Pesquisar

25 de abr de 2010

O misterioso poder do piano sobre os Idiotas Musicais.

Que estranho poder tem o piano de arrancar certas pessoas especiais do seu torpor incapacitante e dar-lhes por alguns momentos alguns laivos de plenitude?

O vídeo do americano Rex mostra toda a tragédia de um menino nascido com severos danos cerebrais, cego e autista. Ele é incapaz de andar, falar, ou realizar qualquer tarefa cotidiana sem assistência. Mais ainda, apesar dos seus gestos estereotipais daren a exata dimensão das suas deficiências, quando se acerca do piano os hemisférios do seu cérebro se reintegram e o garoto parece “normal”, não tão normal assim, pois em virtude do seu descomunal talento é capaz de reconhecer instantaneamente qualquer nota.

Ao ouvirmos os dedos de Rex tocando a primeira parte da singela peça Pour Elise de Beethoven, compreendemos um pouco mais porque este instrumento estanca os movimentos espasmódicos dos parkinsonianos, ou os resgatam da rigidez robótica:

“Isso ficou bem claro com Rosalie B., uma senhora pós-encefalítica sujeita a permanecer paralisada diariamente durante horas, totalmente imóvel, congelada – em geral com um dedo “grudado” nos óculos. Se alguém a conduzisse andando pelo corredor, ela andava de um jeito passivo, dura como uma boneca, ainda com o dedo grudado nos óculos. Mas ela era muito musical e adorava tocar piano. Assim que se sentava ao piano, a mão que estava grudada descia até o teclado e ela tocava com facilidade e desenvoltura. Seu rosto (em geral congelado numa inexpressiva “máscara” parkinsoniana) se animava com expressão e sentimento. A música libertava-a temporariamente do parkinsonismo – e não só quando ela tocava, mas quando imaginava uma música. Rosalie sabia de cor todas as obras de Chopin, e só precisávamos dizer “Opus 49” para operar uma transformação em todo o seu corpo, postura e expressão. O parkinsonismo desaparecia enquanto a Fantasia em fá menor tocava em sua mente. Seu EEG também se tornava normal nesses momentos.”*

Então, assim como se sucede com o menino Rex, a Senhora Rosalie era totalmente dependente de um estímulo externo para que iniciasse a tocar algo, e tão logo este cessasse, ela mergulhava irremediavelmente na escuridão incapacitante da sua doença.

Referências:
The Mysterious Gift Of Musical Savants [60 minutes].
* Trecho do livro de Oliver Sacks – Alucinações Musicais – Companhia das Letras, 2007, pag. 248.

6 comentários:

  1. Como leigo não encontro explicação.
    Penso que a nível científico haverá certamente.
    Não creio que seja um milagre, ou como vulgarmente se diz obra do acaso.
    Sei que é comum a utilização da música nos lares dos velhos, (não gosto do termo idoso, isso é outro assunto), nomeadamente músicas infantis, ou outras.
    Presumo que gere algum estímulo que promova a socialização.
    Sei também, por experiência própria, que mexe com os nossos sentimentos. Tanta vez, que me recordam factos passados, alguns agradáveis outros não.

    ResponderExcluir
  2. Beautiful, that's why I must learn how to play the piano!

    ResponderExcluir
  3. um dom de deus

    ResponderExcluir
  4. marcelo disse um don de deus

    ResponderExcluir
  5. um don de deus

    ResponderExcluir
  6. Uma maravilha, o cérebro conseguiu libetar Rex do seu limite físico transportando-o para seu grande Universo de mistérios.
    Uma graça de Deus e uma lição para nós de superação, determinação e do imprescindível amor.

    ResponderExcluir