, ou vendê-lo por qualquer trezentos paus - o ACER Aspire 3660, depois de 21 meses vale menos do que o preço da bateria.

Os usuários que estão cogitando comprar uma bomba chamada ACER ASPIRE, podem ter certeza de que vão levar para casa um equipamento vagabundo e sem assistência técnica. Quem quiser pagar para ver, que faça.

Blogueiro ganha 16.350 acessos do Google no 1º dia de verão!

O blogueiro inglês Patrik Altoft do BlogStorm teve a inspiração de escrever no dia 20/06/2008 um pequeno post sobre o solstício de verão que iniciaria no dia seguinte, sob o título “First Day of Summer 21 June - Find out more”: (21 de Junho é o primeiro dia do verão – Descubra mais):

“Hoje é 21 de junho, cujo significado não se restringe apenas ao início oficial do verão, mas também marca o Solstício de verão.
No solstício se dá o dia de maior número de horas de sol no hemisfério norte e o de menor no hemisfério sul. Ele ocorre duas vezes no ano, quando o ângulo de inclinação da terra se posiciona perpendicularmente nos seus pontos mais extremos de aproximação e distanciamento em relação ao sol.
Supostamente o nome é derivado da fusão das expressões latinas “sol” e “sistere” (estancar), quando o sol “paraliza” o seu movimento inclinatório, ou seja, o seu movimento aparente em direção ao norte cessa no 1º dia do verão. Terminado o instante do periélio, o sol inicial o seu longo trajeto de 6 meses ao sul, que ocasionará o próximo inverno no hemisfério norte.”

No dia seguinte, Patrik publicou um post bombástico, que refletia a sua exultação: "Google Organic Search Sent 16350 Visitors to Blogstorm Yesterday"

Nascido com a quina virada para a Lua!

Tão logo o rabudo Mr. Patrik escreveu o post, houve uma feliz coincidência. Como é sabido, o Google homenageia os principais eventos do mundo de uma maneira artística, alterando seu logo de acordo com a efeméride. Este foi o logo que o Google estampou no dia do solstício de verão:

Cada vez que faz isto, o Google linka várias páginas ao seu logo comemorativo e... para a sorte de Patrik, seu post ficou vários dias linkado através do logo do Google como PRIMEIRO resultado.

O resultado disto foi espetacular, no dia do solstício, Patrik Altoft teve exatos 16.350 acessos vindos do Google! Isto dá uma idéia do poder do Google e de uma sequência de coincidências, desde a sorte até o oportunismo, que levaram à tempestade de acessos do BlogStorm, fazendo juz ao nome, que significa: Blog da Tempestade.
O cara postou a página capturada do Google Analytics, do movimento de visitas no seu dia de sorte. Good Luck Mr. Patrik!


Leitura adicional:
Saiba mais sobre Solstícios e Equinócios

29 de jul de 2008

Por que o Yahoo traz tão poucos acessos?

Não querendo glosar o hype do momento, a NERD ex-funcionária do Google que bancou seu próprio buscador, chamando-o pelo curioso nome de Cuil, preocupo-me com o desempenho do buscador do Yahoo, que é incrivelmente fraco para um site incrivelmente mais velho do que o Google.

Fato nº 1.
Cada vez que vou ao Google Analytics fico encafifado. Nas origens do tipo “organic” (links oriundos de buscadores) a diferença entre o Google e o Yahoo é alarmante, o número de acessos que o Yahoo me trás não passa de 2% daqueles trazidos pelo Google.

Fato nº 2.
Não é só aqui na terra das bananeiras que se registram disparidades tão grandes, um blog gringo postou algo que cai como uma luva no que estou dizendo sob o título “My Top 10 Traffic Sources”. O Google/Organic gerou para o blog dele em maio-2008 42,89 % dos acessos, enquanto o Yahoo/Organic lhe trouxe miseráveis 2,05 %, quase empatados com os 1,87 % mandados pelo Twiter. Um cara poderoso como o gringo com 52.538 de assinantes dos seus feeds, apresenta resultados muito parecidos com os meus. Muito intrigante!

Fato nº 3.
Só de sacanagem coloquei na procura tanto do Google, como do Yahoo o seguinte verbete “blogpaedia”. O Google retornou 5.800 links contra 895 do Yahoo. Falta vontade ao Yahoo?

Fato nº 4.
Teste de rancores. Lancei no Google a pesquisa de links para o xodó do momento, digitando o comando "link:http://cuil.com" e o magoado Google não retornou retornou mais de 54 links.
O Yahoo neste caso fui muito mais eficiente, com seu Yahoo Explorer retornando 255 links. Será que o Jerry Yang, fundador do Yahoo também está acreditando num possível surgimento de algo que rivalize o império Google?

Fato nº 5.
Desde o tempo em que o Google nascia dentro dos muros da Universidade de Stanford, o Yahoo já era sinônimo de buscador enxuto e conciso. Atualmente a tradição que continua pode ser interpretada como pobreza e miserabilidade, já que diante de resultados paupérrimos, o internauta volta a cair nos fortes braços googleanos.
E pensar que o Jerry Yang recusou a oferta de 44,6 bilhões de dólares da Microsoft! Só a história dirá se não foi a maior burrada da história capitalista.

Se algum blogueiro tiver resultados diferentes dos meus, que os apresente e dê seguimento ao meme, me convencendo de que o Yahoo não é o fantasma que aparenta ser.

Por que o painel TN de monitor LCD é tão ruim?

Nos sites em língua portuguesa é extremamente difícil encontrar informações sobre os padrões tecnológicos subjacentes aos monitores LCD. Por causa da quantidade de lixo existente no mercado, alguns Designers Gráficos saem espalhando pelos fóruns que a qualidade do monitor CRT é muito mais perfeita do que os de LCD. Isto é uma mentira e um desconhecimento: um monitor LCD excelente bate qualquer monitor CRT, porém a maioria dos monitores LCD do mercado brasileiro tem um desempenho muito pior do que qualquer monitor CRT mediano. O profissional tem que se informar sobre as novas tecnologias para não ficar restrito aos monitores de “tubão” o resto da sua vida.

Antes de responder à pergunta do título é importantíssimo esclarecer: Como consigo saber o tipo de painel de um monitor LCD, uma vez que os fabricantes escondem isto?

Resposta: Basta ir ao site TFT Central e digitar o código do modelo que você quer pesquisar na caixa “Monitor Panel Search”, que vai descobrir a infâmia que o fabricante tentou esconder de você.

Dicas para a escolha do melhor monitor LCD.
Agora, vamos aos fatos. O Brasil é um país com um mercado podre de informática, feito para usuários ignorantes que não se informam sobre as características técnicas antes de comprar. Um usuário chegou numa destas lojas de departamentos e se deparou com vários modelos do tamanho que ele queria. Ele acabou optando pelo mais podre deles, um AOC (Deus o livre!), só porque o dito cujo tinha a mais, pasmem, alto-falantes!

Esta é a realidade do consumidor de informática brasileiro, ele leva para casa o maior abacaxi, porque tem uma luzinha piscante a mais. Os seus critérios de seleção se resumem, em termos de monitor, a PREÇO e tamanho e o resto das características ele desconhece olimpicamente.
Portanto, antes de comprar um monitor, pesquise qual é o tipo de painel que ele usa, para evitar cair numa furada.

Por que os painéis TN film são ruins para a editoração gráfica?
Apesar de existirem centenas de fábricas produzindo monitores, as telas deles são fornecidas por dois ou três fabricantes mundiais, usando basicamente três tipos. O mais barato e difundido deles se chama TN Film (Twisted Nematic + Film). É largamente usado no mercado, principalmente para equipar os modelos de 15, 17 e 19 polegadas. A primeira razão dos fabricantes preferirem o painel TN é o baixo custo e a segunda é o baixo tempo de resposta, que o torna perfeito para os jogos e findam aqui as vantagens.

Desvantagens dos painéis TN.
Endereçamento de cor de 6 bits = profundidade máxima de cor de 18 bits.
A profundidade de cor é responsável pelo número máximo de cores que o monitor pode reproduzir. Para quem trabalha na área gráfica, ter um monitor com painel de 6 bits é um SUICÍDIO profissional, porque ele jamais terá a fidelidade de cores que as aplicações profissionais exigem. O profissional nunca terá certeza se na hora de escolher uma cor na paleta de cores, ela está realmente no espectro de cores, ou se simplesmente é uma deformação cromática produzida pela pobreza tecnológica do monitor.

Para contornar o problema da falta de endereçamento de 16,7 milhões de cores da paleta padrão de 24 bits, os fabricantes apelam para a técnica de “dithering”, uma simulação que tenta reproduzir as cores fora do espectro de alcance do cristal LCD. O resultado é sofrível, principalmente aos olhos de um profissional experiente da área gráfica.
As outras tecnologias de painéis S-IPS, S-PVA, VA, S-MVA e outras têm endereçamento de cor de 8 bits, portanto podem reproduzir na profundidade de cor de 24 bits exigida para a visualização exata da paleta padrão dos programas gráficos.

