Pesquisar

17 de fev de 2009

Reduza, Reutilize, Recicle: assuma os 3Rs da responsabilidade individual com o planeta.

Por: Gladis Franck da Cunha.

As mudanças climáticas e os resíduos sólidos estão entre as causas que ameaçam a sobrevivência humana na Terra. Entre as medidas a serem tomadas, algumas são da esfera privada e podem ser resumidas como os 3Rs: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

A vida na Terra, definitivamente, não está ameaçada, pois já foram descobertas mais de 30 espécies de fungos habitando os reatores de Chernobyl e alimentando-se de radiação[1]. Além disso, Fábio Olmos destaca que passados vinte anos do acidente nuclear ”a ‘zona’ de Chernobyl é hoje a maior reserva natural da Europa e ali são encontradas mais espécies que antes, há populações demograficamente saudáveis de espécies ameaçadas, espécies localmente extintas retornaram ou foram reintroduzidas com sucesso e as interações ecológicas que desapareceram ante o arado e o asfalto estão sendo restabelecidas”[2]. Apesar disso, a radiação afeta sim o tempo de vida e fertilidade dessas diversas espécies.

Porém há muitas preocupações atuais quanto à sobrevivência da humanidade na Terra em relação as mudanças ambientais associadas a própria atividade humana. Em Chernobyl, por exemplo, não mora mais ninguém e ainda há vítimas da radiação.

Nesse caso, já que o azar é nosso é melhor fazermos alguma coisa. Parte da solução depende de políticas públicas, mas a maior parte depende da responsabilidade individual que se assenta em três ações básicas: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

REDUZIR deve ser a primeira atitude e depende de várias ações:

1- Reduza a quantidade de resíduos plásticos. Não utilizar sacolas descartáveis em compras do cotidiano. Para isso, basta carregar consigo uma sacola e utilizá-la em padarias, farmácias e mercados. Para compras maiores, leve sacolas grandes na mala do carro e utilize o carrinho do supermercado para levar as compras até o carro sem utilizar as sacolas do mercado. Basta pedir ao empacotador que as compras sejam colocadas diretamente no carrinho após serem registradas pelo caixa. Essa medida é indispensável, lembre-se que 27% do lixo plástico encontrado nos mares é constituído por sacolas plásticas, além disso elas dificultam a decomposição de matéria orgânica nos aterros sanitários.

No esclarecedor quadro levado ao ar pela Rede Globo no programa Fantástico do dia 15/02/2009, a tragédia que envolve o “Lixão do Oceano Pacífico”[3] foi tematizada e deveria servir de mote para o despertar não só dos governos, como também de cada cidadão, para que cada um faça a sua parte, por menor que seja.

Crônica da Tragédia - I
4-embalagens
Petardos preparados para serem lançados– Foto Guinzza.

Crônica da Tragédia - II
3-sacolas em aterro
Quando você não convive com seu lixo, ele não existe - Foto Novo Hamburgo.Org

2- Reduza os tipos de resíduo. Escolher produtos com embalagens mais simples. Há empresas que embalam os legumes e verduras em bandejas de isopor e enrolados em sacos plásticos, enquanto outros utilizam apenas um desses elementos. Prefira os últimos para reduzir a quantidade de resíduos. Além disso, prefira comprar em locais que possuam balanças nos próprios caixas, assim várias legumes e frutas não precisarão ser ensacados para a pesagem.

Crônica da Tragédia - III.
2- sacola na água
O lixo descartado indevidamente vai para o lugar mais ignoto do mundo: o mar – Foto Blog BrunoLuizPaiva.

3- Reduza os resíduos de tecidos e couro. Vale lembrar que as roupas e calçados formam os resíduos mais difíceis de reciclar. Use roupas e sapatos versáteis e de boa qualidade, pois são mais duráveis e ao combinar diferentes peças é possível variar o visual com requinte, sem gerar grandes quantidades de resíduos. As peças de baixo preço acabam por custar mais caro, pois utilizam materiais de pior qualidade e estragam em pouco tempo, enquanto as mais caras permanecem bonitas por muito mais tempo. Por isso é importante escolher peças fáceis de combinar e usar em diferentes ocasiões. Um jeans de boa qualidade combinado com diferentes tipos de camisas, blusas e acessórios poderá ser usado no trabalho ou na balada. Além disso, vai ter um corte melhor, preservando o conforto, a elegância e satisfação ao vestir-se. Por isso é preferível esperar mais até ter a grana para comprar roupas e calçados melhores.

