Pesquisar

6 de ago de 2015

Algumas curiosidades sobre a fábrica de pianos M. Schwartzmann



Que o Brasil é um país sem história todo mundo concorda. Pior mesmo é quando constatamos a falta de memória nos assuntos que nos são queridos. Nosso país fabricou muitos pianos na primeira metade do século XX, acompanhando a onda da era de ouro desses instrumentos. Entretanto, há pouca documentação sobre as inúmeras fábricas que se estabeleceram aqui, quase todas tocadas por emigrantes europeus e judeus, fato que explica a multiplicidade de nomes alemães apostos nos tampos.

Quem acompanha os anúncios de pianos usados, percebe a grande oferta de pianos M. Schwartzmann no mercado, normalmente numa faixa de preços de média a baixa. Fato que me estimulou a buscar maiores informações, infelizmente frustrante, pois as únicas marcas bem documentadas são a extinta Essenfelder e uma das poucas remanescentes, a Fritz Dobbert.

Primeiramente vamos à razão do “M” do nome, que significa Maurício, já que o nome do fundador era José Marício P. Schwartzmann (não me pergunte o que é o “P”). A informação consta no site da família Schwartzmann.

Pela quantidade de instrumentos vendidos, a marca M. Schwartzmann lembra um pouco a holandesa Rippen, que vendeu pianos como água, mas eram instrumentos altamente descartáveis.

Ao contrário da fábrica da Essenfelder, cujas ruínas sumiram do mapa, o esqueleto da fábrica M. Schwartzmann ainda continua em pé no Bairro Braz Cubas em Mogi das Cruzes. Mas antes vamos à exuberância da fábrica, em pleno auge, na década de 60.

Já na década de 70 as coisas começaram a ir mal e a fábrica fechou. Por obra de uma adjudicação (arresto do imóvel para pagamentos de tributos municipais) feita pela Prefeitura de Mogi das Cruzes e a contestação judicial impetrada pelos herdeiros do espólio Schwartzmann, posso mostrar aqui o que restou hoje do antigo esplendor desta prolífica fábrica de pianos! Através da foto acima que encontrei no setor histórico do site da Prefeitura, consegui localizar através do Google Street View a vista de frente (rua Guttermann) dos prédios abandonados da extinta fábrica M. Schwartzmann.

4 comentários:

  1. "Que o Brasil é um país sem história todo mundo concorda". Opa, eu discordo!

    ResponderExcluir
  2. Moro próximo dessa antiga fabrica, ainda hoje é possivel ver o nome gravado na grama, hoje é utilizado por uma fabrica de tratores para guardar as maquinas assim que saem da produção.

    ResponderExcluir
  3. Criei um blog apenas sobre pianos há poucos dias atrás. Talvez você pudesse vê-lo! Link:

    http://mundodospianos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Tenho péssimas recordações da fábrica de pianos Schwartzmann. Entrei em contato com a firma para lustrar meu piano para preserva-lo durante a troca de piso da minha casa. Um dos Schwartzmann veio retirá-lo. Teceu muitos elogios a qualidade e preservação do meu piano de estimação. Foi levado para devolução em 40 dias e só consegui reavê-lo quase uma ano depois através da polícias totalmente despedaçado. Foi reformado pela Pianos Brasil, mas não tinha muito o que fazer. Hoje ele está em Guararema e estou procurando um afinador na região para ver se meu neto pode aprender nele. Desculpem o desabafo mas está entalado em minha garganta há muitos anos. Hedy

    ResponderExcluir