Pesquisar

20 de mai de 2011

10 falsidades que aprendemos com o CSI.

A popularização dos seriados com temática baseada na ciência forense tem provocado uma visão estereotipada dos jurados nos últimos anos. Na realidade, tais enlatados tem distorcido sobremaneira a forma como as pessoas percebem a investigação criminal, ao introduzirem elementos completamente fantasiosos e bem distantes do dia a dia palpável e cheio de carências de uma delegacia de polícia real.

Mesmo assim, nos divertimos com toda a mentirada e até chegamos a acreditar na existência de uma cidade como Nova Iorque, que pode se dedicar de corpo e alma à investigação de um uniquinho crime.

1) Os peritos forenses empregados nos laboratórios são os mesmos que vão a campo coletar provas.
Engraçado, mesmo com o acúmulo de provas aguardado análise, estes incansáveis paladinos da segurança encontram tempo para se dedicarem inteiramente à coleta de provas, até nos mais escaldantes desertos de Nevada.

2) Um único crime violento ocorre de cada vez em Las Vegas, Miami e Nova Iorque.
Uma das coisas que mais chama a atenção é o fato da equipe imergir profundamente num só caso, quando no mundo real sabemos que a polícia acaba abandonando a maioria dos inquéritos por absoluta falta de tempo.

3) As declarações das testemunhas somente são válidas quando levam a provas concretas, pelo menos os de menor ofensividade já vão para o arquivo morto logo de cara.
Na vida real você deveria saber que em muitos crimes as únicas provas são testemunhais e você tem que se virar com elas para colocar os culpados na cadeia. Na ficção, o papel das testemunhas é extremamente secundário.

4) Uma fibra de tecido de um banco de carro fatalmente levará à marca, modelo, ano e cor do veiculo.
Isto non ecziste no mundo real! Pelo menos não com a frequência como ocorre nos episódios da série. Claro, com a ficção sempre tem a tendência a confinar o real ao propósito número um do espetáculo em nome do entretenimento, tudo é válido para conquistar a audiência, até repaginar o velho computador do Batman que é capaz de decifrar sopa de letrinhas. É isto que se vê no CSI quando eles exercitam a sua onisciência para escanear todas as informações de um objeito, inclusive aonde foi comprado.

5) Inúmeros investigadores e peritos se debruçam apenasmente sobre um só caso.
Nem parece que a polícia vive se queixando de falta de contingente e atolada em trabalho atrasado, inclusive nos EUA. É a maior fantasia passada desta classe de enlatados.

6) A polícia conta com os mais avançados instrumentos científicos.
Tenhamos certeza de que tal injeção ilimitada de recursos não acontece nem aqui, nem na China. A verdade nua e crua é justamente outra, os agentes da lei fazem das tripas coração para contornarem a falta de combustível, sem cartucho de impressora, sem papel, etc.

7) Os criminosos sempre confessam quando são confrontados com as provas.
É batata! Basta os peritos cercarem qualquer criminoso com provas suficientemente robustas, que ele começa a cantar feito passarinho.

8) Basta esfregar o cotonete em qualquer superfície para obter amostras de DNA super confiáveis.
No mundo real a coleta de amostras de DNA é um processo cercado de imperfeições por todos os lados: amostras com pouco material, contaminações das mais diversas naturezas e tentativas de impugnação pela parte atingida. Vide o caso de O.J. Simpson, quando a sua defesa conseguiu impugnar as provas definitivamente condenatórias de DNA - graças à isto, ele se safou livrinho da silva.

9) O corpo de provas é absolutamente contundente.
Por isto, basta esfregar as provas contra a cara do suspeito, que ele sempre acaba dando com a língua nos dentes.

10) Todos os crimes são absolutamente elucidáveis.
Você não nunca vê eles falharem! Enquanto no Brasil o índice de investigações judiciais feitas de cabo a rabo se aproxima dos 30%, e olhe lá, os peritos judicais de mentirinha conseguem resolver 100% dos casos.

Saiba mais sobre o “Efeito CSI”.

14 comentários:

  1. Sem falar que tirando o original que eles estão quase sempre com a polícia nas batidas, nos outros CSIs os caras resolvem o caso praticamente sem um delegado ou detetive ao lado. Entram nos lugares com arma em punho e saem fazendo o trabalho policial.

    ResponderExcluir
  2. Assisti a um episódio que, pelo esperma de um estuprador, foi possível saber que ele era asiático. É claro que eles deram uma explicação para isso, mas eu não sei se isso é possível mesmo na vida real.

    ResponderExcluir
  3. É sim possível descobrir pelo tecido da onde foi fabricado, onde vendeu/comprou. Vi em um episódio de investigação policial que os caras só descobriram o assassino por causa do carpete do assassino.

