Pesquisar

18 de fev de 2009

Por que o Mainframe do Ônibus Espacial americano é um infame computador IBM-PC com apenas 1 megabyte de memória RAM?

Incrivelmente, o computador central a bordo do famoso Ônibus Espacial americano tem a discreta motherboard de um IBM 5150. Este modelo é um PC-XT de 16 bits fabricado em 1981, equipado com processador 8088 de 4,77 MHz e memória RAM padrão de 500 Kb. É uma antiguidade que atualmente só pode trabalhar num museu, pois não roda Windows, não permite acesso à Internet, não é compatível com os programas atuais, etc.
Ibm5150

Este dinossauro informático pode ser arrematado hoje em dia por qualquer 20 dólares em lojas de velharias eletrônicas. De acordo com a NASA e a IBM, o Computador de Propósito Geral (CPG) – que controla, entre outras coisas, a totalidade dos procedimentos de lançamento – recebeu um patético upgrade de memória de 500 Kbytes em 1991.
Computador do Space Shuttle

Não obstante a extrema antiguidade de tal hardware, ele se manifesta bastante satisfatório para os objetivos da NASA. O Space Shuttle (ônibus espacial) não precisa ter suporte para gráficos de alta resolução, ou rodar gordas apresentações de Power Point, ou armazenar milhares de músicas em MP3. Tudo o que ele tem a fazer é se concentrar inteiramente nas suas funções básicas, tais como: ligar e desligar foguetes, que apesar da complexidade matemática envolvida, não requer nem sombra do poder computacional requerido por quaisquer interfaces gráficas baseada em janelas oferecidas pelos modernos sistemas operacionais.

O CPG tem cumprido muito bem as suas tarefas em inúmeras missões espaciais, inclusive com larga folga na sua capacidade de processamento, fazendo com que a agência espacial nem pense em fazer um upgrade, mesmo que o seu poder de fogo represente apenas 0.005 % da capacidade do console de jogos de última geração, tipo o Xbox 360 da Microsoft.
Visão noturna do Space Shuttle

A razão de tamanho conservadorismo é bastante simples de explicar, a atualização do hardware teria custos inimagináveis, gastos em primeiro lugar na escolha física de cada componente, o que pode levar anos em testes exaustivos componente a componente, para que o conjunto possa ficar praticamente à prova de falhas. Em segundo lugar há o problema do software que deveria ser totalmente reescrito para um computador moderno, o que demandaria também meses e mais meses de exaustivos testes, até que ficasse provado que nenhum looping insuspeito em alguma obscura linha de código desviasse o ângulo de lançamento, ou provocasse uma reentrada prematura na atmosfera terrestre... qualquer um destes erros seria suficiente para matar várias pessoas e esfumaçar bilhões de dólares.

Como prova de que não se pode mexer na informática espacial sem sofrimentos, a não ser que em caso de falhas glamurosas, vamos relatar um drama acontecido com o problema na reentrada na atmosfera da cápsula espacial Soyuz da Rússia. Ela funcionou perfeitamente bem desde 1974, comandada pelo computador de bordo, o Argon-16 de apenas 6 Kilobytes de memória RAM.

Em 2003 os russos decidiram reescrever uma parte do código do software. Foi o que bastou para induzir um erro na leitura dos dados dos giroscópios, resultando num desvio de 460 Km em relação ao alvo de chegada previsto em algum ponto do deserto do Cazaquistão. Logicamente os russos não revelaram as causas do problema, mas especialistas ocidentais suspeitam de que tenha sido causado por algum erro na parte nova do software.
Pouso Soyuz no deserto do Cazaquistão

A história completa da espetacular “reentrada balística” e a consequente perda do alvo de pouso da Soyuz pode ser lida no site NewScientist.
Autor: Isaias Malta

Fonte:
Does the Space Shuttle’s Computer Really Run on Just One Megabyte of RAM?

Link relacionado:
Ônibus espacial utiliza computadores 286 de 30 anos.

7 comentários:

  1. Em time que está ganhando não se mexe!

    Parabéns pela matéria, adorei!

    ResponderExcluir
  2. Muito Bom! Mais uma que aprendi.
    Obrigado pela matéria.

    ResponderExcluir
  3. Só uma observação

    A materia diz que a maquina não roda Windows. Pois não é que você escolheu JUSTAMENTE uma tela promocional do Microsoft Windows 1.0????

    Essa versão nunca foi ao mercado, mas foi um experimento bem sucedido da Microsft ao trabalhar com janelas, mesmo que não graficamente falando.

    ResponderExcluir
  4. Certo, certo, quando eu disse "não roda windows", estava falando do que tínhamos algum tempo atrás, no máximo o Win 3.0.

    ResponderExcluir
  5. Por esta história podemor ver o quanto a capacidade atual dos computadores é desperdiçada. O que temos hoje em dia não são computadores, são espetáculos pirotécnicos: muito bonitos, mas que em última análise nào servem pra nada!

    Mas experimentem usar estes mesmos computadores com o sistema operacional Linux. Mesmo com a "pirotecnia" ligada, o usuário terá uma agradável surpresa!

    http://gilvan.apolonio.com.br

    ResponderExcluir
  6. Por que ele sempre tem que pousar no cazaquistao?

    ResponderExcluir
  7. Tanto a decolagem, quanto o pouso de foguetes espaciais são feitas de áreas mais próximas ao equador, porque os satélites normalmente orbitam ao redor do equador e desta forma, o trajeto mais curto e barato é partir e chegar em zonas mais equatoriais possíveis. Por isso, a Rússia está planejando transferir o seu cosmódromo para o extremo leste do seu próprio território numa latitude próxima ao atual de Baikonur.
    O novo cosmódromo se chama Vostochny e se localiza no remoto distrito de Arnur, no extremo sudeste do imenso território russo.
    http://en.wikipedia.org/wiki/Vostochny_Cosmodrome

    ResponderExcluir