4- Reduza a produção de resíduos desnecessários. Procure não utilizar pratos e copos descartáveis para fazer as refeições, pois em nome da praticidade estamos criando uma chaga planetária.

5- Reduza suas emissões de CO² e consumo de energia. Caminhe ou pedale em vez de utilizar o carro. Essa medida tem outra conseqüência desejável: exercícios físicos fazem muito bem à saúde. A pé não produzimos tanto ruído e ocupamos menos espaço no ambiente urbano. Outra alternativa, é a utilização de transporte coletivo sempre que possível. Porém na necessidade de utilização de carro próprio, planeje seu itinerário e concentre tarefas para reduzir o consumo de combustível. Escolha modelos de veículos mais econômicos e que usem tecnologias limpas.

6- Reduza o impacto da agropecuária sobre o ambiente natural. Para isso basta comer menos e não jogar comida fora. O conceito de que “é melhor sobrar do que faltar” é totalmente nocivo ao planeta. Melhor é comer menos, pois isso é melhor para saúde, promove a redução de preços e das áreas usadas pela agricultura e pecuária, preservando florestas e charcos que são ambientes ricos em biodiversidade. Em ratos já foi comprovado o aumento da longevidade com a redução no consumo de calorias diárias.

REUTILIZAR deve ser a segunda atitude:

1- Reutilize sacolas e potes. Dessa forma retardamos o descarte e evitamos a sobrecarga de aterros e centrais de reciclagem. Potes podem ser transformados em belas peças para armazenar alimentos. Algumas embalagens servem para organizar quinquilharias, roupas ou calçados, ficam bonitas quando forradas ou pintadas, podendo servir como objetos de decoração.

Reestilizar para não descartar – I.
5-embalagens decoradas
Embalagens podem ser fashion. Foto Artesdalele.

Reestilizar para não descartar – II.
6-galao de leite
Upgrade de um velho galão de leite. Foto Elo7.

2- Reutilize roupas, calçados, acessórios e objetos. Às vezes uma pequena reforma revaloriza e atualiza roupas e acessórios evitando o seu descarte. A troca de peças entre familiares e amigos também é uma boa maneira de renovar o guarda-roupa, sem jogar nada fora. Há também as campanhas humanitárias para as quais podemos doar o que já não nos serve. Móveis podem ser pintados ou restaurados, o que os revaloriza.

Reestilizar para não descartar – III.
7-banquinhospintados
Banquinhos repaginados voltam a ser style. Foto Elo7.

Reestilizar para não descartar – IV.
8-camiseta modificada
Estar ou não na moda pode depender de releituras. Foto Quebarato.

RECICLAR deve complementar as atitudes anteriores:

1- Prefira embalagens que são mais facilmente recicláveis. Vidro, ferro e alumínio são os materiais preferidos nas centrais de reciclagem, por isso devem ser priorizados.

2- Limpe e separe os materiais recicláveis dos resíduos orgânicos, caso contrário sua reciclagem pode se inviabilizar. Tente visitar uma central de reciclagem e se informar sobre a melhor maneira de proceder para otimizar o processo.

3- Entregue pilhas e baterias em locais de recolhimento, onde seja dada a destinação adequada.

Links relacionados:
[1]- MORAES, Maurício. Os monstros de Chernobyl. Super Interessante (Novas) ed. 257, outubro de 2008.

[2]- OLMOS, Fábio. Lições de Chernobyl. Publicado em 20/04/2006, disponível em: OECO), acesso em 16/02/2009.

[3]- Lixão do Pacífico. Programa Fantástico. Rede Globo de Televisão.

3 comentários:

  1. nao é o que eu queria

    ResponderExcluir
  2. olá, estou procurando na net dicas de como se livrar de roupas e sapatos que já não servem nem pra doações, que realmente já estão estragados... sem ter que jogar no lixo e sem contribuir para a destruição do meio ambiente... encontrei este blog mas aqui só fala que é nocivo e que vão parar no lixão... não dá outra alternativa... estou falando aqui de roupas e sapatos que não servem para serem consertados, nem doados nem nada mesmo, só pra lixo, mas será que dá para mandar pra algum lugar de reciclagem ou uma planta que processe este material sem causar danos à natureza?? Por favor, se alguém souber, responda, acho que isso é um dos maiores problemas da humanidade, como se livrar do lixo de uma maneira mais sustentável.... obrigada.. Elisangela

    ResponderExcluir
  3. Elisangela,
    As cidades providas de centrais de reciclagem recebem perfeitamente o material que você quer destinar. O problema são as cidades que não reciclam, neste caso não há o que fazer senão colocar no lixo comum.

    ResponderExcluir