Pesquisar

12 de fev de 2011

7 Beijos que acabaram em tragédia.

Você já beijou hoje? Se não, há algo muito errado na sua vida, porque o beijo é condição sine qua non para o atingimento da felicidade. Todavia, como tudo, há sempre o lado negro da história, ou seja, quando o supremo ato de amor pode se transformar no beijo fatal da morte.
Poison Ivy de Batman 1997 que matava com beijo venenoso.

1) Beijo choque anafilático.
Isto é muito comum nos USA, gente alérgica a amendoim, castanha, avelã e o escambau. Um simples beijo pode levar à morte.
Menina alérgica tem choque anafilático após beijar namorado. 

2) Beijo nervoso.
A notícia bizarra da semana foi este camarada que matou a namorada de susto... brincadeirinha, a moça sofria de insuspeitada síndrome da morte súbita por arritmia. Sabe toda aquela emoção do primeiro beijo na boca? Só que para a inglesa, tamanha excitação foi fatal.
Tímida de 18 anos dá primeiro beijo e morre minutos depois.

3) Beijo pré-nocaute.
Antes de começar a luta, é uma atitude desportiva nocautear o adversário com um murro... mas também é dar um beijo aparentemente provocativo. Note como o nocauteador permanece em pé berrando que não é gay...


4) Beijo pós-nocaute.
A luta livre pode ser palco de suprema ternura, afinal, aqueles mastondontes também amam.
Pugilista recebe beijo de adversário após ser nocauteado.

5) Beijo gay.
Beijo gay causa morte sim, pelo menos dos personagens que foram cogitados para dar o primeiro beijo desta espécie na novela brasileira. Os autores e a emissora ameaçam, mas diante da reação adversa do IBOPE, digo, povo, eles baixam a guarda e matam prematuramente o beijoqueiro.
Personagem gay de "Ti Ti Ti" morre antes de beijar namorado.

6) Beijo da AIDS.
O frase, propositalmente ambígua, poderia ser "beijo dá AIDS?". Apesar dos organismos sanitários trombetearem que beijo na boca não transmite AIDS, as dúvidas sempre pairam no ar, e o princípio da precaução costuma ser o melhor remédio.
Beijo na boca, drogas e AIDS.

7) Beijo da traição.
O beijo traidor mais famoso da história foi dado por Judas Iscariotes em Jesus Cristo:
E, estando ele ainda a falar, eis que chegou Judas, um dos doze, e com ele grande multidão com espadas e varapaus, enviada pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos do povo.
E o que o traia, tinha-lhes dado um sinal, dizendo: o que eu beijar é esse; prendei-o.
E logo, aproximando-se de Jesus, disse: Eu te saudo Rabi. E beijou-o.
E Jesus, porém lhe disse: amigo, aque vieste? Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam. (Mateus 26, 50)

Leia também: Imagens fortes do Beijo.

13 comentários:

  1. Que pena ler o item "Beijo da Aids" neste post. Realmente existe uma "dúvida que paira no ar", mas apenas para pessoas desinformadas ou que não sabem interpretar dados.

    A única possibilidade de transmissão nesse caso é se ambos estiverem com feridas na boca, o que não é lá muito usual. E, convenhamos, se você estiver com uma ferida na boca, não vai sair por aí beijando ninguém, né? Eca!

    Esse foi justamente o mote da campanha do Ministério da Saúde de 2009 pelo Dia Mundial de Luta contra a Aids: o beijo polêmico.

    Bom, se for pensar assim, o melhor mesmo é parar de beijar na boca, porque o HIV é silencioso, você nunca saberá se a pessoa tem (muitas vezes, nem ela mesmo sabe). O mesmo vale para hepatite B, hepatite C etc...
    Só no Brasil, mais de três milhões de pessoas devem estar infectadas com hepatite C sem saber que estão (dados da OMS).

    Ah, "mas é só evitar pessoas que fazem parte do grupo de risco". Aí está um problema: mesmo que você realmente tivesse condições de checar essa informação (o que na realidade é impossível), você precisaria descartar, por exemplo, TODAS as mulheres que pelo menos uma vez na vida fizeram unha num salão de beleza. Aí começa a ficar difícil, né? Melhor mesmo é parar de beijar.