Ângulo de visão reduzido.
Os baixos ângulos de visão oferecidos pelos painéis TN provocam situações constrangedoras quando um designer gráfico vai mostrar um trabalho para o cliente. Quanto mais inclinadamente o cliente olhar, mais ele verá uma imagem escura com cores invertidas, ao invés do gráfico/fotografia que deu tanto trabalho para produzir.

Contraste, brilho e saturação.
Os painéis TN apresentam pouco contraste, menor brilho e baixa saturação. Como resultado, temos a reprodução infiel de cores e a introdução de aberrações cromáticas nos detalhes importantes de uma foto de alta resolução. Em aplicações simples de jogos, editores de textos, internet, isto passa batido, mas para o designer gráfico se torna um pesadelo.

Pelos motivos expostos é que se vê no mercado alguns modelos de monitores de 22” custando menos do que outro de 19”, ou às vezes até menos do que um de 17 polegadas. Se o usuário tem como critérios únicos preço e tamanho, ele certamente vai optar pelo maior tamanho combinado ao menor preço. E o critério na hora da compra que determina se o consumidor está interessado em qualidade, ou está disposto a correr o risco de comprar uma bomba de baixíssima qualidade que vai pifar cedo.

Qual modelo comprar?
O Designer gráfico tem poucas opções de compra num mercado de baixíssimo nível como o nosso. A maioria dos modelos voltados para a área gráfica é lançado somente no mercado externo. Uma opção é o Samsung LCD 19" 971P encontrável no Submarino equipado com o painel PVA. O outro é o DELL LCD 20” 2007WFP vendido pela própria DELL, que vem equipado com o painel S-IPS.

Na faixa de 24 polegadas há o Dell LCD 24” 2407WFP e o Samsung LCD 24” 244T, ambos equipados com o painel S-PVA. Aqui tem uma comparação do desempenho entre estes dois modelos.

Por que a Tekpix é uma bomba?

Como câmera, a Tekpix propagandeada pela Tv é uma ótima bomba e os motivos técnicos são intermináveis, basta pesquisar num buscador da internet a opinião da legião de consumidores arrependidos. Vou abordar somente alguns pontos chaves que fazem da Tekpix i-DV-12 uma das maiores empulhações que a mídia já produziu.

1 - Resolução real do CCD de 3,1 Megapixels.
O Site da Tecnomania diz a boca pequena que a resolução real de hardware é de 5,1 megapixels e alguns sites confiáveis tais como o Matheus Cunha e Kadu insistem nos 3,1 megapixels – fico com eles.
Na televisão eles trombeteiam 12 Megapixels! Isto é real? É mentira, a Tekpix faz interpolação da imagem, ou seja, através de um algoritmo, os pontos da fotografia obtidos no sensor CCD são “clonados” para dar impressão de maior resolução.

2 – Lentes de vidro!
As características técnicas no site da Tecnomania informam que a i-DV-12 tem lentes de vidro. Ora, qualquer câmera mais ou menos vagabunda tem lentes de cristal. Eles se jactam que tem lentes de vidro, porque na pior das hipóteses poderia ser de “prástico”. Por isto os usuários reclamam tanto das fotos em formato de “borrão”.

3 – Memória interna de incríveis 20 Mb!
A Tecnomania informa que são 32 Mb de memória interna, sendo que 12 Mb são ocupados pelo Firmware. Então esta câmera chega à casa do freguês completamente “desmemoriada”. Eles falam que você pode usá-la como pendrive, sim um pendrive de 20 Mb – uma coisa destas tão pequena nunca chegou a existir no mercado de pendrives!
Aviso aos navegantes: o consumidor otário não é avisado de que vai ter que comprar por fora um cartão de memória SD. Como a tecnologia da Tekpix é do século passado, ela aceita no máximo cartões de 2 Gb. Para uma filmadora com “qualidade da TV digital” isto é pra lá de sofrível.

4 – A câmera possui zoom ótico ZERO!
Qualquer câmera de uma das marcas mais vagabundas, Sony por exemplo, tem zoom ótico de 3 x. A Tekpix só não perde em termos de vagabundice para aquelas máquinas Love do tempo do filme, que você comprava, tirava as fotos e jogava a câmera no lixo. O Zoom digital de 8x que eles alardeiam só serve para ampliar a imagem já ruim e eu duvido que ele funcione no modo filmagem.
(Esclarecimento: apesar da Sony ter um grande nome na praça, pratica a política da obsolecência programada, ou seja, os seus produtos duram um determinado tempo e estragam, com prazo de validade dos componentes explicitamente programado.)

5 – Sensibilidade quase nula.
Tenho uma Canon que funciona do IS0 80, para fotos ao ar livre até o IS0 1600 para fotos noturnas. A Tecnomania não informa a sensibilidade da Tekpix, talvez porque a informação seja um tanto pavorosa, o que justifica a reclamação dos usuários de que o trem não funciona à noite. Aí nem adianta o Flash, porque eles avisam que a luz dele tem o alcance máximo de 2 metros. (será?)

AVISO ao prezado consumidor otário.
Se você caiu na besteira de adquirir este lixo chinês genérico imprestável vendido na Tv através de propaganda enganosa, você tem o direito, garantido pela lei do consumidor, de devolver o produto para a Tecnomania, sem dar explicações ou justificativas, ATÉ 7 DIAS CONTADOS DEPOIS DA COMPRA, com o ressarcimento do seu rico dinheirinho.
Portanto, se você ainda está dentro deste prazo e caiu nesta bomba televisiva, faça a devolução imediata e esqueça o passado, antes que ela exploda na sua mão.

Caso você tenha perdido o prazo, sinto muito em comunicar que o maravilhoso produto eletrônico “Tudo em 1” que você acabou de comprar não vale nem 1/3 do que você pagou pela Tekpix. Do valor de R$ 1.500,00, você não consegue R$ 400,00 vendendo a câmera “nova na caixa” nos site de leilões, tipo Mercado Livre.

Links Relacionados:
Guia definitivo para comprar uma câmera digital, ou como evitar uma Tekpix.
A verdadeira origem da Tekpix i-DV12!

28 de jul de 2008

Altruísmo bloguístico?

No espectro dos sete pecados capitais, há o terrível pecado da inveja, cuja principal característica é corroer o invejoso. A atividade blogueira é cercada de inveja por todos os lados, não obstante, o blogueiro deve pautar as suas ações pela virtude oposta à inveja, o altruísmo.
A saída mais fácil, aparentemente, seria o blogueiro se deixar levar pela inveja geral e mergulhar fundo no olho por olho e dente por dente do código de Hamurabi. Porém, as ações egoístas que podem trazer resultados muito bons no curto prazo, no longo prazo se revelam erros estratégicos imperdoáveis.

Então, a decisão mais egoísta que o blogueiro pode tomar é paradoxalmente enveredar pelo caminho da virtuosidade, mais especificamente o altruísmo, mediante pequenas atitudes que serão pagas em moeda corrente do universo virtual, Page Rank, nº de acessos diários, aumento dos leitores dos feeds, explosão de comentários, etc.

Tais pequenas atitudes, apesar de singelas, podem evitar que o blogueiro venda a sua alma ao diabo:

- não achaque outros blogueiros pedindo links, constrangendo-os e convertendo-te em chatonildo;

- não linkar pensando exclusivamente nos adorados backlinks. A espinhosa situação de linkar altruísticamente pode levar o blogueiro a pensar que só ele faz o bem. Mas, lembre-se, se você pensar apenas na missão de fazer o melhor, tornando seus posts interessantes adornando-os com links elucidativos, quem ganha é o leitor e se o leitor estiver satisfeito, ele elevará a taxa de retorno – fazendo com que no longo prazo você forme um time de leitores fiéis;

- não seja “baba ovo” dos blogs famosões, tente tratar os fortes e os fracos de maneira altruística, pois sempre terão blogs com mais acessos do que o seu e os de menos. Lembre-se que a sua situação de hoje poderá se inverter amanhã, quando você será grande graças aqueles que levaram em conta a qualidade dos seus posts e não se ativeram apenas à pequenez do seu PR;

- não chupe vampirescamente os posts dos outros. Não há nenhum vampiro que tenha dado certo na blogosfera;

- não tenha medo de linkar outros blogs, porém linke-os pensando altruisticamente na informação dos seus leitores;

- medite nos assuntos em que você é excelente e construa o seu próprio rosto bloguístico. O altruísmo serve também como antídoto para o blogueiro combater seu mal psicológico mais devastador: a ansiedade. Tal exercício vai servir para que você não caia na tentação da serpente blogueira do paraíso, o hype, o que evitará a venda da alma ao diabo em troca de sucesso instantâneo junto aos pára-quedistas.

As 10 piores pragas da Internet.

Assim como o antigo Egito foi assolado por 10 pragas: 1) água transformada em sangue, (2) sapos, (3) piolhos, (4) moscas, (5) peste, (6) úlceras e tumores, (7) tempestades e granizo, (8) gafanhotos, (9) três dias de escuridão, (10) morte dos primogênitos - tais pragas são semelhantes as pesadelos que circulam na Internet semeando pânico e prejuízos.

