Pesquisar

17 de mai de 2010

16 "verdades" sobre sexo que aprendemos no cinema.

A mídia é uma máquina de fazer doidos, ainda mais quando considerados os seus instrumentos lúdicos, tais como televisão e cinema. Assim, anos após ano de intenso bombardeio intelectual, muitos valores submersos profundamente no inconsciente coletivo não passam de estereótipos transplantados na nossa cabeça pelos filmes americanos, que vemos exaustivamente desde a feliz idade da sessão da tarde(*).

Quais são os resultados desta programação neurolinguística(**) às avessas? Frustrações e muito sofrimento psícológico resultante da não adequação aos padrões vigentes, fantasiosos e sobre-humanos. Mais precisamente no campo sexual, a mensagem dos filmes é particularmente desastrosa, porque impõe um mundo de faz-de-conta totalmente descolado da realidade, que, no entanto, é comprado pelas pessoas como a mais cristalina verdade. Tal linha reflexiva pode fornecer subsídios para explicar tanta rejeição à variabilidade de corpos e aos desempenhos sexuais normais.


Como corolário da fantasia, surge a corrida frenética aos cirurgiões plásticos e o uso indiscriminado de medicamentos contra a disfunção erétil, como se as mulheres nascessem mal-formadas e os homens impotentes.

1) É indispensável haver trilha sonora na hora do amor.
Como o sexo nos filmes é tratado sob a ótica épica, ele acontece sempre sob sons de violino nos enlatados românticos, ou sob temas triunfais, nos filmes de ação. Isto remete aos ingredientes básicos de um filme sucesso de bilheteria: sexo, ação e violência, não necessariamente nesta ordem, mas imperiosamente acompanhados de música.

2) As mulheres atingem o orgasmo invariavelmente e o casal sempre chega "lá" juntos.
Enquanto na vida real, a maioria das mulheres jamais chegará perto disso em toda a sua vida, as personagens das tramas experimentam o esgazear de olhos desde o primeiro roçar de corpos.

3) Os parceiros amorosos dos filmes tem corpos perfeitos.
Você não vê imperfeições anatômicas nos filmes de Hollywood. Isto é coisa para os fracos, mesmo porque no making-off das cenas calientes eles usam dublês de corpo...
» TOP 10 maiores dublês de corpo das celebridades do cinema.

4) Todas as mulheres já nascem sabendo fazer strip tease e pole dance.
Esqueça os problemas de auto-aceitação que TODAS as mulheres normais enfrentam, além das personagens de filmes se aceitarem tais como são, fazem strip já no 1º encontro, expondo despudoradamente seus corpos à plena luz. Porém, cabe a ressalva de que atores e atrizes de Hollywood são padecedores dos males de qualquer pessoa comum e mortal... (Como nesta foto da atriz Micha Barton limpando o salão e exibindo suas triviais celulitezinhas.)
 » A vingança das mulheres! Sem produção, até as celebridades têm celulite.

5) As mulheres sempre se cobrem depois do sexo.
Paradoxalmente à desinibição do "antes", no "após-ato" as personagens se enchem de pudores e cobrem puritanamente os seios quando se sentam na cama. O engraçado é que não se observa tal comportamento na vida real... se por um lado elas não fazem strip, por outro, não são tão envergonhadas.

6) Dificilmente os personagens tomam banho depois da relação sexual e não há possibilidade deles demonstrarem intuitos que remetam à necessidades fisiológicas.
O primeiro fato é explicável por conta do frio no hemisfério norte, mas o segundo tem a ver com o desprezo pelo realismo.

7) Os apetites sexuais são insaciáveis e a performance dos homens é descomunal.
Lê-se nos fóruns da Internet esposas se queixando de que seus maridos tentam repetir consigo aquilo que veem nas películas pornográficas. Ora, qualquer um que tenha a oportunidade de ver o making-off de um filme do segmento adulto, constata que as cenas não passam de poucos segundos reais, ou porque o ator “deixa cair a peteca”, ou porque os atores erram a “fala”(vídeo abaixo), ou porque o diretor grita “corta”, ou por câimbra da atriz, ou porque alguém da equipe ri ou tosse, etc. Enfim, as relações sexuais intermináveis mostradas nos filmes, nada mais são do que o resultado da seleção das melhores partes minúsculas, que são editadas e postas em sequência. Quando os espectadores apreciam o resultado final, frustram-se com seus próprios tamanhos e desempenhos.

