Pesquisar

26 de mai de 2015

Tipos de mecanismos de pianos acústicos


Quando você vai comprar um piano acústico, normalmente é incentivado a adquirir um instrumento com “mecânica boa”. E tal conselho tem a ver, pois o mecanismo é o elemento que une o pianista às cordas. Por isso, não custa nada conhecer um pouco sobre os tipos de mecanismos existentes e como eles afetam o controle, sensibilidade, velocidade,  repetição.

Mecanismo rebaixado de piano tipo espineta
Devido ao tamanho exíguo, o acionamento da maquinaria se dá indiretamente. Além de ser um mecanismo de manutenção difícil, é o menos responsivo e permite pouco controle dinâmico. Nem preciso dizer que você deve se manter longe de um desses!

Mecanismo gaiola (pianos verticais antes do século XX) – “mecânica fechada”
Nos pianos de armário muito antigos, os abafadores eram posicionados acima dos martelos. Como os abafadores são acionados por arames, o conjunto se assemelha a uma gaiola. Os afinadores costumam dizer: “fique longe disso!” ou  “livrai-nos do mal!”, pois são pianos de difícil manutenção e muito trabalhosos de afinar.

Mecanismo de pianos verticais do tipo apartamento  – “mecânica aberta”
A mecânica moderna que equipa os pianos verticais, também chamada de mecanismo direto, é a mesma tanto para os pequenos do tipo apartamento, quanto para os modelos maiores ditos profissionais. O que difere nos pequenos é o tamanho menor do piloto acionador, fato que, em tese, reduz um pouco o controle e a responsividade.

Mecanismo de pianos verticais de tamanho profissional
Um dos grandes diferenciais dos pianos com mais de 130 cm de altura é o seu mecanismo mais preciso, tanto é são classificados na categoria dos “modelos profissionais” pelos fabricantes. O diabo dos modelos profissionais é o custo, pois com o preço de um novo você compra um piano de cauda usado de bela categoria.

Vienense (pianos de cauda antes do século XX)
Os antigos Fortepianos possuíam um mecanismo bem mais simplificado, proporcionando, portanto, menor tocabilidade do que o piano moderno e repetição bem modesta.

Mecanismo Renner ou tipo Renner (piano de cauda moderno)
Leio nas características técnicas de um piano chinês: “Upgraded Renner Style Action” (que em linguagem de gente significa cópia da mecânica Renner). Ou seja, Renner se tornou sinônimo de excelência em mecânica de pianos, tanto que possuir uma original ou equivalente faz parte do apelo comercial. Atualmente, muitos modelos de pianos chineses vêm equipados com mecanismos Renner perfeitamente copiados, tão perfeitamente que um conhecido projetista de escala americano errou quando foi submetido a um teste cego; ele acabou optando pelo critério de melhor acabamento, já que não conseguia diferenciar a mecânica original da contraparte chinesa, e acabou errando.

Mecanismo estado regular ou ruim

Não importando se é piano vertical ou de cauda, antes de comprar um instrumento analise detalhadamente o estado geral do mecanismo afim de detectar desalinhamentos, estado de desgaste dos martelos, componentes tortos, cabos partidos, camurças desgastadas, feltros, peças quebradas ou precariamente reparadas, etc. Uma primeira análise pode ser feita inclusive a partir de fotos. Caso a mecânica apresente mal aspecto, os custos dos reparos ou até mesmo da reforma costumam ser bastante dispendiosos. Às vezes uma pessoa é levada a vender o seu piano quando chega o momento de decidir se ela investe num novo instrumento ou parte para a restauração completa da mecânica. Quase sempre, o custo da reparação/restauração mais o preço que ela obterá na venda, justifica plenamente a troca por um novo piano.
Na hora da compra, se você optar por um piano com mecânica em estado duvidoso, pensando em consertá-la depois, informe-se previamente sobre os custos envolvidos, pois trata-se de um conjunto altamente complexo formando de milhares e milhares de pecinhas móveis sujeitas a grandes desgastes ao longo dos anos de uso/abuso.

Concluindo, se você me perguntar se o estado da mecânica é o elemento definidor da compra de um piano, respondo imediatamente: sim! Este é o tipo de erro você costuma cometer na primeira compra e que jamais se repete na segunda, pois a dor gera conhecimento.

Leituras adicionais:

Um comentário:

  1. Muito bom este post! Infelizmente o li tarde rss! Comprei um piano que estava com mecanismo ruim e tive muita dor de cabeça até conseguir deixá-lo num estado satisfatório.

    ResponderExcluir