1- Vírus
A água que se transforma em sangue simboliza o seu computador invadido por um vírus destrutivo. Qual internauta não foi infectado pela praga nº 1? Antigamente a pessoa se infectava quando enfiava um disquete na disqueteira, agora basta ficar de bobeira na Internet para que os códigos maliciosos oportunistas se instalem no computador e tornem a vida do usuário um inferno e a conta bancária um zero. No Egito virtual esta praga é composta de várias espécies: vírus, adware, trojan, worm, hijacker, keylogger, backDoor, bot, exploits, rootkit.

2- SPAM
Quando a sua caixa postal está entulhada de emails não solicitados, que versam sobre venda de remédios – Viagra, cialis, levitra, aumento do pênis, sites de encontros, africanos que querem depositar 1 milhão de dólares na sua conta, empresas lotéricas inglesas que querem lhe pagar 1 milhão de libras esterlinas por prêmios de loteria que você não jogou, etc. É a segunda praga do Egito internético e analogamente ao que aconteceu na história bíblica, você se sente submerso no meio de sapos gosmentos.

3- Reenvio de email.
Sabe aqueles seus amigos que te reenviam todos os emails considerados “interessantes”? Eles te jogam em cima da cabeça piolhos virtuais que recriam a 3ª praga do Egito. Então você tem que apagar todas aquelas apresentações manjadas de Power Point com aquelas musiquinhas piegas e aquele montão de curiosidades inúteis e vídeos de sacanagem.

4- Phishing.
Moscas são insetos que aparecem não se sabe de onde e somem quando você mais tem vontade de matá-los. O phishing é a praga das moscas, quando você é estimulado a visitar um site falso de Orkut, Banco, Loja, MSN, onde digita as suas informações pessoais e senhas e tem seus dados roubados.

5- Hoax.
São as mentiras que circulam interminavelmente na Internet. As fotografias do homem peixe achado no Tsunami da Indonésia, a carne de “coisa” do MacDonalds, o Orkut pago, os vírus que destroem computadores, etc. São pestes internéticas simbolizadas pela 5ª praga lançada contra os egípcios.

6- Marketing multinível.
Assim como a 6ª praga Egípcia se consumou em úlceras e tumores, na Internet ela se consubstancia através do tumor virtual chamado Marketing Multinível. No Brasil, o caso mais famoso desta praga foi a Amway que invadiu todos os centros urbanos. A idéia por trás deste câncer é basicamente formar uma rede geométrica em torno de um ou mais produtos consumíveis. Assim como o conto do bilhete, há semprenovas almas dispostas a cair na promessa de ganhar dinheiro em casa trabalhando com um negócio de Marketing Multinível. Conheço pessoas que perderam todos os seus bens com a Amway, o Marmota estabelece acertadamente correlações entre esta praga e as correntes e pirâmedes.

7- Correntes.
Quem acredita que dinheiro cai do céu, cai no golpe das correntes piramidais. Você deposita uma pequena quantia para o primeiro otário de uma lista e convence outros 5 otários a fazer o mesmo que você. Se é que alguém ganha dinheiro com isto, foi o primeiro sabichão meteu seu nome e dos seus parentes na primeira lista. Ah, se você quebrar a corrente, corre o sério risco de morrer em 3 dias.

8- Popups.
Vejam vocês a coincidência, os gafanhotos da 8ª praga do antigo Egito se assemelham às terríveis e incomodativas janelas Popups, aquelas janelinhas irritantes que se abrem insistentemente, que infestam a navegação em alguns sites da internet. O único antídoto contra esta praga é deixar de navegar em sites que apelam para esta coisa execrável.

9- Pornografia.
A nona praga, a escuridão que se abateu sobre o Egito simboliza a 9ª praga virtual, a pornografia que infesta a Internet. Alguns especialistas dizem que mais de 90% de toda a largura de banda consumida pela Internet é gasta em atividades pornográficas. Os onanistas de plantão, infestados pela escuridão da Internet devem se prevenir, pois a maior origem da praga nº 1 são os sites pornográficos.

10- Pedofilia.
Esta praga revive a matança dos primogênitos. Vejam bem a relação, quando o Faraó endureceu o seu coração e não libertou os Judeus do seu cativeiro, Deus lançou a praga que matou todos as crianças primogênitas das famílias, desde a mais pobre, até o primogênito do Faraó. No Egito moderno, os pedófilos matam as nossas crianças através de seus ataques à inocência por intermédio de redes sociais e chats em aplicativos de comunicação instantânea.

Leitura adicional:
Navegue longe das pragas

Como saber o tipo de painel do DELL 2007WFP?

Há diferentes tecnologias de painéis usadas na fabricação de monitores LCD. A qualidade varia desde os baratos e pouco eficientes painéis TN aos caros e profissionais painéis S-IPS e S-PVA. O consumidor médio normalmente não tem idéia qual tecnologia de painel equipa o seu monitor.

De fato, até os usuários NERDS ficam na ignorância, simplesmente porque o tipo de painel que o monitor usa, raramente faz parte da sua lista de especificações técnicas. A maioria dos usuários compra monitores baseados exclusivamente em preço e tamanho. Além do preço ser uma condicionante, o usuário deveria ser mais bem informado sobre as vantagens e desvantagens dos diferentes tipos de painel LCD e melhor, ser capaz de identificá-los antes de se decidir pelo modelo a comprar.

Explicação sobre a tecnologia S-IPS de painéis LCD.
Os painéis S-IPS são considerados os que têm a melhor tecnologia LCD em termos de qualidade de imagem, precisão de cores e ângulo de visão, porém tem o problema do alto custo. Eles são extremamente recomendáveis para as áreas de design gráfico e outros usos que requerem acuidade e coerência na reprodução de cores. Os painéis S-IPS oferecem os melhores ângulos de visão entre todas as tecnologias LCD atuais, com ângulos que vão até 178 graus.

Os painéis do tipo VA também oferecem ângulos tão grandes quanto 178º, mas muitos deles sofrem de perda de contraste ao redor de 165-170º. O tempo de resposta do S-IPS é adequado, variando de 6 ms a 16 ms nos painéis atuais. Este é a única desvantagem em relação aos painéis TN, que são bem mais rápidos em seu tempo de resposta. Por isto, os gamers deveriam levar isto em consideração, já que os jogos mais movimentados podem apresentar borrões na imagem, ou fantasmas quando jogados com monitores equipados com painéis S-IPS com tempo de resposta superior a 8 ms.

Os painéis S-IPS têm a característica de apresentar uma leve coloração púrpura nos negros, quando a imagem é vista de ângulos mais distantes do centro da imagem. Atualmente há poucas fábricas usando a tecnologia S-IPS em comparação com outros tipos de painéis, o que torna difícil a opção de compra entre os poucos modelos existentes no mercado, ainda mais porque são sempre os mais caros da sua categoria.

A loteria DELL.
Dois dos monitores S-IPS widescreen mais populares são o NEC 20WMGX2 e o Dell 2007WFP. O monitor da NEC usa um painel to tipo AS-IPS (basicamente uma customização da tecnologia S-IPS feita especificamente para a NEC), com 6 ms de tempo de resposta, tela não reflexiva, inclui sintonizador de TV e alto-falantes. O preço do 20WMGX2 varia de $500 a $600. O preço do DELL 2007WFP é muito mais atrativo, porém você não tem garantia de que o seu monitor virá com painel S-IPS, ou com o inferior S-PVA fabricado Samsung. Infelizmente a DELL usa estes dois tipos de painéis diferentes para equipar este modelo de monitor, distribuindo-os randomicamente na linha de produção, sem que o consumidor tenha chance de fazer a escolha.

Mesmo assim, devido ao menor custo do 2007WFP, muitos usuários preferem correr o risco da loteria dos painéis DELL ao comprar este modelo, torcendo para que chegue na sua casa o S-IPS que ele esperava.

Como SABER o tipo de painel de um monitor LCD DELL 2007WFP?
Consultando o site da Wikipédia descobre-se que para saber a informação basta consultar o número de série localizado atrás do aparelho. Por exemplo, eu comprei recentemente um 2007WFP e a acuidade de cores é impressionante. Só podia ter vindo equipado com um painel S-IPS. Peguei o número de série: MX-0HF730-74262-83C-2FGL. A Wikipédia informa que se o número de série termina em “S”, o painel é S-PVA, se é “L”, então é S-IPS. Bingo! O meu monitor é equipado com o melhor painel do mundo para o design gráfico.

Algumas características técnicas do DELL 2007WFP.
Tipos de paineis: 2007WFP 20.1 LPL LM201W01-SLC1/SLC2, AUO M201EW01, LG.Philips S-IPS LM201W01, Samsung S-PVA LTM201M1-L01 (true 8-bit)
Resolução: 1680×1050 widescreen
Protocolos de saída: DVI2-D (HDCP), HD15, S-Video, Composite
Tempo de resposta: 16 ms
Altura ajustável do suporte
Portas: 4 portas USB 2.0
Forma de identificação do tipo de painel: Número de série que termina com "L" = S-IPS painel. Número de série terminando com "S" = painel S-PVA.