8) Todas as mulheres usam roupas esvoaçantes.
Nunca o galã enfrenta zíperes recalcitrantes, botões rebeldes e presilhas de sutiãs inabaláveis no intuito de não ceder (um parente meu renunciou à "sua primeira vez" depois que deu de cara contra a muralha de um sutiã inexpugnável). Note como as roupas e as lingeries das atrizes são jogadas ao ar, como se fossem etéreas, ou confeccionadas em seda javanesa.

9) O amor é sempre à primeira vista.
Exceto nos Sitcoms cômicos, o amor é algo que se consuma desde a primeira olhada.

10) Os homens jamais falham na hora “H” e as mulheres tem uma libido insaciável.
Não existem galãs com este tipo de mácula na sua ficha corrida, exceto nos making-offs dos pornôs (o reino dos pintos murchos). Já as mulheres, invariavelmente encarnam o tipo sempre-afim-preparada-para-o-que-der-e-vier. Quanta diferença para as mulheres de carne e osso, com suas regras, dores de cabeça, estresse, inseguranças... enquanto os homens (de carne já não tão rígida assim) começam a colecionar infortúnios a partir dos 40 anos!

11) Sexo no primeiro encontro é a regra de ouro.
A onda da AIDS e do sexo seguro não aportou em Hollywood, tanto que frequentemente parceiros que mal se conhecem começam a transar ainda no carro (e milagrosamente nunca são assaltados). E as pessoas ainda se surpreendem porque os Aiatolás proíbem filmes ocidentais no Irá!

12) Os beijos são apaixonados, apimentados, altamente movimentados e muitas vezes girantes.

Não repita em casa os beijos técnicos que você vê nos filmes, pois corre o risco de trincar os dentes e deslocar os maxilares, pois apesar da beleza cenográfica, são totalmente inviáveis na prática de dentes contra dentes.

13) Nenhum homem faz o gesto característico de colocar a camisinha.
Sexo seguro nunca entra em moda no reino da fantasia, talvez porque não existam as DST (doenças sexualmente transmissíveis) no mundo idealizado dos roteiristas, onde coexistem saúde e promiscuidade em perfeita harmonia.

14) Os parceiros nunca tem o menor conhecimento sobre métodos contraceptivos.
1º: as pessoas nunca ficam grávidas depois de praticarem sexo inseguro;
2º: não há nenhuma relação de nexo entre transa e gravidez;
3º: nos filmes dedicados ao tema gravidez, tais como em “Ligeiramente Grávidos”, “Juno”, “Secret Life of the American Teenager", a moça fica grávida sem saber direito porque. Neste caso, o cinema imita a vida real pois, mesmo sob intenso bombardeio de informações sobre sexo, muitos adolescentes ainda hoje acreditam que podem engravidar com um simples beijo na boca...

15) Tamanho não é documento, já que os homens nunca aparecem nos filmes portando um.
Exceto nos filmes pornográficos, onde eles aparecem esgrimando “equipamentos” descomunais de 30 cm, nos demais filmes, os pênis dos galãs não são mostrados, talvez para não espicaçar a inveja dos espectadores, já que quando aparecem, sempre são itens anatômicos ligeiramente superdimensionados, devidamente cedidos por dublês de detalhes de corpo. O cinema definitivamente não é terra onde os pintos pequenos possam grassar, exceto no “Império dos Sentidos”.
» Top 10 medos dos homens.

16) Não há, definitivamente, o menor traço de doenças venéreas nos filmes.
Com exceção dos Sitcoms médicos, as doenças sexualmente transmissíveis (DST) passam longe dos relacionamentos sexuais, explicitamente promíscuos, retratados nas ficções hollywoodianas.