    E nem adianta pedir um exame antes de beijar a pessoa, por causa da janela imunológica... nada é garantido: a pessoa pode estar infectada e ainda não aparecer no exame.

    Sexo com alguém com HIV então... nem pensar, né? Mas aí vale o mesmo princípio: melhor tirar o sexo de nossas vidas também, porque você nunca sabe. Relacionamentos, hepatite C, HIV: em que hora contar?

    Por que eu comecei este comentário falando a palavra "pena"? Porque é uma pena ver preconceitos como este sendo propagados. Pena...

    [O artigo linkado no item, além de não-científico, foi escrito por um "ortopedista", ou seja, alguém sem autoridade para discorrer sobre o assunto. No próprio artigo ele apresenta dados que mostram que não se pega Aids no beijo, apesar de plantar uma dúvida na cabeça dos leitores que classifico, no mínimo, como leviana]

    ResponderExcluir
  2. Quem diz que beijo na boca não transmite o HIV é porque ignora gengivite e cortes na região. Quem é que em sã consciência pode afirmar que é seguro? E é claro também que ninguém espalha notícias como essa, afinal,'ninguém' quer ser impedido de beijar.

    ResponderExcluir
  3. O beijo da traição é o mais famoso de todos

    ResponderExcluir
  4. Bacana o post
    ---------------
    visitem o novo blog de humor:
    http://piadasdofah.blogspot.com/
    e divirtam-se!!!!

    ResponderExcluir
  5. 3.000 acessos
    (por dia)

    http://migre.me/3A91c

    Agregador de links

    Ranking de blogs

    Parceria simples

    Destaque para seu banner

    SEM FILA DE MODERAÇÃO!

    http://migre.me/3A91c

    ResponderExcluir
  6. Olá caro amigo gostei muito da matéria continue o bom trabalho desejo sucesso ao amigo, lhe convido a conhecer e prestigiar nosso trabalho no caixadepandora.net, estou seguindo seu blog segue lá o caixa também

    ResponderExcluir
  7. Pow maneiro

    gostei do blog ta show de bola

    depois da uma olhada no meu

    http://mundooloucoo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Lamentável....

    Cara, se informe primeiro. A Ana Flor está certa. A única possibilidade de contrair o vírus, beijando alguém com a doença, é se ela estiver com algum sangramento.

    Não ajude a disseminar mais ainda o preconceito.


    Se informe

    ResponderExcluir
  9. Ana Flor e Britney,
    não concordo em absoluto com as propagandas do governo baseada em beijões de boca. Isto tem que ser discutido muito seriamente usando o princípio da precaução. Uma série de fatores devem ser analisados antes de mandar que as pessoas simplesmente abram mão das suas reservas. Para o sexo, eles mandam usar caminha, para o sexo oral, eles mandam usar camisinha e o beijo de boca, que implica em intensa troca de fluidos corporais (eventualmente sangue), tudo pode rolar? Sinceramente, entendo cada vez menos a ideologia liberal do governo.

    ResponderExcluir
  10. Que post mais RIDÍCULO.

    ResponderExcluir
  11. Ao ler o comentário da Sra. Ana Flor,ocorre-me esta citação.

    Não há factos, apenas interpretações

    Nietzsche


    Com o respeito que me merece, emobora não seja cientista não concordo rigorosamente.

    " Lamento muito o infortúnio "

    Não é preconceito. Afinal, trata-se de uma questão de saúde pública.
    Sei que infelizmente muita gente está infectada sem ter tido comportamentos de risco. Tendo em conta que não tem retorno, será justo contagiar os outros?
    Por outro lado, ao visitar o blog, não encontrei a " recriminação e pedido de responsabilidades aos causadores". A culpa morre solteira.
    Sou um ignorante mas, sei que até pelo " simples " copo ou chávena se pode transmitir.
    Aqui surge a pergunta. O que é que tem sido feito para alertar a população?

    ResponderExcluir
  12. Mario, magistral a citação de Nietzsche.
    O perfil ideológico moralmente promíscuo do governo brasileiro deveria se entortar um pouquinho mais para açambarcar a ideia do beijo com camisinha nas suas campanhas sanitárias.
    Por enquanto, quem infecta é herói.

    ResponderExcluir
  13. Post que reza um tema interessante, porém, polêmico.

    Que tal divulgar este post no AgoraSim!com Agregador de Links e Notícias?

    ResponderExcluir