Fonte:
LCD Panel Technology Explained

Leituras adicionais:
O que os fabricantes de Monitores LCD tentam esconder de você?
Qual é o melhor monitor LCD do mundo, de baixo custo?

27 de jul de 2008

O que é Sugar Blues?

Tal expressão em inglês pode ser traduzida como tristeza causada pelo açúcar branco. Ela foi cunhada pelo jornalista norte-americano Willian Dufty num livro famoso Sugar Blues – O gosto amargo do açúcar, nas décadas de 70 e 80 que relata de maneira radical os malefícios do açúcar refinado sobre a saúde humana.

Os velhos LPs estão voltando?

Em tempos de celular com mp3 e Ipods, pode o velho bolachão de vinil voltar ao mercado? Alguns indícios apontam para isto, provocados principalmente pela sensibilidade auditiva de certos audiófilos que notam a diferença entre a música gravada em meio analógico e digital.

Meu Toca-Discos Technics direct drive SL-Q03
Desde 1997 tenho o meu toca-discos de discos de vinil da marca Technics, herdado de uma parenta, que tem o sistema direct drive com controle de velocidade automático a quartz, modelo SL-Q03. Tal sistema dispensa o uso de correias, pelo fato do motor estar montado na base do prato. Então não há transmissão de espécie alguma, o eixo do prato é o próprio eixo do motor a girar.

Alguns anos atrás, descobri na minha cidade, Bento Gonçalves, as últimas três agulhas novas e originais do meu toca-discos-de-vinil. Comprei-as como se tivesse comprado o último pássaro Dodô do mundo.

Voltando a comprar Agulhas.
Passaram-se os anos e numa recente visita a Porto Alegre, percebi que está mudando no mercado dos antigos bolachões. Só por curiosidade entrei na famosa loja de eletroeletrônicos Severo Roth, que tem mais de 50.000 itens no se portfólio... inclusive agulhas dos velhos toca-discos de décadas passadas! Ao perguntar ao vendedor sobre a disponibilidade da minha agulha elíptica de diamante, código do modelo EPS-270 SD, ele respondeu que só levando a agulha, porque eu não tinha o código naquele momento.

Quando eu estava saindo, o vendedor exclamou profeticamente: “Os velhos LPs estão voltando”. Fiquei curioso para saber mais detalhes e ele respondeu que aumentou a procura por agulhas e peças para toca-discos. O próprio mercado fonográfico de música analógica, de olho nesta nova onda, está apresentado novidades: ao invés do toca-discos baseado em agulha, uma empresa, a japonesa ELP, está vendendo no mercado lá fora um toca-discos que substituiu a ponta de contato mecânico por um feixe de laser e batizou o novo produto de Laser Turntable. Ou seja, os audiófilos que tem um carinho mais do que especial por suas relíquias, podem agora curtir seus LPs sem provocar o desgaste por atrito causado pelas tradicionais agulhas.
De acordo com a matéria “A volta do vinil na era do MP3: venda de LPs e toca-discos crescem”, aquilo que era considerado um mercado em extinção, está renascendo das cinzas.

Minha prateleira repleta de LPs, com duas coleções da Abril completas!

Por que a opção pelo analógico e não o digital?
A resposta é muito simples, assim como eu, muitos audiófilos percebem a diferença timbrística entre gravações analógicas e digitais, principalmente na estridência da música digital causada pelo efeito serrilhamento de onda, inerente ao processamento digital, que não consegue ser eliminado pelas sucessivas filtragens de oversampling dos CDs-Players. Assim, um som produzido e gravado analogicamente preserva a mais alta fidelidade ao som que foi originalmente tocado.

Ouvido absoluto para a fidelidade = consumidor avesso a pirataria.
As pessoas dotadas de ouvido absoluto para a diferenciação de timbres, matizes e reconhecimento de distorções harmônicas – responsáveis pela estridência das gravações digitais – são clientes em potencial do mercado quase extinto das gravações analógicas.
Burros são os músicos e gravadoras que não estão se dando conta deste “revival”, pois os consumidores de gravações analógica são clientes fidelíssimos e jamais aceitam cópias piratas. Por outro lado, o processo de cópia de mídias analógicas é muito mais oneroso do que a multiplicação do formato digital.

Long Play, Analógico, digital, fidelidade, toca-discos, Laser Turntable

26 de jul de 2008

Batman, O Cavaleiro das Trevas: A hora e a vez do Coringa?


O último filme “Batman, O Cavaleiro das Trevas” revelou aquilo que não surpreende mais ninguém: na trama do cinema, o personagem coadjuvante é o próprio Batman e astro principal é o vilão.

Na fila para o pagamento do estacionamento do Shopping, ouvindo os comentários dos espectadores, percebi que só falavam na atuação do Coringa, em releitura terminal de Heath Ledger. Hoje sabe-se que na preparação do filme, caiu sobre os ombros de Ledger o desafio descomunal de superar o até então coringa perfeito Jack Nicholson.

O Batman cinematográfico não sobrevive ao mal vilão. Ao contrário dos quadrinhos, onde depois de sucessivas reformas conceituais o homem-morcego foi descarregado de alguns dos seus rígidos princípios morais, o Batman das telas, por se ater a estreitos princípios de conduta, está condenado a vestir eternamente a armadura de personagem coadjuvante.
Eis um dos problemas do Batman, a armadura e o nonsense da sua existência. Vamos tentar imaginar se há um pouquinho de possibilidade de um milionário passar as noites em claro envergando um uniforme desconfortável, apanhando de bandidos. Pela manhã, Bruce Wayne chega na batcaverna todo estoporado de tanto bater e receber socos, pauladas, tiros, pontapés.

Por mais que o cinema seja fantasia, ele exige uma certa dose de realidade e o personagem definido para o Batman até hoje, reveste-o de uma improbabilidade tão grande, que se torna necessário a concorrência de um vilão de peso que funcione como um contrapeso psicopata complementar.

Então, no último filme cujo nome confirma a tendência de retomada de antigas tradições do personagem soturno e noturno, na mais autêntica fidelidade ao morcego inspirador, Batman não chega a ser tão torturado quanto poderia e não chega a ser tão sombrio quanto deveria. Sobra assim, todo o caminho para um vilão que segure as pontas do drama e faça as regras. Ledger além de saber disto compreendia que o sucesso do filme de milhões de dólares pesava sobre suas costas.

Não frustrando os milhões de espectadores, Ledger compôs um personagem que abandonou toda a veia tragicômica do Coringa original e mergulhou fundo nos porões da loucura. O Coringa que reaparece nas telas é doido varrido, suicida e inconseqüente. O ator, para alcançar tal grau de dramaticidade, mimetizou os trejeitos dos dementes, os esgazeares de olhos e os ruídos bocais típicos de profundas patologias psiquiátricas.

Ao contrário dos risos despertados pela atuação do Coringa anterior, interpretado por Jack Nicholson, este coringa deixa o público em silêncio e apreensivo diante de tamanha anormalidade. Ele é um personagem que age no extremo da condição humana. As suas piadas se emudecem e no seu lugar surge a estupefação diante da vida levada aos limites da sobrevivência sob sofrimento psicológico severo.

O último filme do Batman novamente não vale pelo personagem título e sim pelo vilão que se esfarela diante dos olhos dos espectadores. Sintomaticamente a trajetória do homem morcego perpassa a história do império americano: nas décadas de 30 e 40 ele combatia os gângsteres que aterrorizavam as grandes cidades americanas. Em tempos de guerra fria, ele combateu cientistas do mal que ameaçavam explodir o mundo com seus planos diabólicos. Na era atual de cruzada global contra o terrorismo, o Coringa é o terrorista suicida que explode prédios e quer incendiar Gotham City.

O filme revela a atual leitura míope que os americanos fazem do terrorismo mundial, onde os terroristas são coringas enlouquecidos dispostos a tudo, vivendo vidas no limite, sem nada a perder. Os americanos jamais vão renunciar ao reducionismo de Coringas-terroristas nascidos de famílias psicóticas. Eles teimam em ignorar que em sua grande maioria, os terroristas são gestados nos grandes bolsões de miséria, onde grassa a rapinagem de riquezas praticada pela opressão econômica do império americano contra os recantos mais pobres do planeta.


Review: Batman - O Cavaleiro das Trevas

25 de jul de 2008

Como tornar o seu computador seguro em 10 lições?

Uma dúvida freqüente dos usuários que usam seu PC para realizar acessos a bancos, compras pela Internet com cartão de crédito, é se ele pode confiar que as suas informações sigilosas não estão sendo repassadas a cibercriminosos. O problema dos leigos é que os textos sobre segurança são tão especializados, que não são entendidos pelos usuários sem grande de bagagem de conhecimento informático. Sabendo que quase 100% das vítimas de golpes via internet são de usuários leigos, torna-se importante abandonar a linguagem empolada dos NERDS e tentar explicar as coisas da maneira mais simplificada possível.
Ter um computador confiável necessariamente implica em custos na compra de aplicativos e em comportamento seguro:

1) Sistema operacional.
Os usuários que preferiram, por razões de economia, comprar o seu computador sem sistema operacional (SO) e instalaram um pirata, nem precisam dos próximos testes. O SO legítimo e atualizado é a base de toda a segurança num computador, já todos os vírus são escritos se aproveitando de falhas nele. A esmagadora maioria de vítimas de roubo de senhas e invasões têm SO desatualizado. Caso você não queira de jeito nenhum gastar dinheiro com sistema operacional, saia do Windows e use o Linux.