    ResponderExcluir
  4. Acho que a real intenção desses seriados, além de encher os bolsos dos produtores e também nos divertir (sim, gosto de assistí-los) é "pagar-pau" para a polícia estado-unidense, mesmo ela não sendo a melhor do mundo - apesar de estar no país mais poderoso do planeta, convenhamos: ela ainda é composta de humanos e, por causa disso, digamos, não é perfeita =D

    ResponderExcluir
  5. AS TRES SERIES REALMENTE MOSTRAM TODOS ESSES ESQUEMAS, TÃO FACIL E SIMPLES...ASSIM COMO ABSOLUTAMENTE TUDO EM HOLLYWOOD NÃO É MESMO??!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Olha só. Não é defendendo as franquias, mas entenda uma coisa.

    Por qual motivos eles iriam mostrar casos não resolvidos? (obs. 10). Seria muito escroto CSI ou qualquer outro seriado ficar mostrando vários casos onde não se chega a uma solução... SEM LÓGICA A OBSERVAÇÃO.

    Sua obs. 2 também é falha, visto que quem acompanha sabe que existem outras equipes de investigadores e algumas vezes durante a investigação de um crime existem outros corpos, evidências (formando as filas para análises) e casos aguardando ou sendo processados.

    ResponderExcluir
  7. O caso dos seriados com temática científica é emblemático pela enrolation usada: qualquer especialista das áreas que eles abordam acha milhares de absurdos. Por exemplo, num episódio do CSI Las Vegas eles abordam o caso de um piloto de paraglider que morre por ter subido demais. Ora, na minha qualidade de piloto de paraliglider, vi que o quanto aquele episódio foi uma mentirada do começo ao fim, tudo falso que engana a maioria compostas por pessoas que não entendem nada de vôo livre.
    Ora, nas outras áreas acontecem os mesmos absurdos. O que não posso negar é que o troço diverte, é entretenimento, mas raramente é educativo.

    ResponderExcluir
  8. É uma serie de TV de ficção cientifica.
    É claro que vai ter muitas coisas "lokas".
    Pra mim é so entretenimento, quem ja viu eles trabalhando, afirma com certeza que é diferente. (ja vi sim)

    O pior é tem gente que acredita, e pergunta pq a policia daqui não é que nem a CSI. Morro de rir

    ResponderExcluir
  9. Nem a polícia de lá é igual ao CSI, mas os americanos exigem que as coisas caminhem daquela maneira.

    ResponderExcluir
  10. Apesar de ser ficção, não deixa de ser interessante e o roteiro é bem feito, o que não se pode negar. Mas que tem uns bobos-alegres que acreditam que a polícia estadunidense é imensamente qualifificada. E naqueles programas alienígenas fantásticos de computadores? É pra rir mesmo.

    ResponderExcluir
  11. Embora contenham absurdos, estas séries utilizam informações válidas. Assim, podem ser usadas como instrumento educativo por professores que explorem os conceitos corretos e alertem para os absurdos.

    A NASA faz análises de filmes de ficção indicando os absurdos e as verdades e esta comparação é muito legal para aprendizagens.

    Afinal o que mais se precisa é desenvolver o senso crítico.

    Num episódio eles espalharam um amostra de células em escamação e foram direto para o microscópio. Nessa hora pensei, quer ver que vão mostrar uma imagem de tecido já corado!
    Fizeram ainda pior, mostraram a imagem de um desenho esquemático de tecido epitelial.

    Mas isto não invalida a série como boa, elas são minhas preferidas. Só não dá para esquecer seu caráter ficcional e o aspecto da dramaturgia.
    Se fosse mostrado o dia-a-dia de um laboratório forense morreríamos de tédio.

    ResponderExcluir
  12. Previsível e... aceitável, afinal não passa de entretenimento. Não é prá levar tão a sério, não é mesmo? Se desejam um pouco mais da "vida-nua-e-crua" façam a opção por "The Shield". Lá boa parte dos casos não se resolvem, a polícia vive numa merda só quanto aos recursos e capacidade de seus integrantes, a corrupção rola solto, os "civis" em sua maioria são moralmente questionáveis, e os mocinhos, policiais, não passam de relés foras-da-lei!!

    ResponderExcluir
  13. Na verdade ñ se trata de nada do que vc fala, é somente ficção, e na verdade ñ existe um grupo somente de peritos criminais no estados exibidos pela série(!!), a série retrata um grupo de peritos (uma equipe em particular, em nenhum momento dá há entender que ñ existe outros crimes, e que outros cientistas forenses estão trabalhando para solucionar). 5P!d3r

    ResponderExcluir