Pesquisar

15 de set de 2010

Perguntas clássicas sobre homens e mulheres que ninguém responde.

Ou melhor, muitos respondem, mas ninguém entende e todos continuam perguntando. Isto faz parte do universo complexo das relações humanas, pois coisas óbvias para mim terão o peso da novidade para você e vice-versa. Então, desde que Aristóteles decretou que as regras da conduta só podem ser tratadas em linhas gerais e nunca de maneira precisa, temos debatido os mesmos assuntos e chegado à conclusões tão díspares, que continuaremos debatendo enquanto perdurar a nossa imprecisão, provavelmente até o dia do juízo final.

Por que os homens mentem com toda a cara-de-pau?
Não necessariamente os homens mentem mais do que as mulheres, a única diferença é a tosquice das nossas mentiras. Aceitando-se o fato de nascermos com cérebros menos privilegiados emocionalmente, as nossas inverdades tem pernas muito mais curtas do que as das mulheres.
Constatação 1: Ademais, por elas acreditam tão pouco nas nossas verdades, que muitas vezes são histórias difíceis de engolir, acabamos optando pelo conforto de contar-lhes "versões alternativas".

Constatação 2: os homens são unânimes em reclamar do enxerimento excessivo das parceiras, perguntas, perguntas e mais perguntas, que exigem respostas e mais respostas... nem tão diretas e fidedignas quanto elas desejam.

Por que os homens fazem sexo e as mulheres amor?
Se os homens são caracterizados pelo Telencéfalo altamente desenvolvido, vírgula, o das mulheres é mais circunvolucionado ainda, o que as torna aptas a usufruírem o verdadeiro amor, enquanto nos contentamos com o substrato mais termodinâmico da transa.
Constatação: isto não elimina a possibilidade da ocorrência de homens platônicos e mulheres devoradoras. Na mais legítima injustiça produzida pela estereotipização, neste caso eles são chamados de poetas e elas de putas, quando na normalidade do comportamento contrário, os machos recebem a alcunha de galinhas e elas se saem, sem maiores ganhos sociais, como damas na cama.

Por que os homens só pensam “naquilo”?
Caso a pergunta acima não tenha sido suficientemente esclarecida, sempre há a clássica questão sobre a fixação masculina naquilo, ou seja, a liturgia empregada por eles para ir direto ao ponto. Certamente é um problema testeronal, pois enquanto a maioria das fêmeas da natureza fica discretamente cismando à espera dos machos, eles se emperiquitam, se empertigam e brigam, às vezes até à morte, pela fêmea desejada, que não passa de um receptáculo de esperma criado para eles canalizarem o afã reprodutivo da espécie.
Assim, ainda sob as fortes influências dos nossos ancestrais da escala zoológica, continuamos a sublevar a razão em função do pênis e, aqueles de nós que só pensam com a cabeça pequena, certamente se tornam grandes candidatos a terríveis dores de cabeça (na grande).
Constatação: homens olham diretamente e sem rodeios “aquilo” porque nunca desenvolvem as mil artimanhas que acompanham as mulheres desde o berço. Observe a foto, enquanto os carinhas babam de queixo caído a céu aberto, as freirinhas desviam o olhar sutilmente para o fulcro da coisa. Isto é dom, isto não se conquista!

Por que as mulheres se tornam frígidas e os homens impotentes?
Aparentemente é bacana nascer homem, um ser devotado aos prazeres de fácil satisfação, no entanto, nascemos com um grande carma. Enquanto vários mamíferos da natureza foram dotados com estrutura óssea de sustentação do pênis, temos a nossa ereção dependente dos corpos cavernosos, vexatoriamente flácidos em estado de repouso, cujo entumescimento pleno é sujeito a chuvas e trovoadas.
A fisiologia frágil do nosso membro nos mete numa pua fenomenal, paralelamente ao fato de determos o papel de protagonistas nas relações sexuais, a nossa potência pode ser tão volátil como pluma ao vento. Diferentemente, as mulheres se preocupam apenas em manter a libido em dia e a capacidade de sentir prazer no seu papel confortavelmente secundário.
Constatação: como a potência é sinônimo de grande vitalidade, se você mulher quiser constituir uma prole sadia e resistente aos parasitas, fixe-se neste detalhe, mais do que nos quesitos sociais e culturais (mas esteja em guarda contra um belo par de guampas).