2) Antivírus, antispyware e Firewall.
Se você não tem dinheiro para comprar uma solução integrada de segurança e prefere confiar na eficiência dos softwares “gratuitos”, nem precisa seguir adiante. Não há softwares gratuitos que oferecem a solução integrada de antivírus, antispyware e firewall integradas, então considere seriamente a compra de um dos pacotes do mercado chamados de “Internet Security”.

3) Recorra eventualmente a uma segunda opinião.
Parabéns, se você chegou até aqui, então é hora de falar sobre o fator paranóia. Nunca confie exclusivamente numa única suíte de segurança. Escaneie seu computador eventualmente com um dos scanners online disponibilizados pelos fabricantes de antivírus. Escolha um outro tipo de antivírus que não seja o seu, para fazer uma espécie de auditoria, comprovando a eficiência da sua escolha. Veja alguns links de scan oline: Kaspersky, Bitdefender, Trendmicro, Symantec, NOD32, McAfee.

4) Escolha do Browser.
O programa de navegação de internet mais visado pelos criadores de vírus é o Internet Explorer da Microsoft. Por ser o programa que equipa mais de 50% dos computadores do mundo, suas falhas de segurança são extenuatemente exploradas pelos cibercriminosos. Considere em usar um Browser mais seguro, tal como o FireFox, Mozilla, Opera, Safari, etc.

5) Uso de programas de comunicação instantânea MSN, Skype e compartilhadores de arquivos.
Quem usa programas de chat é sempre uma vítima em potencial. Os hackers conseguem obter os endereços das vítimas e perpetrar ataques, caso o computador não tenha passado num dos três testes acima. A mesma coisa pode ser dita quanto à conexão com os programas de compartilhamento do tipo Emule, Kazaa, Morpheus, Lime Wire, Torrent, etc. Par que você possa habilitá-los a funcionar normalmente, tem que desabilitar os recursos avançados do Firewall de proteção à abertura de portas, uma maneira dos invasores oportunistas terem acesso ao seu computador.

6) Uso do Orkut.
Uma dos grandes erros dos usuários é navegar incondicionalmente no Orkut sem proteção contra scripts. Scripts são linhas de código escrita que são inseridas nos perfis e comunidades. Uma forma de combater os scripts maliciosos é instalar no browser Fire Fox o add-on que desativa scripts, o NOSCRIPT.

7) Uso de programas piratas crackeados.
Quem usa programas crackeados corre riscos que o programa que foi modificado para rodar sem a licença original, tenha tido o seu código alterado para inocular vírus no computador da vítima. Por isto o teste o Internet Security do item 2 é essencial.

8) Jogos online em servidores piratas
Tem aumentado absurdamente as infecções por vírus originadas dos jogos online que usam servidores piratas. Segundo a empresa ESET, certa de 13,12 % do total de infecções registradas em junho/2008 se deu através dos jogos online.

9) Navegação em sites pornográficos.
A voluptuosidade com que os internautas recorrem aos sites pornográficos os impelem a aceitar a instalação de CODECS e players e supostamente possibilitariam a visualização dos vídeos disponibilizados “gratuitamente”. Tais aplicativos normalmente contém vírus e Trojans que se instalam nos computadores das vítimas, que pagam um alto preço por usarem os seus computadores em atividades “for fun”.

10) Emails perigosos, links, instalação de atualizações e phishing.
As regras de comportamento internético seguro mais básicos que existem advertem contra a abertura de emails estranhos. Não há o que adicionar sobre os golpes via email, que já são quase tão velhos quanto o conto do bilhete. Porém, tanto um quanto o outro continuam arregimentar otários porque a ignorância é a força motriz que move o mundo. O golpes de phishing se dão quando sob diversas circunstâncias o usuário pensa que está entrando no site do seu banco, loja, Orkut, ou qualquer outro de uso freqüente e se trata de um site falso, criado para roubar senhas. Para evitar o phishing, o internauta deve checar endereço real do endereço visitado. Este Site dá algumas dicas sobre como evitar links falsos.

Vírus, phishing, Orkut, MSN, senhas, hacker, cibercriminosos, email

23 de jul de 2008

Existem hackers éticos?

O Brasil, um país de impunidade alastrante, onde os bandidos fazem as leis, era lógico que tinha tudo para se transformar num paraíso Hacker.

Para se ter uma idéia das facilidades que os bandidos encontram na terra brizilis, vejamos algumas reportagens policiais que falam por si mesmas:

Polícia espanhola prende quadrilha de hackers brasileiros.

Hacker brasileiro relata 'carreira' de crimes online.

Hackers brasileiros criam novas modalidades de invasão.

2 Hackers Brasileiros burlaram 250 Mil Euros em Portugal.

Dinheiro é o alvo de 80% dos vírus no Brasil, afirma estudo inédito.

Depois desta pequena amostra da nossa guerrilha hacker, ainda é possível falar em “hackrers do bem”? Definitivamente eu rejeito toda a distinção entre Hackers e Crackers e coloco todos eles no mesmo balaio pelas seguintes razões:

- Invadir computadores alheios é uma atividade criminosa, não importando se são praticadas por hackers do bem ou crackers do mal. Os tais dos hackers éticos alegam que se eles invadem computadores e não causam nenhum dano são do bem, ao passo que acusam os crackers de praticarem invasões para causar danos.

Então, quem invade só pelo prazer de invadir é do bem e quem invade para causar estragos é do mal? Se tal situação fosse transposta para o mundo físico, significaria que todo aquele que invadisse um banco e saísse sem levar nada, seria um ladrão de banco “do bem”, enquanto outro bandido que saísse correndo com um saco de dinheiro seria “do mal”.

As coisas não são tão simples. Invadir computadores sem o consentimento da vítima, nem que seja somente pelo prazer do desafio, é um ato tão criminoso quanto instalar Trojans para obter senhas bancárias.

- A atividade hacker não deve ser confundida com aquela desenvolvida pelos técnicos em segurança que testam os sistemas corporativos. Não se pode falar em hackerismo quando há consentimento do dono do sistema a ser invadido, com o intuito de testar os sistemas de defesa da empresa.

- As pessoas confundem a realidade da internet de 20 anos atrás, quando adolescentes desocupados brincavam “inocentemente” de invadir computadores, com a situação de guerra do mundo atual que vive uma intensa migração de crimes do mundo real para o virtual. O antigo hacker romântico que praticava voyeurismo passivo em computadores alheios, há muito foi substituído pelo bandido sem escrúpulos que pode arregimentar milhares de computadores hospedeiros para serem usados em diversas atividades operações criminosas de ganho de dinheiro ilícito.

O conceito de ética não pode ser deturpado ao ponto de ser estendido para qualquer pessoa que consiga invadir um computador e não causa danos. Quem invade computadores não pode, por princípio, ser considerado ético e muito menos do bem. Esta certamente deve ser a base filosófica da nova lei dos Cibercrimes. O Brasil deve conseguir um dia tratar bandido como bandido, será que é sonhar tal alto?

Hackers, crackers, cibercrimes, ética

Quer ganhar 100 bilhões de dólares?

É simples, invente um algoritmo de buscador semântico e bata na porta de um dos grandes da internet atual, que ele te faz bilionário.

Uma verdadeira revolução, que está para ser deflagrada, vai mudar a face da Internet, é a criação de um mecanismo de busca semântica que realmente “entenda” o sentido das frases interrogativas.

Era uma vez os buscadores de papel.
Lembro que nos primórdios da internet brasileira, listas de endereços de sites eram vendidos nas livrarias. Eram publicações de circulação mensal que traziam milhares de endereços organizados por assunto, cinema, esportes, novidades, tecnologia, etc.

Isto aconteceu até a popularização dos sites buscadores na própria internet e dos sites agregadores de links, os diretórios. Quando surgiram os buscadores, eram em inglês e ruins de pesquisa. Traziam qualquer lixo, menos o assunto que procurado. Até que a pareceu uma luz no céu nublado da penumbra internética: o Google trazendo um novo conceito de busca baseada na relevância dos termos pesquisados.

Atualmente há 100% de chances do 100º resultado do Google ser lixo.
Experimente procurar um assunto lá pelo 100º resultado do Google e você comprovará como era o lixaredo dos primeiros buscadores. Como o Google opera com o sistema de hierarquização por relevância, a primeira página contém resultados que partem dos 100% e caem progressivamente. Isto não significa que você não vai encontrar o que procura lá pelo 49º resultado, mas inevitavelmente a quantidade de links fajutos vai crescendo exponencialmente em direção ao 100º resultado.

