Pesquisar

16 de dez de 2010

Aqui não tem filosofia, muito menos um bota-fora contra Tulla Luana.

As pessoas além de não quererem pensar, acham os filósofos inúteis.
Encontrei a frase emblemática dos nossos dias, que dá o que pensar, apesar de ser sobre o não-pensar:
- Pô, volta a fazer os vídeos igual os antigos, não tenta usar vlog para filosofar ... Não quero pensar, por isso assisto vlogs...

Comentário civilizadamente aposto porque este vlogueiro tentou abusar um pouco da paciência das pessoas, idem da sua capacidade de suportar uma dose cavalar de non sense:


A minha mulher amiúde dispara quando saímos da academia de Tai Chi Chuan para o almoço (que na real nem almoço é, mas uma beberagem da Herbalife):
- hoje não tem filosofia porque estamos com pressa.
Então vamos à bala, pensando em não-pensar e muito mais, tentando não falar sobre isto, indo e vindo, porque filosofia consome tempo e mesmo que tempo não seja dinheiro, pelo menos é o que falta quando se fica escarrapachado o resto do tempo útil na frente da TV.

Logo, se o vlogueiro acima assevera no título do seu vlog "Não perca o seu tempo!" espera-se que não haja lugar para filosofia, que não deite enganação em quem fica exatos dois minutos e seis segundos esperando que ele fale mal da Tulla Luana*. Mas... além dele frustar as expectativas e não falar mal de ninguém, simplesmente filosofa abstratamente contra os que não tem "vergonha na cara de enganar as pessoas humildes".

A conclusão a que se chega é que, por mais que estejamos num mundo que odeia pensar e muito mais ainda filosofar - mesmo assim a coisa toda não acaba no McDonalds - pois tem sempre alguém caindo na pegadinha do malandro da filosofia, quando se pega filosofando sem mais nem menos... até quando não quer perder tempo.

*Tulla Luana: vlogueira que ficou famosa no Youtube sentando a marreta no joguinho online Colheita Feliz, mais uma filosofa Pop da hora que se supõe não fazer filosofia.
Se os professores de filosofia de colégio aprendessem que o ódio à filosofia é um severo ponto de partida para o filosofar, não transformariam esta matéria numa coisa chata e destituída de qualquer significação.

6 comentários:

  1. Não é excesso de eloquência: é falta de ideias concretas.
    Julgo que devem pensar que é falando muito que evitam a desvalorização da sua presença. Como dizia o poeta, palavras leva-as o vento.
    Ainda há não muito tempo as pessoas tinham respeito pela cultura, pelos grandes filósofos, pelos grandes cientistas. As grandes figuras da cultura apareciam nos jornais, na rádio, na televisão.
    Hoje as coisas já não são assim.
    Quando se reflecte mesmo e se pensa na actual situação surgem inevitavelmente as perguntas.
    Porque é que se perderam os hábitos de leitura? Porque é que a iliteracia é enorme?
    Será porque o poder de compra é baixo?
    Não acredito nisso.
    Acredito sim, que as escolhas são superficiais, resultantes de um marketing grosseiro.
    Basta observar o comportamento da televisão que entra nas nossas casas sem bater à porta e despeja uma enorme quantidade de lixo.
    Perdemos o hábito da reflexão e da argumentação com rigor.
    Fomos induzidos à conversa fiada e às piadas fáceis. Tudo desencoraja a cultura, não vejo projectos ambiciosos a longo prazo, a verdadeira vida rumo ao conhecimento.
    Sem dúvida que existe uma grande falta de incentivo. A oferta de livros, de teatro e de filmes são imensos.
    O resultado, é a perda de valores e de seriedade intelectual.

    O ar do tempo está saturado de corrupção, da ilegítima, tradicional, e da legítima, pós-moderna.

    Penso que as elites do saber renunciaram a educar o público, a reflectir e a escolher.
    Até quando? Não sei.
    Apenas, sei (?), que sem as elites culturais, retomarem o seu verdadeiro papel, a sua responsabilidade educacional, e porem um travão na degradação intelectual da vida pública tudo se vai agravando.

