Pesquisar

23 de mar de 2010

Não viverei sem ti... posto que és eternidade.

Não viverei sem ti,
porque perpassa a todos os instantes
a eternidade das almas gêmeas,
que não se esboroa em corpos,
nem se amarra ao pó da existência.

Os poetas inventaram amor
os humanos dor, e nós
nos transmutamos na poeira dos mundos
achando-nos aqui e acolá.

99 Luftballoons
Enchem-me teus cabelos enquanto esvoam,
despindo-te da sua pele
teu ser me sorri brilho fátuo,
momentaneamente desaprisionado.
É o poeta que a tudo vê sob o ângulo dos anjos
[mesmo que transitório]
aquele que erige musas e viaja nas estrelas,
gesto tresloucado de gente a voar acima da terra
e a rir do pobre futuro.

Mas, como ente fecundo, te doo
a segurança do algodão
e a solidez da nuvem
e o dote da inspiração.
Terás que varar a eternidade
sob este eflúvio tão evanescente
dote de coisa alguma,
que no entanto subsiste
feito respiração,
um nada que os poetas
teimam em chamar de amor.

8 comentários:

  1. Lindo!! muito bonito!!Você é um poeta né? bjs!!

    ResponderExcluir
  2. Os poetas inventaram o amor, os humanos a dor e com a dor veio o odio e a guerra.
    Voce só odeia quando voce ama, cas contrário, nem sentimentos você teria.

    É de sua autoria?

    ResponderExcluir
  3. gordinhas-sexi,
    Obrigado, nas horas vagas sim.

    Iara,
    sim é de minha autoria, poema escrito e entregue como presente neste dia da graça do aniversário da minha Esposa.

    ResponderExcluir
  4. olá isaias

    gostei do poema, muito cheio de sentimentos. mas se você me permite uma sugestão ou crítica, acho que um poema, um verso e uma poesia, uma só imagem que simbolize todo ele já é suficiente, imagens entre os versos desvia-me um pouco a atenção.

    no caso de poesias e poemas acho mais interessante deixar que o leitor ilustre, imagine e deduza sem interferirmos muito nesse processo imaginário.

    é isso.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Lindo poema só quando se ama de verdade se pode escrever tão belas palavras.

    Assina: ROMY

    ResponderExcluir
  6. Um belo poema intimista que apreciei.

    A noção de amor varia de pessoa para pessoa.
    Uma coisa é o amor, outra é relação.
    Estamos apaixonados ou estamos agradecidos por gostarem de nós?
    Será que o outro é alguém junto de quem nos sentimos bem?
    Confesso que não sei o que é a verdade acerca do amor.
    Será que alguém sabe?
    Até que ponto o amor não é a idealização de um outro e de nós mesmos?
    Talvez o segredo seja estar atento ao outro.
    Observar sobretudo que é diferente de nós.

    Só tenho perguntas, não tenho respostas.

    O amor idealizado é o amor conseguido.


    O seu casamento é a prova disso.

    ResponderExcluir
  7. Pessoas,
    eu pensara que poemas fossem intransitivos, mas muito me comove verificar o contrário, que este humilde escrito à minha musa tenha suscitado gostos e apetências.
    Alguns maridos dão Rolls-Royce, outros bugigangas e eu, vagabundo, asperjo sonetos ao vento.
    Todavia, quantas mulheres no mundo recebem poemas? É de se contar nos dedos aquelas que caem nas graças dos poetas.

    ResponderExcluir
  8. O problema disso tudo é não conseguir retribuir na mesma moeda literária.
    Felizmente, posso retribuir com esta coisa insubstanciável e intangível que resumimos em quatro letras: amor.
    Obrigada por existires!

    ResponderExcluir