No reino dos buscadores há o Google, e o resto brigando pelos 20% que sobraram.
A situação atual é bem sólida para o Google. Enquanto os outros buscadores, Yahoo e Live sempre procuraram enfiar goela abaixo seus links patrocinados, o Google espertamente oferece os resultados mais condizentes com as necessidades do usuário. Isto não quer dizer que o Google trabalha pratique samaritanismo, enquanto os outros só pensam em dinheiro, não, ele insere os seus links patrocinados de maneira sutil e em doses homeopáticas, crente de que o internauta não vai se sentir alegre com a entulhação explícita de links patrocinados.

A revolução que ainda não aconteceu.
Por enquanto, a Internet está estabilizada com a posição consolidada pelo Google disparado em 1º, enquanto o Yahoo , Live e o resto dos buscadores brigam por um lugar ao sol numa briga de foice na disputa dos 20% restantes da fatia do mercado.

Acontece, que depois que o Google criou seu algoritmo de busca baseado em verbetes e um complicado sistema de hierarquização, chamado por eles de Page Rank, não surgiu nenhum fato novo no universo dos buscadores. Os internautas aprenderam mais ou menos a criar as suas redes heurísticas e a montar as suas interrogações para os mecanismos buscadores, tecendo redes de palavras-chave que vão refinando pouco a pouco o universo dos resultados possíveis.

Os mecanismos atuais da internet são reprodutores de excluídos digitais.
Porém, nem tudo é um mar de rosas e o Google sabe disto. Uma grande parcela dos internautas nunca aprendeu e nunca vai aprender a procurar coisas nos buscadores, simplesmente porque eles não trabalham ao nível de camadas semânticas e relacionais. Ou seja, as pessoas comuns, que não são Nerds Geeks, não obtém muito sucesso interrogando o Robô do Google através de perguntas do tipo:
- Como viviam os homens na pré-história?
O Google vai dividir a pergunta em verbetes, “pré-história”, “homens”, “viver” e vai apresentar resultados estanques que dificilmente refletirão o principal interesse da interrogação. O robô do Google tende a priorizar o verbete “pré-história” em detrimento dos outros, não reconhecendo que na construção da frase o verbo “viver” é a prioridade do que está sendo perguntado.

O buraco negro da falta de um mecanismo que realize buscas baseadas em contextualização semântica é o que torna cruel o problema dos excluídos digitais no planeta. Atualmente não basta ter um computador para você se incluir, é preciso ter inteligência acima da média para construir redes neurais suficientemente espessas para dar conta daquilo que a internet não faz por você – entender a sua língua.

A revolução vai acontecer?
Tanto o Google sabe, assim como os concorrentes que a solução é mudar radicalmente a forma como as buscas dos Internautas são satisfeitas na Internet. Quem aparecer com o primeiro algoritmo baseado em relações semânticas, vai se tornar com certeza no novo Google, seja ele quem for. No momento em que um robô de busca conseguir “entender” e contextualizar uma pergunta humana, sem dividi-la em verbetes autônomos, certamente ele terá bilhões de dólares à sua disposição e o planeta aos seus pés.

Referências
Links Patrocinados.
Busca Semântica.
Page Rank
Qual é o melhor buscador brasileiro?

Mecanismos de Busca, Google, Yahoo, Live, Page Rank, Busca Semântica

22 de jul de 2008

O que é Hype e porque os blogueiros se matam por ele?

A maioria da pessoas não entende o internetês dos blogueiros especialistas em Linux, logo, vou me abster de usar termos cabeludos, em condescendência ao estranho costume da blogosfera de repetir termos sem conceituá-los.

Encontrar uma definição do termo Hype que preste em português não é uma tarefa fácil, mas cheguei a uma satisfatória no Blog do Rodrigo Flaustino. Hype significa o assunto quente do momento, as coisas mais buscadas pelos os internautas pára-quedistas. Tais coisas são fotos bizarras, vídeos comprometedores de celebridades, fofocas, curiosidades, enfim, coisas inúteis que servem para provocar instantaneamente enxurradas de acessos nos Blogs Hypes num dia, e o abandono do Blog no dia seguinte pelos instáveis e volúveis pára-quedistas, que vêm atrás do assunto que está bombando e somem para nunca mais voltar.

A seguir relaciono alguns Hypes reais e inventados, explorados à exaustão pelos gigolôs de Hypes, que também podem ser chamados de Caçadores de Pára-Quedistas.

- As 10 melhores e maiores bundas do Brasil.
Bunda é o Hype nº 1, era antes mesmo do movimento hype ter sido inventado.

- Como emagrecer comendo como um porco.
Falsas dietas prometem banquetes pantagruélicos sem engordar são pratos quentes Hypes que engordam seguramente os caçadores de pára-quedistas.

- Cenas inéditas do filme pornô da mulher-melancia.
Aparentemente, por enquanto, foi um fake (falso) espalhado na Blogosfera que se tornou Top Hype. Sendo bunda o Hype nº 1, não teria como a dona de uma superbunda não sê-lo também.

- Os 10 seios mais bonitos do Brasil!
Os Hypes costumam ser formatados sob a forma de “os mais de” e, como seios são Hypes por natureza, 10 dos mais bonitos é garantia de incêndio da curiosidade dos pára-quedistas.

- Bombons de licor provocam punição da lei seca.
Um pequeno exemplo de Hype inventado pela imprensa oficial, Globo, e engolido pelo resto dela.

- As 10 blogueiras mais lindas do Brasil.
Se entra na categoria dos “mais” é Hype, restrito ao universo blogueiro.

- Os 30 blogs mais mal escritos da blogosfera brasileira.
Gostaria de achar este Hype. Porém estou atrás dele e não consigo encontrá-lo, talvez porque a língua escrita seja Hype só para mim. Quem sabe não seria melhor gerar um meme?

- O enforcamento do Saddam Hussen, acidente da Gol, corpos dos Mamonas Assassinas.
Cenas de violência, corpos despedaçados, execuções, etc., são hits do mundo Hype.

- Video inédito do Dr. Croc sendo varado pelo ferrão da arraia.
Eis o Hype que faltou. Tem um monte de neguinho por aí que daria um dedinho para olhar o Dr. Croc se ferrando no ferrão da arraia. Pena que a família dele não tenha pensado da mesma maneira.

- Vídeo Pornô da Cantora Avril Lavigne.
É a promessa Hype da vez, qualquer Blogueiro Hype daria alegremente a alma ao diabo para ter tal vídeo e... milhões de acessos de prêmio.

- Vídeo Pornô de Madonna com jogador de basebol Alex Rodriguez.
Esta é outra promessa Hype menos glamurosa do que o da Avril, mas alegraria o coração de muitos blogueiros.

- Os 50 piores blogs Hypes brasileiros.
O problema deste Hype, também só meu, é que se você elege os 50 piores, terá que eleger os 50 melhores, então é aí que a porca torce o rabo.

Hype, blog, vídeos, fake, pára-quedista

Como o militarismo da era Bush mudou o Batmóvel?

Como sou viciado nos links do Ueba, ontem ao visitar o site para saber as novidades, me deparei com um link ao post do Fester Blog que publica a seqüência de fotos da evolução estilística sofrida pelo Batmóvel, desde o seu lançamento em da série produzida para a TV em 1966, até o último filme de 2008.

É óbvio que a concepção original estava claramente voltada mais para a ficção científica, do que para a realidade cotidiana da vida urbana. O bólido de 1966 era um modelo cheio de curvas aerodinâmicas,

lembrando o Sinca Chambord Tufão com suas longas asas de morcego traseiras e os seus detalhes em vermelho.

Para quem curtiu adoidado a corrida maluca, descobre certas semelhanças o carro do Dick Vigarista e a aerodinâmica do Batmóvel. A imensa turbina traseira e as asinhas de morcego no teto e no capô não escondem o parentesco espiritual entre os dois carros.
Foto do carro que o Dick Vigarista na Corrida Maluca.


Pois bem, as décadas foram se passando e a concepção do Batmóvel sofreu transformações em direção a linhas cada vez mais arrojadas e futuristas. Talvez temendo as más línguas sobre a boiolagem implícita no estranho relacionamento Batman-Robin, em 1997 surgiu o Batmóvel mais aerodinâmico de todos... de UM passageiro só.

O militarismo do combate ao terrorismo da era Bush faz a sua primeira vítima: o Batmóvel.
Em 2005, no filme “Batman Begins”, o desenho do Batmóvel sofre a sua mais surpreendente transformação, virando uma combinação do gigantesco jipão militar americano Hummer com os caminhonetões tunados norte-americanos do tipo Big Foot.

Seguindo a tendência atual de aumento do realismo na ficção, o Batman é um psicopata “do bem” que realiza operações militares contra figuras outras além daquelas dos vilões ingênuos, agora substituídos por mentes do mal mais ao estilo Bin Laden e Saddam Hussen.
Batman, assim como o seu Batmóvel transformado em tanque de guerra, perderam a puerilidade das figuras de historias em quadrinhos, no momento em que foram se contagiando com a cultura do medo estabelecida desde o episódio da queda das duas torres gêmeas de Nova York em 2001.

O sonho da ficção sendo consumindo pelo hiper realismo foi muito bem representado no livro/filme “História Sem Fim”. Esperemos que com a saída do Bush tenha fim o reinado do medo e possa o Batmóvel voltar a ser algo mais do que um simples monstrengo militar.