    ResponderExcluir
  2. Simples pensamentos.

    A capacidade para sonhar é fundamental para desenvolver ideias criativas, mas por outro lado, sem precisão, é muito difícil fazer com que as ideias se concretizem.
    Dissertar de forma tão simples sobre um ambição complexa como de fazer de uma ideia um projecto e de um projecto um sucesso só pode ser o comportamento de um optimista nato.
    Impossível para muitas mentes que só vêm pela janela, nuvens carregadas de chuva, ruas imersas em trânsito, pessoas que se acotovelam rudemente a caminho das suas casas, frias, sem aroma próprio, uma noite de sono intranquilo antes de mais um dia incolor.
    Penso que o nos faz vencer, progredir, crescer, ou simplesmente não esmorecer, não apagar deixando que os dias se sucedam num tom desprovido de cor e sentido, é a nossa resistência à derrota.
    Resistir à derrota é sinónimo de coragem, de força, de perseverança.
    Ser perseverante é diferente de ser teimoso.
    Há metas que são improváveis e outras que são impossíveis. Devemos ser tenazes até ao limite quando acreditamos que o improvável pode realizar-se, mas lúcidos o suficiente para perceber quando cometemos um erro de julgamento e que afinal, o que tomamos por improvável é mesmo impossível.
    A vida ensinou-me que admitir uma derrota é mais heróico do que ganhar uma batalha.
    Quando temos um acidente, mesmo que a culpa seja absolutamente nossa, arranjamos sempre forma de imputar à estrada, ao tempo, à refeição que comemos no dia anterior, com quem discutimos antes de entrar no carro, à alteração do percurso para fazer um favor a um familiar ou a um amigo.
    De igual forma, quando a vida corre mal raras são as pessoas que admitem que a culpa do caminho sinuoso por onde se arrastam foi um erro de leitura do mapa, uma percepção equivoca das indicações encontradas na encruzilhada anterior, uma obstinação elevada ao limite do insuportável.
    Se a estrada se perde por uma floresta de sombras é preferível voltar atrás e retomar o caminho por uma alameda mais bonita.
    É mais sensato enfrentar a realidade do que viver na ilusão da mentira, até porque quem mente torna-se falso, e a falsidade não é mais do que uma forma de perfídia.

    ResponderExcluir
  3. "É mais sensato enfrentar a realidade do que viver na ilusão da mentira..."

    Mais sensato, porém mais difícil.

    Se assim não fosse não haveria mais quem se drogasse ou embriagasse. Assustadoramente, mais e mais pessoas se jogam no mar da ilusão mediada por algum tipo de substância química e com isso deixam de viver a felicidade apenas perseguem a miragem da felicidade.

    Achei os comentários do Mário muito inspirados e inspiradores, constituindo-se como uma postagem a mais inseridas na forma de comentários.

    Porém, há que se ressaltar que se a televisão entra sem bater à porta é porque a porta lhe foi deixada aberta...

    ResponderExcluir
  4. Após ler o comentário da Profª. Gladis é que reflecti, sábias palavras.
    De facto os meus comentários assumiram um carácter de post.
    Não queria desvirtuar o post do “ Mestre “ não foi essa a intenção mas, não me ocorreu a citação do génio.

    “ O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflecte.”
    Aristóteles

    As minhas desculpas.

    ResponderExcluir
  5. Mario,
    nada precisa ser desculpado, melhor ainda, a emenda saiu-se melhor do que o soneto. Nada mais digno ao texto metido de pato a ganso com ares de pretensa ironia afilosófica, do que infundir-lhe doses cavalares de filosofança.

    ResponderExcluir
  6. borlenghi99,

    Para se pensar:

    Filosofia significa AMOR À SABEDORIA (wikipedia, tem de tudo nestas coisas, hehe).

    Das virtudes, o amor prefere a coragem (não lembro onde li isso), então só de haver a boa intenção somada à coragem em alguém para ajudar a sabedoria, o amor se manifesta na sabedoria e assim o sucesso é alcançado por este alguém.

    : )

    ResponderExcluir