Pesquisar

4 de abr de 2011

7 maneiras de passar fome ao redor do mundo

Fome é um problema relativo, que pode ocorrer pela absoluta falta de insumos alimentícios, como retratado na imagem acima captada pelo fotógrafo Kevin Carter, ou em plena fartura proporcionada encontrada na sociedade americana, porém especializada em alimentos vazios e hipercalóricos.
TOP 10 delícias mais gordurosas, adocicadas e hipercalóricas do mundo. 

Quem passa mais fome? Aquele que não tem nada, ou o que tem tudo, mas é devastado pela compulsão provocada por alimentos com teor nutricional quase nulo? Na viagem que faremos a seguir, você poderá tirar as suas próprias conclusões, inclusive se faz parte do imenso contingente de pessoas que atualmente passa uma das fomes possíveis no mundo.

1- Estados Unidos: vivendo a base de Fast-food.
10 tipos de bons e maus comedores, escolha o seu. 
Nos EUA você pode viver até morrer de ataque cardíaco, vitimado por simples fome nutricional, sem nunca ter sofrido por falta de comida. A subnutrição é explicável quando as pessoas seguem rigorosamente a dieta do vazia palhaço, que leva inevitavelmente à compulsão.




2- Cuba: ganhando um salário médio mensal de 8 dólares.
Um corpulento jornalista americano resolveu ser cubano por 30 dias e experimentar na pele o que no terceiro mundo conhecemos como fome provocada por falta de alimentos.
Cubano por 30 dias.

3- China: hiperalimentação.
Hiperalimentação seria a "fome" do excesso? O chinês, que até bem pouco tempo passava fome, agora corre o risco de morrer com as artérias entupidas de gordura oriunda de montanhas de leitão com canela e alho.
China passou da privação à gula exagerada em duas gerações.

4- Na Rússia: bebendo vodka.
A expectativa de vida do homem russo está baixando barbaramente, quase 20 anos a menos do que o resto da Europa. Tudo por culpa da maldita “aguinha” (tradução da palavra russa vodka). Mesmo estando sob o rigoroso inverno, os russos esquecem de comer outra coisa sólida além de beber e beber. Logo, o corpo perde muitas calorias para o meio ambiente em razão do efeito vasodilatador do álcool, que redunda em morte por congelamento.

Alcoolismo atinge sete milhões de russos.

5- No Japão: perdendo o emprego.
O fato do Japão ser um dos países mais neoliberais do mundo, resulta na maneira como os cidadãos em dificuldades econômicas são simplesmente jogados na sarjeta. É uma das piores maneiras de passar fome em meio ao luxo e a abundância.
Desempregado 'morre de fome' no Japão.

6- No Brasil: vivendo à base de comida lixo.
Um dia desses, a minha mulher teve um “insight” quando fomos a dois supermercados num mesmo dia de compras: ela se deu conta da extrema oferta de produtos, milhares de itens e marcas, miríades de prateleiras de refrigerantes e toneladas de chocolates de páscoa. Vamos dizer assim, mais de 90% de todo aquele excesso era constituída de lixo nutricional, ou seja, guloseimas repletas de calorias vazias. Isto significa que a privilegiada parcela da população capaz de frequentar supermercados, ao fazer péssimas escolhas nutricionais, prorroga indefinidamente a desnutrição que ao cabo de um número de anos acaba cobrando o seu preço.
Jornal Hoje testa a quantidade de açúcar e gordura ingeridas por dia.

7- África: vivendo à troco de nada.
O continente que mais nos mostra a “fome verdadeira” é a África, com seus incontáveis bolsões de miséria deflagrados por conflitos étnicos e políticos sistêmicos. Um interessante levantamento fotográfico feito feito pela escritora D'Aluisio e o fotógrafo Peter Menzel nos mostra o tamanho das discrepâncias nutricionais entre famílias de 24 países, desde os ultra ricos alemães, até os miseráveis localizados num campo de refugiados localizado no Chade, considerado um dos países mais pobres do mundo. O pequeno punhado de alimentos consumido por uma família de 6 pessoas dá conta do que significa viver com tão pouco.
Comparação entre o que famílias de diversos lugares do mundo comem em uma semana.

2 comentários:

  1. achei minha irma q estava perdida q pena q eu sou magrinha ela n puchei muito pra ela

    ResponderExcluir