Batmóvel, Batman, ficção, Hummer, Big Foot, corrida maluca, Dick Vigarista, militarismo

Como os Pterossauros voavam?

Um dos grandes mistérios da ciência aerodinâmica é o modo como os primeiros animais voadores de grande porte alçavam vôo. Nem mesmo o interessantíssimo artigo publicado na Revista Ciência Hoje nº 240, consegue desvendar o mistério e, ainda mais, lança mais dúvidas sobre como as colossais criaturas que atendem pelo nome complicado de Quetzlcoatlus northropi conseguiam inicar o vôo.
Apesar de termos hoje várias característica deste animais, tais como pegadas, fósseis que permitiram a reconstrução da sua imagem, temos o modelo matemático do seu vôo, hipóteses de hábitos, etc., não está totalmente esclarecido como uma animal voador do tamanho de uma girafa conseguia alçar vôo partindo do chão.

Vôo ativo e vôo passivo.
Os objetos voadores podem ser reunidas em dois grandes grupos: os de vôo ativo e os de vôo passivo.
- Vôo passivo os objetos que não “batem asas” e não têm propulsão de qualquer espécie. Planadores, paragliders, asas-deltas, peixes-voadores, algumas espécies de esquilos, etc.
- Vôo têm ativo todos os demais objetos voadores: insetos, aves, morcegos, aviões, helicópteros,etc.

Animais planadores.
Os animais voadores superpesados não têm condições de bater asas o tempo inteiro, logo eles são obrigados a fazer um misto de vôo passivo e ativo, pois despenderiam muita energia com a propulsão das asas. Exemplos: urubus, condores, cisnes, albatrozes e demais grandes aves voadoras que se conhece, todos utilizam concomitantemente o vôo ativo e planado.

Como uma montanha voadora do tamanho de uma girafa conseguia sair voando do chão?
Comparação do tamanho de um pterossauro e um homem.

Está definitivamente descartada a hipótese de que os pterossauros tivessem condições de obter propulsão suficiente através de uma louca correria, para se jogar no ar e sair voando do chão.

Ora, os condores, albatrozes e cisnes, apesar de terem massa corpórea muito menor, têm imensas dificuldades de decolar do chão. As aves aquáticas usam a água como uma espécie de catapulta deslizante, mas os condores, se deixados no chão plano, NÃO conseguem decolar. Eles precisam se atirar na beira de um penhasco para alçar vôo.

Comparação de estruturas entre pterossauros, condores e albatrozes.

O mesmo fenômeno acontece com os morcegos. Quando por um acidente vão para o chão plano, eles não conseguem mais decolar porque a sua estrutura de pés não permite a corrida que seria necessária para romper o ponto de estol, necessário para alçar vôo.

A rampa de decolagem dos pterossauros.
A única maneira viável e se imaginar os pterossauros decolando é a mesma que os paragliders e asas deltas utilizam. Os pilotos sobem numa elevação e se atiram no abismo com suas asas postiças. Quando tudo dá certo, eles rompem a velocidade de estol e saem planando.

Agora, vamos imaginar a dificuldade de um animal gigantesco como o Quetzalcoatlus northropi com 10 metros de envergadura (medida de uma ponta da asa a outra) tendo que desenvolver uma corrida no chão de mais de 60 km por hora!

Hipótese mais provável da mecânica de vôo dos pterossauros.
Certamente que para subir na sua rampa de decolagem, eles precisavam de dias de esforços, o que teria inviabilizado a sua vida. A melhor hipótese que teria livrado os pterossauros de extenuantes e mortais subidas em montanhas é ele ter vivido, decolado e pousado novamente em lugares altos em amplos. Assim como os condores que nidificam em penhascos e passam a maior parte do tempo em locais altos, de onde podem se atirar para alçar vôo, a única chance dos pterossauros terem sido os primeiros animais a praticar vôo é ter habitado relevos montanhosos que permitiram àquelas imensas criaturas a precipitação no abismo, única maneira de colocar em vôo tão grandiosas estruturas.

Pterossauro, vôo, estol, planeio, morcego, condor, ave, planador, envergadura, paleontologia

21 de jul de 2008

Por que o padre voador se ferrou? As verdades que não foram ditas até hoje.


Voar é coisa para Pterossauros extintos, pássaros, insetos, morcegos e artefatos aerodinâmicos feitos pelo homem. Balões não voam, flutuam por serem mais leves do que o ar, portanto, são arrastados pelos ventos.

O balonismo profissional é uma arte que leva anos a ser aprendida, que implica no estudo profundo da atmosfera e das camadas de ventos divergentes, com diferentes sentidos/direções. Nos cursos de aviação se aprende que a atmosfera é composta de camadas. Cada camada tem o seu vento predominante, assim um balão que sobe ou desce pode mudar de sentido/direção repentinamente.

O balonista, ao estudar a carta de ventos do dia, pode calcular a sua altitude em função da direção prevista dos ventos e, navegando num balão de ar quente que permite MUDAR a altitude, ele se desloca verticalmente para a camada de ventos que tenha o sentido/direção desejado.

O Padre Adelir de Carli manifestou desconhecimentos crassos de meteorologia ao ter insistido em fazer o fatídico vôo do dia 20/04/2008.

- A imprensa deu extrema ênfase no uso do GPS, mas para um monte de balões sem possibilidade de controle de posicionamento vertical, o correto manuseio do GPS não teria servido para a navegação, somente para o resgate.

- O padre decidiu usar 1000 balões, ao invés dos 500 com que ele havia voado em outubro de 2007 na cidade de Ampére. O aumento do número de balões implicou voar em maiores altitudes, que significou navegar numa camada de ventos diferente daqueles observados no solo, com certeza opostos ao que o padre desejava. A sua pretensão era ir para oeste ou noroeste, no máximo norte. O único sentido/direção proibido era sudoeste->nordeste – para onde ele acabou sendo arrastado – o alto mar.

- No vôo de Ampére-San Antonio o padre Adelir chegou a altitude máxima de 5.337 metros com 500 balões. O aumento de balões significa aumentar a altitude, que poderia ter ultrapassado 6.000 metros. Ora, caso o padre tenha atingido tal altitude, ele navegou algum tempo na camada topo do “edificio atmosférico”, com ventos fortíssimos de mais de 100 km por hora chamados “jet stream”. Esta camada atmosférica tem ventos predominantes no sentido/direção oeste->leste, ou seja, para o alto mar.

- Quem consulta a carta de campos de ventos do INPE do nível atmosférico de 250 hPa (altitudes acima de 5900 metros), descobre que o sentido predominante na região sul é oeste->leste, em qualquer mês do ano. Se o padre navegou em na camada atmosférica inferior de 500 hPa, (5.000 a 5.290 metros) o sentido predominante dos ventos para o leste do Paraná oscila em torno do eixo sudoeste->nordeste – quase paralelo à costa brasileira - para o alto mar.

- A previsão do tempo para o dia 20/04/2008 indicava chuvas para todo o país. Qualquer aeronauta sabe que as frentes frias entram em forma de cunha. Apesar dos ventos de superfície soprarem do mar, em altas camadas, os ventos mais frios chegam do norte da argentina se deslocando em direção ao mar.

Depois de colocar todos os pontos nos is, a conclusão mais lógica que eu posso chegar é que o padre metido a balonista não tinha conhecimento de uma coisa básica para qualquer balonista: a leitora das Cartas de Campos de Vento que são calculadas todos os dias pelos Institutos Meteorológicos de Brasil e divulgadas gratuitamente na Internet na seção de Previsões Numéricas --> Linhas de Corrente e Magnitude do Vento.

O resultado do show de ignorância teórica em meteorologia, navegação, operação de GPS, etc., dado pelo Padre Adelir Antonio de Carli foi uma morte bizarra e estúpida, digna de ganhar o prêmio internacional concedido às mortes mais bizarras e estúpidas. O padre que foi o ganhador do prêmio Darwin Award de 2008, justamente criado para homenagear as mortes mais bizarras do ano, conseguiu ao fim se tornar celebridade mundial.

Balonismo, padre voador, ventos, meteorologia, campos de vento

20 de jul de 2008

As vacinas causam Autismo?

Se até o governo norte-americano está reconhecendo discretamente a associação Autismo-Vacinas, como ficam os pais diante do dilema de vacinar ou não seus filhos, sabendo que estarão expondo-os à doses crescentes de toxidade do elemento mercúrio, que pode causar nas suas crianças danos neurológicos irreversíveis?

Num primeiro artigo publicado na Revista Ciência Hoje nº 176/2001, o assunto vacinas X autismo foi abordado sob o singelo título “Autismo é associado a uso excessivo de vacinas”. Sete anos depois, o mesmo assunto volta à baila na mesma revista, porém desta vez como reportagem de capa, várias páginas e com um título bem mais bombástico “Vacinas versus Autismo, qual o risco real?

