Pesquisar

1 de nov de 2011

7 Sinais inequívocos da feiura provam que beleza é uma questão matemática


Não senhores, a beleza não é uma questão imprecisa e muito menos subjetiva, pois segundo o ideal grego, ela depende de proporções, medidas e pesos muito bem distribuídos. Quando a assimetria impera, a desproporcionalidade e a rusticidade dos traços, então caímos nos diversos graus de imprecisão da fealdade, quando chamamos a pessoa de “simpática”, “dona de beleza interior”, “dotada de alguns ângulos favoráveis”, etc.

Infelizmente, caímos nesses papos relativísticos modernos politicamente corretos e terminamos refutando a grande verdade: o belo tem que valer por si mesmo, ou simplesmente não serve para nada, o que desemboca no terrível nivelamento por baixo, quando não nos permitimos reconhecer os sinais de perfeição da Obra de Deus nos mínimos detalhes. Ora, para contemplarmos a beleza é imprescindível reconhecer a feiura e, para tanto, peguei uma imagem comum veiculada em anúncios da internet, onde aponto algumas minúcias que denunciam as desproporcionalidades e assimetrias de uma mulher jovem que, por mais simpática que possa parecer, não há como negar a sua inconformidade matemática.

1) Testa trapezoidal
Uma característica marcante da feiura e representada especialmente por essa figura geométrica, em oposição à quadratura da beleza pura. Portanto, uma testa trapezoidal e/ou pequena é o primeiro sinal inequívoco de que a deficiência na proporção áurea é imperdoável.

2) Rosto em formato hexagonal
Há uma correlação estreita entre este tipo de rosto e figuras comumente reconhecidas como feias.

3) Olhos pequenos, separados e redondos
Tradicionalmente, gnomos possuem olhos redondos, porém tais figuras míticas nunca se prestaram a sinônimos de beleza.

4) Nariz batatudo arrematado por orifícios separados
Quaisquer traços que lembrem os gnomos não servem como paradigma de beleza.

5) Pele detonada
Deus, na sua infinita sabedoria e misericórdia, concedeu às pessoas belas peles aveludadas, enquanto dotou as feias de Acnes e cicatrizes bixiguentas.

6) Lábios finos
Lábios estreitos demais nunca combinaram com o conceito de beleza strictu sensu, por isso a moda atual dos lábios engrossados via cirurgia plástica, o que é uma aberração, pois fere o princípio da proporcionalidade.

7) Queixo duplo
Sempre tenha em mente que ogros também tem queixo duplo ou triplo.

Leia também:

8 comentários:

  1. Considero lábios finos o pior. Nada melhor que lábios carnudos e naturais.

    ResponderExcluir
  2. Não concordo, eu vejo beleza física em praticamente qualquer pessoa...

    ResponderExcluir
  3. Concordo com o anônimo. Lembrando que beleza é bem discutível, o belo para mim pode ser feio para outro. Sobre ver beleza física em qualquer pessoa, acho um tanto exagerado. Pode-se ver beleza interior em qualque pessoa(interior!)

    abs!

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o Breno. Definição de beleza é muito cultural, mesmo dentro de uma cultura maior, como a Ocidental, por exemplo.

    Não consigo entender como alguém pode se achar no poder de definir o que é bonito e o que é feio, principalmente a partir de tal ou qual detalhe ou ângulo matematicamente definido!

    ResponderExcluir
  5. Valho-me de conceitos universais de beleza. Uma japonesa linda para os japoneses, é vista assim para nós, como também uma tailandesa, malasiana, filipina, zimbawana, idem, portanto, não importando a geografia, compartilhamos como seres humanos os mesmos arquétipos.
    Estudos etiológicos da música apontam que as atuais escalas musicais não só se embasam em princípios matemáticos, como também atendem às necessidades dos nossos arcabouços biológicos, por certo, criados aprioristicamente pela natureza.
    Os antigos se valiam bastante do conceito do "belo em si", ou seja, da perfeição matemática que se impõe independentemente do julgamento dos sujeitos. Hoje, sabemos que a beleza matemática possuiu consctrutos equivalentes nos nossos centros cerebrais responsáveis pela capacidade da apreciação artística, o que nos remete a uma charada: contemplamos aprioristicamente a beleza dos universais e si mesmos, ou só o fazemos porque a nossa percepção contém em si os receptores biológicos específicos que possibilitam tal apreensão?

    ResponderExcluir
  6. Ok, xará, então admite que o Justin Bieber é lindo. Mais simétrico e delicado que aquilo...

    Breno, eu consigo sim ver beleza FÍSICA em quase todo mundo, pois sempre existe algum detalhe belo a ser observado quando não se está usando as lentes da moda ou do padrão estético pré-estabelecido pela mídia ou mesmo pela matemática...

    ResponderExcluir
  7. Sou forçado a admitir que o Justin é bonito.

    ResponderExcluir
  8. Jean Claude Van-Damme é bonito em qualquer cultura.

    ResponderExcluir