Conclusão:
Graças à colonização cultural exercida pelos padrões irreais impostos pelo cinema americano, todos terminamos nos sentindo inferiorizados, quando devido à comparação, não encontramos equivalência na nossa aparência e nem no nosso vigor físico talentos que contraponham os grandes personagens povoadores do nosso imaginário. Obviamente, se os estúdios de Hollywood resolvessem adotar o realismo e com ele aspectos mais educativos, certamente o grande fascínio exercido pelos produtos da sua indústria cairia por terra. Assim, entre o saneamento dos povos e o dinheiro, a opção recairá sempre sobre o vil metal, deixando que os assuntos de saúde pública continuem nas mãos de governantes impotentes.

Referências:
» Mitos sexuais em filmes de Hollywood.

» Sexy Time: Movie Myths about Sex.


(*) Os 100 melhores filmes da Sessão da Tarde.

(**) Programação Neurolinguística.

22 comentários:

  1. Bem, olhemos o melhor ponto de vista. O sexo tem 10 ótimos beneficios para a saude:

    http://www.issoecoisafeia.com/2010/01/10-coisas-que-voce-deve-saber-sobre.html

    ResponderExcluir
  2. Muito bom. Pode ser que alguém enumere um monte de beneficios e acrescente mais detalhes à essa lista, mas eu fico com um só: servirá pra muita gente, eu no meio, relaxar e gozar em paz.

    Grandes abraços

    Jonas

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus cara!!!

    Faça mais sexo, de preferência com uma guria só. Se possível se tranquem em um quarto por 1 final de semana que vc vai começar a entender que todas essas represálias estão dentro da sua cabeça e terá performances parecidas... -.-

    ResponderExcluir
  4. Cara, tô quase chorando lendo esse tópico. Deu vontade de compartilhar com todo mundo. Pena que no brasil a leitura é hobie de poucos...(A maioria prefere ficar 12 por dia na TV!).

    Resumiu tudo que eu estava refletindo na vinda para o trabalho hoje.

    Como a mídia desvirtua o ser humano...

    ResponderExcluir
  5. "STREAP"???????
    Não seria STRIP, seu burrão?
    Puta merda, tô ficando cansado de tanta gente escrevendo feito analfabeto na Internet...

    ResponderExcluir
  6. Realemte é verdade, o cinema faz uma imagem do sexo muito diferente da realidade.

    Apesar de já ter feito algumas vezes como se fosse filme kkkk

    www.vertvgratis.com.br

    ResponderExcluir
  7. "Sitcoms cômicos" é uma redundância.

    ResponderExcluir
  8. Sitcom cômico pode ter deixado de ser redundância quando surgiram ramificações do "situation comedy" O Dr. House é um Sitcom médico, assim como o Gray's Anatomy. Pelo menos no meu enteder, eles não são Soup Opera.
    Seria o CSI um Sitcom policial/científico e o Californication um Sitcom sexual?

    ResponderExcluir
  9. O certo é "Strip" e não "Streap". Principalmente os brasileiros usam a grafia streap.

    ResponderExcluir
  10. Corpos perfeitos não são mostrados apenas nos filmes americanos. Nunca vi um filme espanhol, italiano, francês, mexicano que exibisse certas "imperfeições".

    ResponderExcluir
  11. O Post tava até engraçado se não fosse a tentativa de critica social na conclusão.

    Cara, não aguento mais ver gente procurando chifre em cabeça de cavalo que nem você... cinema é arte e, como toda arte, retrata o belo, o diferente, o algo mais que existe nas coisas e não a vida real.

    Que graça teria ver alguem "dando uma" porcamente que nem você e sua namorada na tela de um cinema? Ou que graça teria se o Davi de Michelangelo fosse gordo e careca que nem você?

    Vai criticar o que merece ser criticado.

    ResponderExcluir
  12. A globalização tem contribuído de forma assustadora para o crescimento das ilusões.