As acusações sobre as vacinas não recaem propriamente sobre o seu princípio ativo, mas sobre uma substância derivada do mercúrio, o timerosal, usado como conservante de vacinas. Ora, é sabido que o elemento mercúrio é altamente tóxico para todas as formas de vida, tanto que é usado para proteger as vacinas da contaminação por bactérias. Os danos do mercúrio se dão principalmente sob a forma de degenerações sobre o sistema nervoso central. Um dos efeitos mais devastadores da contaminação por mercúrio, como os verificados no desastre da baia de Minamata, é que a introdução deste elemento no corpo humano tem efeitos cumulativos. Ou seja, ele não é expelido naturalmente do organismo.

A grande discussão mundial sobre as vacinas conservadas por timerosal se estabelece quando se vê que o número de doses de vacinas que são injetadas nas crianças aumenta cada vez mais. Cada dose de vacina contém de 12,5 μg a 25 μg de mercúrio e cada dose de vacina tríplice + vacina antigripal pode ter de 25 μg a 50 μg deste elemento. Segundo a agência ambiental norte-americana (EPA), qualquer líquido que contenha mais de 0,2 μg de mercúrio, deve ser considerado resíduo perigoso. Ora, nas crianças vacinadas regularmente seguindo o calendário oficial, são injetadas quantidades de mercúrio 60 a 250 vezes maiores do que os níveis residuais considerados perigosos.

A ANVISA, Agência Brasileira de Vigilância sanitária teima em fechar os olhos ao problema, decretando que “a imunização com vacinas contendo tiomersal continua oferecendo excelentes benefícios à população em geral, incluindo recém-nascidos”.

Apesar do Brasil ter proibido a produção de medicamentos contendo mercúrio em 2001, foi liberado o seu uso como conservante de vacinas. Assim, como sempre assumindo o papel de Pilatos, o governo, ao mesmo tempo em que proíbe o veneno em remédios, permite que o mesmo veneno seja inoculado em crianças em pleno desenvolvimento neurológico.

Ao longo dos anos tem havido na comunidade científica questionamentos cada vez maiores sobre o aumento significativos da incidência de crianças autistas. Acreditava-se que no passado o autismo afetava 4 a 5 crianças por 10 mil. Hoje a estatística é de aproximadamente uma criança desenvolvendo autismo a cada 150 crianças normais, até os oito anos de idade.

Enquanto os interesses econômicos se digladiam e os governos se omitem, cada um puxando a sardinha para o seu assado, como ficam os pais diante da decisão de vacinar ou não vacinar? Uma mãe desabafa declarando que decidiu, depois de muito pesquisar, não vacinar o seu segundo filho. Na Grã Bretanha os pais estão com medo de vacinar e muitos, mesmo correndo o risco dos seus filhos contraírem sarampo, preferem não correr o risco dos danos irreversíveis causados pelo mercúrio.

Cabe aos pais de crianças em idade de vacinação se informar muito sobre o assunto, que é vasto e complexo, para não se deixar engrupir pelo ufanismo das campanhas oficiais de vacinação em massa.

Leituras adicionais:
Em busca de vacinas mais seguras.
Vacinas provocam Autismo?
Autismo e vacinação infantil.

mercúrio, vacina, autismo, timerosal,crianças, contaminação, danos neurológicos

Por que a minha mãe matou meu pai com sal?

Para mim foi uma situação inusitada: quando meu pai sofreu o primeiro AVC (Acidente Vascular Cerebral), foi diagnosticado que ele era hipertenso. Como acontece normalmente nestas situações, os médicos prescrevem uma dieta hipossódica, ou seja, a comida deste tipo de paciente deve conter quantidades mínimas quantidade de sal de cozinha e devem ser restritos os alimentos industrializados ricos em sódio.

Para o meu espanto, nos anos subseqüentes a cada vez que visitei a casa dos meus pais, sempre tive que admoestar a minha mãe sobre a quantidade de sal que ela usava para temperar a comida. Ora, para uma pessoa hipertensa com prescrição médica de dieta hipossódica, ela exagerava acima do padrão normal da cozinha brasileira, considerado alto demais em comparação com os valores estabelecidos pela organização mundial de saúde. Infelizmente os brasileiros são uns dos maiores consumidores de sal do mundo.

O desfecho da história foi previsivelmente trágico. Por causa da falha na dieta alimentar, a hipertensão do meu pai teve que ser controlada precariamente com medicamentos e o quadro dele evoluiu até outro AVC, com infarto e finalmente a morte. Fiquei surpreendido com a atitude da minha mãe, achando que ela tinha conscientemente abreviado os últimos anos do meu pai.

Ledo engano, falando com um médico, ele me confidenciou que o meu caso foi a regra. Infelizmente os familiares de pacientes com patologias cardiovasculares não fazem o mínimo esforço para que os seus entes queridos tenham uma maior sobrevida. Cada familiar continua tocando a sua vida como era dantes, assim como fez minha mãe. A verdade é que as pessoas se recusando terminantemente a mudar os seus hábitos, desfazem toda e qualquer possibilidade do tratamento dar certo.

O amor que as pessoas sentem por seus parentes vai até o instante que elas têm que proceder uma mínima mudança de comportamento e se esforçar pela manutenção de uma simples dieta de redução de sal é um sacrifício que os familiares nunca estão dispostos a fazer. O que me consola atualmente é a descoberta de que a minha mãe não contribuiu voluntariamente para a morte do meu pai, ela apenas engrossou as estatísticas de familiares relapsos, que infelizmente são a maioria.

Leia mais sobre os males do sal à saúde:
Salgar faz mal à saúde?

Sal, hipertensão, dieta hipossódica, patologia cardiovascular

Por que os homens não fazem exercícios nem dietas?

Não o fazem até o momento em que suas esposas adotam hábitos saudáveis.

Os chavões antigos rezam que o homem é a “cabeça do casal” e a mulher, a “rainha do lar”. Tais ditos populares vêm a calhar neste texto; pois, apesar da cabeça não mandar sozinha, a rainha reina em qualquer situação.

Em tempos de consumo excessivo de alimentos supercalóricos, causadores da obesidade mórbida, os meios de comunicação veiculam medidas simples para fazer frente ao mal do século, hipertensão e diabetes, inventados pela urbanização. A escalada das doenças urbanas já se tornou epidêmica, alimentada pelo tabagismo, alcoolismo e drogadição, exigindo cada vez mais recursos dos sobrecarregados sistemas de saúde dos países industrializados.

Porque os preceitos de uma dieta saudável e prática de exercícios físicos não funcionam?
Este tipo de pergunta requer uma reflexão sobre a metáfora da rainha do lar. Na esmagadora maioria das famílias quem determina a dieta e a rotina doméstica é a mulher. Como se fosse uma verdadeira maestrina, a esposa dá o tom da orquestra, o ritmo e o andamento de todas as pequenas ações acontecidas, que são cruciais para a saúde de cada um.

Os cardiologistas sabem que a prescrição de mudança de hábitos esbarra sempre no convencimento da mulher. Caso ela não se engaje ativamente na mudança dos hábitos alimentares e das rotinas de aproveitamento de tempo livre doméstico, o homem por si só, mormente acaba desistindo.

Raros homens fazem a sua própria comida e mais raramente ainda se dispõem a fazer exercícios físicos com a regularidade desejável. Ele é pavio curto, sai do consultório cheio de boas intenções... que se desvanecem ao longo do primeiro mês, se é que chega a tanto. Tal ciclo vicioso pode se repetir inúmeras vezes até a chegada do fulminante infarto ou do silencioso diabetes.

Quando a mulher é convencida, eis que surge a luz no fim do túnel.
Se for certo que a mulher faz o homem, também é certo que quando ela se dá conta da difícil situação de encruzilhada em que se encontra a sua família, alguma coisa ela faz. Logo, quando a mulher resolve mudar o padrão de hábitos de uma casa, normalmente é uma decisão duradoura que produz resultados no longo prazo – períodos maiores do que um ano.

Esta é a palavra chave da atuação feminina: persistência. A mulher dificilmente consegue ser convencida a mudar seus hábitos. Mas se ela chega a isto por sua própria saúde, ou a dos filhos, ou a do marido, ou tudo junto, ela começa a tomar pequenas atitudes que farão a diferença e a estatística comprova que a sua força de vontade é mais duradoura.

- Exemplo de pequena atitude: mudança do padrão de compras no supermercado. A troca do monte de porcarias industrializadas e refrigerantes, pelas frutas, legumes, alimentos orgânicos e integrais.

O doente mora necessariamente numa família doente.
Os portadores de doenças urbanas, vivem em famílias doentes que compartilham maus hábitos de vida; são sedentários e baseiam a sua alimentação em produtos industrializados supercalóricos. Portanto, o poder de convencimento dos cardiologistas, endocrinologistas, nutricionistas, etc. tem que ser direcionado para o convencimento da mulher, que pode representar a única chance de mudança dos padrões alimentares e do sedentarismo.

No momento em que algum destes profissionais da saúde consegue catequizar a rainha do lar sobre a necessidade das mudanças, a possibilidade de tratamento e cura se torna factível e o resto da família vai agradecer no longo prazo em termos de saúde, apesar do início ser marcado pela chiadeira de crianças e adolescentes emburrados diante dos pratos desinteressantes e saudáveis.

Dieta saudável, mudança de hábitos alimentares, exercícios, obesidade, hipertensão, diabetes