Pesquisar

15 de fev de 2011

Admirável Mundo Novo da atual Geração Y de Ydiotas.

A imprensa cunhou o termo "Geração Y", para designar as pessoas que já nasceram conectadas, talvez como uma menção honrosa à sua provável "Ynteligência" superior, que teriam de herança por manipularem botõezinhos coloridos desde o berço.
Sinto muito, mas eles começaram a ser pais!

Só que a prática está mostrando outra realidade, pessoas desligadas da vida real preferindo viver conectadas num mundo de fantasia, pondo-se em situações de risco por bobagens.

O envio de textos via celular é chamado pragmaticamente pelos norte americanos de "texting". Contudo, texting não só define a ação, como também o estado de relaxamento mental extremo em função da perda dos sentidos: orientação, equilíbrio e auto-preservação da vida.
Para exemplificar um pouquinho, trago um vídeo que bombou no Youtube de uma mulher americana flagrada em plena catatonia do texting caindo no espelho d'água de um shopping.


Por esta e por outras, bem vindo ao Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley! Onde ao invés de vermos uma geração Y de cidadãos programados geneticamente para serem mentecaptos, temos uma legião de ipsilones gerados pelas injunções tecnológicas. A ficção científica levada ao deserto do real é ainda mais sinistra do que na literatura: mães matam os filhos porque não toleram interrupções nos jogos nas redes sociais, viciadões chineses matam amigos por causa do World of Worcraft:
Chinês pirado dá uma de FIRE MAGE do Wow e mata colega com fogo e gasolina.
Mulher mata filho que chorou enquanto ela jogava Farmville.
10 casos de vício extremo em videogame.

Realmente, Aldous Huxley jamais imaginou o quanto a realidade superaria a sua imaginação mais endoidecida, uma geração Z, de zumbis, completamente dispersada na distração alienante das supervias. Haverá volta para quem já está pra lá de Bagdá? Não sei, porque se a realidade seguir na mesma direção da ficção do Admirável Mundo Novo, não terá um fim tão bom assim...

Só para finalizar, vejamos o que esta legítima Y fez atabalhoadamente quando perdeu o selo de garantia.
Garota perde a virgindade e comunica imediatamente o pai... por engano:
A garota Lizzy, "de menor", viaja de férias com a tchurminha da escola, onde tem a sua "1ª vez" e manda excitadíssima um SMS para a sua melhor amiga "Darcy":
- OMG(Oh meu Deus)! Acabo de ter a minha primeira vez na praia! Como eu gostaria que você estivesse aqui!

Só que tem um pequeno "pobrema", a Ydiota não percebeu que o destinatário do SMS não era a Darcy, mas o mal-humoradíssimo do seu papá (registrado no seu celular como "DAD"), o que justifica levemente a confusão.
Então, o velho, ao tomar conhecimento do ocorrido, cortou o barato com dois SMS curtos e grossos:
- Suponho que você tenha querido enviar a mensagem para outra pessoa.
- Sua viagem terminou. Volte amanhã no voo das 7:10 hs da Delta. Use o meu cartão de crédito para pagar as despesas.
Quem mandou ela ser viciada em texting?
Texting Fail: Girl lost virginity, wanted to tell friend, told dad instead.

Etiqueta no uso de celular está piorando, diz pesquisa.

Para filosofiar mais: Dependência tecnológica transforma viciados em celular em idiotas.

12 comentários:

  1. Realmente, estamos caminhando para além da imaginação de Huxley. Acho bem pertinente o comentário e a preocupação com os Ys que andam fazendo bobagem por aí, distraídos, desengajados, embriagados com a diversão que a internet e os games lhes oferecem.

    Fico me perguntando às vezes o que podemos esperar de uma geração Z, seguindo esse seu raciocínio. Será que iremos passar de largo pelo super-homem de Nietszche indo direto para a invenção de um Homo Sapiens 2.0? Que espécie bizarra não seria essa...

    ResponderExcluir
  2. ...ótimo post, quando a pouco tempo já algumas pessoas pensavam o que seria dessa geração que esta nascendo conectada, hoje já podemos ver os resultados, é horrível, conheço algumas pessoas que dizem que não aguentam passar mais de dois dias em uma cidade do interior, que dirá passar um tempo em contato com a natureza, mas e o que dizer da geração mais antiga, que tentam desesperadamente acompanhar toda a onda tecnológica, e se tornam mais ridículas ainda, como é o caso da mulher que caiu dentro do espelho d'água, assim como ela grande parte da população também se encontra, nem sequer utilizam um porcento dos milhares de recursos oferecidos pelo último modelo de celular ou computador, mas vivem o sonho psicodélico que essa é a grande evolução possível ao ser humano.
    Certamente todas essas novas tecnologias são interessantes e tem seu lado positivo, mas o que mais se vê são aberrações, pois uma das características dessa geração Y é o fato de serem analfabetos funcionais com diplomas de ensino superior...

    ResponderExcluir
  3. Pathós, em grego também se traduz por "tendência". E, quando muito insistente, se tranforma numa patologia.
    Sem dúvida, estar conectado, online o tempo todo já está virando uma doença, rs.