    Este engano dos sentidos e do pensamento é o terreno fértil para os governantes, desinvestirem na cultura e investirem na ignorância porque espicaça o desprezo, alimenta o ressentimento, incrementa o rancor e fomenta os odiosos fantasmas do racismo e da xenofobia.

    O mundo ideal para perpetuar o desfile de nulidades da mediocridade dos dirigentes.

    Ainda quero acreditar que.....

    O sexo e o amor não podem ser manobrados a nosso bel-prazer.
    O mais importante é que o todo é maior do que a soma das partes e quando um casal se funde por forma a tornar-se num todo, constrói e desenvolve a sua própria alquimia, secreta e inviolável, com os grandes segredos e pequenas cumplicidades que ela envolve.

    Cada casal tem a sua forma própria de amar, de seduzir o outro.

    Arrisco-me a dizer que poucas situações na vida podem dar ao ser humano mais prazer do que encontrar aquele amor e, vivê-lo em plenitude.

    ResponderExcluir
  13. Eu acho q....vou dar uma trepada agora!

    ResponderExcluir
  14. Hilário também é o órgão sexual na barriga, quando o ator fica literalmente com o umbigo entre as pernas da mulher :-D .

    A parte do lençol até se explica pelo desejo de manter a restrição por faixa etária baixa, mas exageros como mãos cobrindo o que não deve ser mostrado beira o ridículo, como se alguém fosse lembrar disso na hora H.

    ResponderExcluir
  15. Cara, não que mundo você está vivendo, mas...
    Trilhas sonoras servem para dá “clima” as cenas de filmes, sejam elas de sexo, sejam de suspense.
    Não sei que filmes que você anda assistindo, todo o resto é pontual dependendo do gênero do filme.
    Por exemplo: em comédias é comum homens “falharem” ou terem ejaculação precoce.
    Além do mais, pessoas fazendo sexo sem preservativos – mesmo em tempo da AIDS – é ainda muito comum.
    Porque você acha que existe epidemias de AIDS, DSTs e aumento de casos de gravidez na adolescência?

    Se o texto estivesse restrito ao campo do humor, até se poderia relevar. Mas quando se descambou para o campo do discursinho panfletário aí ficou difícil engolir tanta baboseira.

    ResponderExcluir
  16. Otimo texto, bem escrito, simples e complexo ...
    Faz tempo que vejo um texto bem comportado e atrativo como o seu... Fora o corpo o conteudo tambem é muito bom, quem entendeu, entendeu, quem não entendeu falou besteira .

    ResponderExcluir
  17. Gostei do texto, vou passar adiante.

    ResponderExcluir
  18. É comédia? É né?
    Achei que era...
    É também para fazer pensar que os atores também tem defeitos!

    ResponderExcluir
  19. Muito loko isso!!

    ResponderExcluir
  20. Só em pornôs existem fluidos corporais numa transa. Em muitos filmes o casal acaba de transar, e já se veste, como se "tudo" estivesse sequinho. Outra coisa, o sexo é visualmente sem graça fora do cinema. As posições mais usadas, não tem apelo sexy, os corpos não aparecem, a não ser uma bunda branca e gelatinosa!

    ResponderExcluir
  21. o anônimo ali em cima colocou alguns pontos interessantes. O texto é muito falho, e o problema é justamente por querer fazer discurso. Eu adiciono algumas coisas ao que o anônimo disse: as mulheres fazem sexo no primeiro encontro, muitas vezes; eu, particulamente, não gosto de tomar banho depois do sexo - nem as garotas com quem eu já tive relações (a parte das necessidades fisiológicas eu não entendi... você PRECISA mijar depois de transar??); também não gosto de usar camisinha, assim como muitos homens, mas geralmente sei onde enfio as minhas coisas e, hoje em dia, TODAS as garotas começam a tomar anticoncepcional assim que perdem a virgindade - em muitos casos, até antes.

    no mais, você precisa assistir menos filmes americanos.

    ResponderExcluir
  22. O texto está muito bom, de verdade. Quem não gostou é porque ignora o realismo, prefere viver uma ilusão ou sofreu lavagem cerebral.

    ResponderExcluir