Pesquisar

5 de jun de 2012

Toda a generalização é burra?


Vivemos num mundo cercado de reducionismos e generalizações por todos os lados, talvez insuflados pela profunda superficialidade que nos assolou depois que resolvemos as causas dos nossos desconfortos. Se cansamos, vamos de escada rolante, se subimos, pegamos o elevador, se queremos nos transportar, vamos de carro, se queremos entorpecer a mente na ilusão da TV, zapeamos erraticamente o controle remoto, sentados confortavelmente numa poltrona rodeada de suculenta comida doce/salgada, gordurosa e de valor nutricional zero.

Graças ao esforço zero proporcionado pelas comodidades da vida moderna, nos tornamos rasos e generalistas, enfim, um pecado cometido por quem tem tudo à mão e acaba pecando justamente pelo tédio de não batalhar por coisa alguma. Eis algumas delas:

Todas as mulheres bonitas são russas.
Todos os carros à venda são de mulheres.
Todos os imóveis à venda de praia são de frente para o mar.
Toda a mulher precisa perder 5 quilos.
Todas as batatas vendidas na estrada são novas.
Todas as mulheres que aparecem vendendo a virgindade na internet, estranhamente não são putas, mas virgens.
Todos os pianos à venda são alemães.
Todo o gordo acha que come pouco.
Todo o magro acha que come muito.
Todo o rico não se acha suficientemente rico.
Todo o crente quer, essencialmente, salvar a própria pele.
Todo o cético quer ver para crer.
Todos os buracos são do governo.
Toda a nudez será comercializada (modernamente nas infovias).

A burrice das generalizações certamente não está nessas aí acima, fofas e levezinhas. Ela está nas inomináveis, de natureza racista, resultantes do ódio étnico e da negação da diferença, enfim, nas que fomentam a guerra e o ódio no nosso mundo turvado por desavenças de todas as naturezas. Menos mal que uma jovem da classe média alta foi condenada por propagar que todos os nordestinos são...

Nenhum comentário:

Postar um comentário