Pesquisar

20 de set de 2014

O lado compulsivo da Sonata ao Luar e morte à richardclaydermanização!


Quem ouve a sétima sinfonia de L.V.Beethoven não consegue deglutir que o compositor das batidas insistentes, das repetições obsessivas, dos contrastes violentos claro/escuro, tenha se descaracterizado ao ponto de escrever uma peça comportadinha feita sob medida para comercial lacrimoso de margarina.

Definitivamente não foi Beethoven que apôs à sua opus 27 nº 2 o qualificativo “ao luar”, claro que não, tal infâmia só teve oportunidade de se insinuar após a sua morte. Para provar que a “richardclaydermanização*” dessa sonata foi uma blasfêmia levada a cabo pela posteridade, resgato aqui duas versões bastantes distintas, porém complementares.

Na primeira delas ouviremos a sonata como ela teria soado aos ouvidos do Mestre, tocada num instrumento de época. Note como ela soa soturna, seca e pouco afeita aos romantismos que foram contaminando-a ao longo dos séculos vindouros. Aprecie a peça executada no temperamento histórico e experimente algumas sensações novas, a exemplo deste comentário postado no vídeo: “a surprisingly nice tenor section and bass though a little cloudy is fairly powerful. This must be a historical temperament, most evident to me between tenor and treble sections”.

Agora, se você quer uma mondscheinsonate realmente lúgubre tocada num piano moderno, então prepare os seus ouvidos para o inusitado! Prepare-se para um adagio sostenuto que faz jus ao nome da palavra, em que cada arpejo escorre pesadamente destacado (gosto de pensar nesses arpejos assim, mais a la Philip Glass do que qualquer coisa, separados, frios e impessoais, do que um legatto tocante e meloso). Quando de repente irrompe a melodia sob a forma de vigorosas batidas de bigorna, aí você vê verdadeiramente Beethoven expressado com seus dilemas e contradições.
Aconselho vivamente que prepare seus ouvidos para a estridência exacerbante do presto agitato, o contraste lancinante que se ergue contra os arpejos lúgubres e fantasmagóricos ecoados no primeiro movimento. Diga adeus ao pesadelo do Beethoven romântico!

* Pianista Richard Clayderman: notabilizado por seus arranjos que transformam peças populares do repertório erudito de piano em musiquinhas romantiquinhas de caixinha de música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário