Pesquisar

21 de mai de 2014

Por que as pessoas são fascinadas por pianos velhos?



Fruto da minha convivência de 8 anos com um piano velho, foi o impulso de buscar algo mais confortável. Dito e feito! Acabamos nos apaixonando por um reluzente piano novo de cauda na loja e o adotamos, sem vícios nem grilos.

Doravante, fica difícil entender a primazia que o piano velho goza na gosto das pessoas. Certamente as madeiras de antanho são insuperáveis, logicamente os processos construtivos eram muito mais manuais e deve-se relevar que tais instrumentos possuem uma rica história, por vezes compreendendo várias gerações.
(Cá pra nós, é simples entender a mística que envolve candelabros, madeiras maciças, entalhes, marfins, ébanos, notória robustez dos gabinetes, etc.)

Por outro lado, tenho que ser suficientemente racional para levar em conta que, ao contrário do violino, o piano pode ter até dezenas de milhares de peças móveis e um nível de complicações que o torna o rei da complexidade entre os instrumentos! E isto luta contra as possibilidades de se adquirir um piano íntegro, principalmente se for daquele time que não vê um pianista desde o tempo em que a vovó era mocinha.

Se por um lado o elã das madeiras nobres e da história são elementos de sedução, por outro, os preços convidativos terminam convencendo os incautos. E o raciocínio é muito simples: “compro um piano baratinho e, se houver algum problema, mando consertar”.

Ledo engano senhoras e senhores! Pois nem todo o piano velho está logo ali ao alcance de uma reforma. Às vezes ele não tem nenhuma condição de ser resgatado do mundo dos mortos, enquanto em outras, o bilhete de resgate é tão grande que não vale a pena jogar dinheiro bom em ruína. (Por isso a assistência de um afinador de confiança na hora de examinar um piano usado é de vital importância.)

Digamos que você tenha adquirido um piano velho mais ou menos funcionando. A coisa continuará no mais ou menos (muitas vezes menos) até você se se fartar da experiência. Nesse meio tempo, pode descobrir que algumas cravelhas já não seguram mais a afinação, rachaduras na tábua harmônica, cordas enferrujadas, molas oxidadas, feltros desgastados, mecânica necessitando de uma UTI, etc.

Tal é a rotina de um proprietário de piano velho, ele decora os rangidos, mapeia os abafadores que funcionam precariamente, sente gelar o sangue nas teclas que tendem a trancar e prende a respiração a cada afinação para que umas três cordas não se quebrem. Logicamente os pianos novos têm lá seus defeitos, digamos assim, num menu muito mais reduzido e passíveis de correção.

Fale com um proprietário de piano velho e ouvirá um rosário de reclamações, imprecações contra a displicência dos afinadores, queixas de cliques, grilos intermitentes, desequilíbrio tonal, teclas xoxas ou presas, pedais barulhentos, sostenuto que não funciona, etc. No entanto, provavelmente a paixão do dono continua inalterada pelo seu matusalém e a sua desconfiança nesses modernos pianos chineses feitos em série por robôs continua nas nuvens.

Por enquanto, há coisas que não saem facilmente de cena e a principal delas é a tradição.

18 de mai de 2014

Algum dia essa imagem será considerada pornografia infantil?



Faço essa pergunta porque quando os tempos mudam, antigos comportamentos passam a ser considerados abuso.  O exemplo clássico dessa assertiva é a carreira cinematográfica da atriz Brooke Shields, que decolou depois da publicação de uma série de fotos eróticas quando ela tinha apenas 10 anos!* Aos 11 anos a Brooke participou do filme “Pretty Baby” em que ela interpreta a filha de uma prostitua vivendo num bordel, logicamente gravando cenas de nudez que hoje são consideradas pornografia infantil.

Participações de crianças e adolescentes em cenas de nudez e insinuação erótica não foram nem um pouco incomuns nas décadas e 70 e 80, tanto que apresentadoras mirins de programas infantis do porte de Xuxa, Angélica, Mara Maravilha, etc., apesar de adolescentes, apareciam semi-despidas nos programas de TV dirigidos aos “baixinhos”.

Hoje desenvolvemos uma cultura de repúdio à exploração sexual de menores de 18 anos, pelo menos no tocante aos menores, pois o nosso repúdio deveria extrapolar à coisificação e transformação do corpo humano em carne de açougue em qualquer idade (o que acontece com a “carne” explorada pela indústria pornô).

Contudo, a noção de abuso infantil deve ser estendida muito além da questão sexual, pois inclui violência física e psicológica e no nosso tema aqui, grave atentado contra o futuro da criança.

Mesmo diante de todas as precauções modernas com a integridade física e psíquica de crianças, adolescentes e vulneráveis, eis que me deparo horrorizado com a imagem publicitária de uma bebê de colo falando alegremente num celular. Pior ainda, a imagem está publicada em suas versões impressa e eletrônica no jornal “Extra Classe” editado pelo Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul!**

Então quer dizer que os educadores, que deveriam representar uma rede de proteção a crianças e pré-adolescentes, ignoram o fato de que o uso precoce de aparatos eletrônicos emissores de radiação provocam câncer numa tenra faixa etária em que os indivíduos sofrem imensa multiplicação de células? É só lançar num buscador de internet as seguintes palavras-chave “uso de celular crianças” e temos a listagem de 5.500.000 textos abordando os riscos do uso de aparelhos transmissores de radiações eletromagnéticas por crianças.***

Sabemos que professores individualmente dão Coca-Cola na mamadeira aos seus bebês, os viciam em açúcar e comida-lixo desde o berço, os expõe precocemente à violência da TV, talvez por isso mesmo o seu órgão de classe manifeste tamanha ignorância. Infelizmente esse é o retrato da situação falimentar da educação no nosso país.