Por que os homens não cuidam da saúde?
A resposta mais simples para esta pergunta é que, enquanto elas correm o risco máximo de se tornarem frígidas, temos o fantasma da impotência permanentemente badalando sobre as nossas cabeças. Então, a fim de justificar a nossa crônica falta de zelo com a prevenção, temos que lançar mão de duas motivações contraditórias: o complexo de super-homem – que nos induz a pensar que seremos saudáveis até o final dos tempos e medo, muito medo.
Sim senhoras, um medo pavoroso de tudo relacionado a médicos, principalmente aqueles que enfiam o dedo quirodáctilo no nosso rabo. Por isto, os homens chegam nos urologistas a pau e corda, devidamente escoltados por suas mui indignadas esposas, antes que maus maiores do que a impotência se alevantem, a exemplo do câncer de próstata, ridiculamente fácil de ser tratado na origem e tenebrosamente mortal nos estágios mais avançados.
Constatação: leve o seu macho, mesmo que a ferros, ao toque retal do quirodáctilo antes que seja tarde demais.

Por que os homens são os reis dos vícios?
Além de vivermos em débito com a medicina preventiva, tomamos bebidas alcoólicas em excesso (sem falar nas drogas), fumamos, comemos quantidades absurdas de carne, nos entregamos aos prazeres das festas e da poligamia e cultivamos a famosa barriguinha, encarada eufemisticamente como “calo sexual”, que nada mais é do que a realização protuberantemente lipídica do sedentarismo crônico.
Então, novamente temos que nos socorrer do complexo de Super-Homem para explicar o nosso impulso aos maus hábitos: pensamos que os problemas só acontecem com otários.
Constatação: a questão posta é muito mais complexa do que à primeira vista, que pode ser resolvida com este pequeno dilema: ou se vive para o prazer, ou se adquire o prazer de viver.
No momento em que alguém escolhe a vida dissoluta, adquire obrigatoriamente o pacote futuro da atrocidade ao longo de uma década ou mais, sob os padecimentos das doenças degenerativas.
Parece piada, mas se você cultiva hábitos monásticos, paradoxalmente, só sentirá os reais benefícios dos seus resguardos e freios morais ao final da sua vida, o que suscita a última pergunta para VOCÊ se encafifar:

Por que viver uma vida de privações, se todos morrerão de qualquer maneira?

21 comentários:

  1. ADORO OS SEUS POST'S.
    RI DEMAIS!

    ResponderExcluir
  2. Fiz uma dieta rigorosa: cortei álcool, gorduras e açúcar. Em duas semanas perdi 14 dis!

    Okay, agora falando sério... Nem tenho muito o que discutir hein? É a nossa cultura de paranóia. No ocidente sofremos com má alimentação e vícios. No oriente, menos vícios, boa alimentação e workaholic. Nada é perfeito!

    ResponderExcluir
  3. Liz,
    rir ainda é o melhor remédio, melhor ainda se for em cima de coisa séria.

    Éris,
    brincando, brincando, estamos discutindo os fundamentos da sociedade de consumo. O que acontece com os hipertensos? Continuam atolados no sal e se consolam com as pílulas de metildopa. Os diabéticos não renunciam ao açúcar porque se fiam na insulina e assim por diante, queremos sempre uma pílula milagrosa que nos salve da rota suicida.

    ResponderExcluir
  4. Na minha opinião, apesar de ser o “ Homem “ em termos genéricos o alvo, analisamos comportamentos humanos. Aparentemente lineares, porém, muito subjectivos e complexos.

    Assim, cada pessoa tem um núcleo de personalidade que se forma muito cedo, perdura no tempo e influencia todo o seu comportamento.
    Este núcleo não depende apenas da educação ou do ambiente social.
    Há jovens que cresceram no meio da delinquência e não se tornaram em delinquentes. Outros, educados num ambiente constituído por fanáticos violentos, desde muito cedo compreenderam que havia ali qualquer coisa de errado e tornaram-se em críticos, equilibrados e sensatos. Outros ainda, estudiosos, nunca foram cábulas, que cresceram em salas de aulas onde ninguém estudava e todos copiavam. Mulheres virtuosas que viviam entre prostitutas e nunca venderam o corpo pois repugnava-lhes o contacto com um homem que não tivessem escolhido.

    São, todos estes, as pessoas que não se deixaram levar pelo ambiente social em que cresceram, que não se deixaram influenciar pelos maus exemplos, que não se acomodaram em justificações confortáveis como “ todos fazem o mesmo “.
    Antes pelo contrário, enfrentaram a sociedade e o seu conformismo, afirmando a sua integridade, a sua liberdade.
    Essa força permite-nos mudar, rejeitar as pessoas e os ambientes, afastar aqueles que nos decepcionaram, conservando a serenidade, sem rancor, uma vez que somos nós próprios os únicos protagonistas das nossas escolhas.
    A capacidade de não culpar os outros, reconhecer a própria culpa “ fui eu “, com a vontade, a decidir e agir nesse sentido.

    Talvez, seja essa, a essência da integridade: acreditar que somos nós que devemos pensar, escolher e assumir as nossas responsabilidades.