    "Nada em excesso".
    Roga a mensagem cunhada no frontispício do oráculo de Apolo (deus da saúde e da harmonia) na cidade de Delphos.

    Postei um vídeo no youtube sobre qual é o verdadeiro problema do vício. Basta digitar "Luciene Felix".
    Bjs, lu.

    ResponderExcluir
  4. Vcs, especialmente o Isaías, são muito cruéis com esse pessoal. Muitos ficam encantados com o novo, aí se debruçam sobre o aparato tecnológico.
    Na primeira vez que usei computador, há 11 anos, eu também me sentia "viciado". Passava horas diante da tela e o tempo parecia não sair do canto. Era novidade. Uns 2 anos depois comecei a enjoar. Atualmente, algumas vezes nem quero ligar o PC. Nem sempre encontro algo interessante, que me engrandeça, um site, uma informação... A internet não é nada de grandioso.

    Voltando ao assunto, outras pessoas podem se tornar compulsivas, assim como existem os adeptos de bar, cerveja(odeio isso), cigarro, maconha etc.
    Então não precisam ser malhadas como vcs estão fazendo contra elas.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. A inovação tecnológica, na actualidade, assumiu proporções nunca vistas.
    Deveria ser saudável, a abertura do portal para o conhecimento mas, não é.
    Vivemos com uma super overdose de informação cujos resultados são dramáticos. Já não bastava o desinvestimento cultural gritante, que só não vê quem não quer.
    Acresce, que esta “ overdose “ está a transformar rapidamente o ser humano em um ser não pensante.
    A nova geração, com a cumplicidade dos progenitores está gradualmente a caminho do abismo. O ser humano vira “ autómato”. Claro que isto tem enormes vantagens para o poder dominante.
    O desinteresse ostensivo da “ Filosofia “ tem contribuído de forma muito mais significativa do se que possa imaginar para este estado de coisa.
    A realidade é que quando se tem um pensamento redutor as provas tangíveis não existem. Alguns pensarão que a filosofia não passa de um jogo de palavras.
    Por isso, não têm prestado atenção, ao olhar para a história da filosofia, têm a sensação de um montão de ruínas.
    Ora, esta visão de “ cegos “ não entende que a filosofia tem os pés assentes na terra, indo à raiz das questões, não abandona o mundo: o que alimenta a sua reflexão são os problemas essenciais do mundo e do homem.
    A filosofia não é uma ciência no sentido estrito, como hoje a entendemos mas, sem ela a estagnação instala-se. Não sou dono da verdade, nem nada que se pareça mas, tenho para mim que filósofo é isso mesmo: filósofo.
    Não é sábio, mas amante da sabedoria.
    Fazer filosofia é estar a caminho; as perguntas em filosofia são mais essenciais do que as respostas e cada resposta converte-se numa nova pergunta.
    Filosofar é um trabalho de reflexão, isto é, tem a ver com aquele movimento do espírito que volta a si mesmo, pondo em questão os conhecimentos que já tem, a caminho de um saber do saber, consciente e crítico, e dando razão das coisas, do que é. Neste sentido, a vida verdadeiramente humana é filosófica, ao colocar-se no plano da inquirição racional livre e do constante pôr em questão.

    Finalmente, o filósofo verdadeiro não cai no dogmatismo: é crítico, humilde e tolerante na busca sem fim da verdade.

    Será que é possível inverter o rumo? Sinceramente não sei.

    ResponderExcluir
  7. Inveja detected. Eu sou da geração X e vi idiotas em ambas. Esse fenômeno social da babaquice não é exclusividade dessa geração, mas do ser humano que sempre escolhe o caminho fácil e prazeroso.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Com a sua permissão, um aditamento.

    Habituámo-nos a considerar que tudo é equivalente, que não vale a pena lutar por nada, que a vida não é mais do que um somatório de momentos desgarrados, pelo que nos resta apenas viver o instante e procurarmos passar entre os pingos da chuva sem grandes incómodos.

    Esta é a escola da resignação, da apatia e da conivência com a mentira.

    Esta é a antifilosofia que nos é proposta diariamente: desresponsabilização geral, impotência, desistência.

    É salutar reflectir: os actos têm consequências, a liberdade dá trabalho, a mentira entorpece e embacia o brilho e a força da verdade.

    ResponderExcluir
  10. Hoje estou feliz por alguém enxergar a manipulação que o poder econômico que multinacionais insistem em praticar também na sociedade brasileira. Esquecem do sentido humanista e do desenvolvimento sustentável! Parabéns pelo artigo e divulgue mais pois achei "por acaso".

    ResponderExcluir
  11. Escrevam MAIS, POR FAVOR! As pessoas precisam saber a verdade pois tem muito empresário "vendendo" a ideia de que a Geração Y é a salvação das empresas e do mundo! Mentira! Bando de alienados!

    ResponderExcluir
  12. Há um texto em gestação sobre a questão das tragédias causadas pelos futricadores de celular.

    ResponderExcluir