Pesquisar

6 de abr de 2012

O pior vício de todos os tempos


Uma proposta, a princípio estapafúrdia, dá o que pensar se levamos em conta os prejuízos causados por essa substância que está arrasando os 4 cantos do mundo. Reproduzo aqui um artigo publicado na Revista Ciência Hoje número 290 de Março/2012 que aborda as conclusões de 3 pesquisadores americanos sobre a necessidade dos governos passarem a exercer severo controle sobre o elemento desencadeador do pior vício da história.

Embalagens de produtos que oferecem risco à saúde infantil trazem alertas como “Manter longe do alcance de crianças”. Três pesquisadores – em um comentário publicado em Nature (02/02/12) – propõe algo do gênero para uma substância que, segundo eles, é tão tóxica quanto o álcool e, portanto, deveria ser regulada. Dizem que a vilã está por trás das grandes doenças matadoras da humanidade.

Desafio ao leitor: qual substância?
O controle deveria ser semelhante ao exercido pelo governo no caso do tabaco, do álcool e de outras drogas maléficas para a saúde. Sugestões dos autores, pesquisadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco (EUA): aumentar impostos, dobrar o preço, reduzir o número de locais de venda, controlar horários de comercialização, determinar idade mínima para a compra – 17 anos, escreveram eles-, incluindo na lista bebidas que tenham em sua composição a malfeitora da hora. Sem comerciais de TV.

Mais dois principais pontos destacados no comentário: i) a substância está ligada a várias doenças não infecciosas e que não precisam ser comunicadas às autoridades de saúde pública; ii) os efeitos dessa molécula são similares aos do álcool no organismo – por sinal, há um “parentesco” entre as duas substâncias.

Para o álcool, há quatro critérios hoje aceitos pela comunidade de saúde pública: i) largamente disponível – ao longo da evolução, o ser humano só tinha acesso à tal substância em certas épocas do ano; ii) tóxico – a tal substância, dizem os autores, está na base de problemas cardíacos, câncer, diabetes, infarto, hipertensão, aumento dos triglicerídeos, envelhecimento, danos ao fígado e pâncreas; iii) potencial para o abuso – a tal substância responde por até um terço das calorias ingeridas no mundo; iv) impacto negativo na sociedade – a tal substância, escrevem Robert Lusting, Laura Schmidt e Claire Brindis, dá prejuízos astronômicos nos EUA, por exemplo, onde, por problemas diretos ou indiretos causados por ela, perdem-se US$ 150 bilhões em saúde pública.

Eles reconhecem que a empreitada que propõem é hercúlea, dado o poder da indústria nesse setor. Mas guardam esperança, porque, dizem, isso foi feito – não sem esforço, obviamente – para o caso do banimento do tabaco, para a venda de preservativos em banheiro públicos, bares, danceterias e boates, uso de airbags em veículos, etc.

O consumo dessa substância triplicou no último meio século – mesmo assim, ela é responsável por boa parte da má nutrição mundial. E da epidemia planetária da obesidade.

Os autores finalizam com a seguinte frase: “É hora de voltarmos nossa atenção para o açúcar”. Entenda-se como açúcar qualquer substância que tenha em sua composição a molécula de frutose – sim, o açúcar das frutas. O título traduzido do comentário é “A verdade tóxica sobre o açúcar”.

MINHA CRÍTICA AO ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA CIÊNCIA HOJE:
É temerário reduzir a questão simplesmente à molécula de frutose, pois isto reforçaria a natural rejeição que crianças e adolescentes modernos têm contra as frutas, notórias e abundantes fontes de frutose.

O grande problema persistente no âmago do maior vício da história se chama açúcar branco refinado, que é resultante da união da molécula de frutose com a de glicose. Não importando a origem do açúcar, pode ser de cana, beterraba, ou milho, o fato dele ser apresentado na sua forma mais pura e isolada das outras substâncias nutritivas presentes na planta originária, torna-o uma droga poderosa que produz sensações prazerosas incríveis.

Assim, não podemos colocar na vala comum todos os adoçantes que contém frutose tais como melado, açúcar mascavo, mel etc., porque tais substâncias não gozam de grandes favores entre os doceiros por alterarem a cor dos alimentos e introduzirem sabores estranhos. Os alimentos que contém a frutose industrializada não entram no cômputo do vício porque, devido ao dulçor reduzido, não gozam de grandes simpatias entre os amantes de doçuras.

4 comentários:

  1. o que seria do mundo sem o açucar.

    ResponderExcluir
  2. Falta ensinarem aos pobres mortais(estou aqui) o que usar em vez de açúcar.
    Uma xícara de café com...? Açúcar não pode, adoçante não pode. O que pode?

    E se até frutose fizer mal, lascou.

    ResponderExcluir
  3. Tudo depende do freguês, quem está sob restrição calórica não pode usar nada para adoçar, acostume-se a tomar café sem adoçantes, melhor ainda, contente-se com menos café ao longo do dia.
    Justamente a crítica contra o artigo é que a frutose (não a sacarose) não é a grande vilã, já que o seu poder adoçante é bem menor.

    ResponderExcluir
  4. Incrível essa matéria, inclusive eu já ouvi muitas outras coisas a respeito do produto mencionado acima. Eu diminuí consideravelmente o uso do mesmo,substituindo por outros produtos e estou me sentindo bem melhor, inclusive cheguei até a emagrecer e diminuí o uso do café-tomava por volta de uma garrafa térmica por dia, agora, com a diminuição do açúcar chego a tomar uma ou duas xícaras por dia, mudei minha qualidade de vida e isso é muito bom.

    ResponderExcluir