    ResponderExcluir
  5. Abordando o tema mentira

    Não sei porque razão há gente que cultiva a mentira como se fosse um jardim.
    As mentiras são cuidadas e alimentadas de tal forma que, a partir de certa altura o jardineiro já vê a mentira como uma verdade absoluta. Acredita piamente que tudo o que diz é pura verdade, que determinados factos aconteceram da forma que ele os imaginou, Á medida que o tempo passa vai se tornando num mentiroso compulsivo. Já não distingue a realidade da ficção.
    Este é o tipo de mentiroso mais convincente. Os outros não serão tão bem sucedidos e facilmente cairão em contradições sendo apanhados na mentira rapidamente

    Por norma os homens tendem a ser mais mentirosos que as mulheres. Talvez por força das circunstâncias, no relacionamento com as mulheres, sentem muitas vezes necessidade de usar a mentira como arma de defesa ou de ataque.
    Com os amigos, quando do relato das suas façanhas, por exemplo na pesca e caça desportiva, condução do seu automóvel e até dos seus devaneios e conquistas amorosas, na grande maioria dos casos existe sempre a tendência para o exagero.

    Quem enveredou por esse caminho jamais volta atrás. O hábito de mentir fica de tal forma enraizado que passa a fazer parte de si próprio.

    Assina:
    ROMY

    ResponderExcluir
  6. Acho que muitas mulheres assim como eu também pensam muito naquilo, a diferença é que homens falam mais abertamente sobre isso. Mais dizer que o homem pensa mais em sexo do que mulher é mito. Nós mulheres também devoramos com os olhos. Quando vejo um moreno sarado bonito, sarado, gostoso, fico louca, ainda mais se tiver o pênis grande.

    ResponderExcluir
  7. muito bom! agora receptáculo de esperma e demais!!!!! kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. E saiba tambem: COMO IDENTIFICAR UMA MULHER TRAIDORA ????

    Morri de rir!
    huahuahauahuahuahuahuahua

    ResponderExcluir
  9. Aviso ao responsável por publicações: Não sei porque você não publicou meu comentário onde eu falava que mulheres pensam tanto em sexo quanto os homens e também se excitam vendo um homem gostoso. Qual é o seu problema? Você tem pinto pequeno, é feio? É recalcado? Ou é só machismo mesmo? São pessoas como você que fazem com que o machismo tenha espaço na sociedade, mas ainda bem que isso tá mudando e as mulheres tão muito mais livres pra dizer o que pensam e manifestando seus desejos sexuais, sem medo de críticas de machistas como você.

    ResponderExcluir
  10. Romy,
    o melhor mentiroso é aquele que faz da mentira uma verdade. Contudo, continua o problema, pois ele ainda pode ser traído pela memória.

    ResponderExcluir
  11. Recado do editor:
    à (possivelmente do sexo feminino) anônima que devora homens com os olhos:
    seu comentário só não tinha sido publicado porque me demorei para moderar, por isto estão aí os recados neste espaço 100% plural e democrático.

    ResponderExcluir
  12. Boa contribuição da Elisa através do Link "Como identificar uma mulher traidor", escrito por um cornudo com expertise em tecidos ósseos protuberantes capilares, mais conhecidos como chifres. Portanto, cuidado com as mulheres que sempre se fazem de coitadinhas.

    ResponderExcluir
  13. Eu sou homem e cuido da minha saúde.pelo menos eu acho :S

    ResponderExcluir
  14. Homem que cuida da saúde:
    ainda uma minoria estatística, por isto o governo lançou o Portal da Saúde do Homem
    Se a maioria representativa dos homens cuidasse da saúde, não haveria necessidade de criar um portal.

    ResponderExcluir
  15. Idiotice... Açoes sao caracterizadas pela personalidade independente de sexo... Se toda mulher fosse mulher e todo homem fosse homem pelo seu ponto de visão, nos estariamos todos cercados como animais caracterizando somente pelo sexo... Um dos fatos que compravam que essas ideas feministas sao ultrapassadas é a multiversatilidade que existe hoje, Ou seja vc é o que vc quer, tudo que o homem faz em questao de relação uma mulher tambem faz!!!

    ResponderExcluir
  16. O sexo é tudo e Freud explica...

    ResponderExcluir
  17. Oi editor, aqui é a mulher que devora homens com os olhos. desculpe então pela minha precipitação.

    ResponderExcluir
  18. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Visitem também meu blog: http://www.simboragora.com

    ResponderExcluir
  19. ta fraco
    cada vez mais fraco...

    ResponderExcluir
  20. "Diferentemente, as mulheres se preocupam apenas em manter a libido em dia e a capacidade de sentir prazer no seu papel confortavelmente secundário."

    Que ridículo. Mais um homem que caiu no canto da carocinha que o prazer é secundário para a mulher. É por isso que tem tanto homem reclamando de chifre! Putz.

    ResponderExcluir
  21. Não concordo com essa b**** nao eh todo homem que faz essas coisas, existem muitos homens descentes no mundo, digo ainda que a maioria!!

    ResponderExcluir