Pesquisar

23 de mai de 2010

A existência feminina através dos complexos.

Tirando os problemas de auto-aceitação, inferioridade perante as outras mulheres e a inesgotável capacidade de sentirem inseguras, as mulheres são seres adoráveis dignos de amor, mesmo que não possamos esquecer que a vida delas é uma sucessão de complexos gerados por sua inextrincável maquinaria psíquica.

Complexo Hello Kitty.
Complexo Hello Kitty
Até os 15 anos a mulher vive num mundo cor-de-rosa blindado contra lobos maus e gatinhos predadores. É saudável que isto aconteça, porque quando o estrogênio começar a jorrar... adeus paz e ingenuidade.

Complexo de Alice.
Complexo de Alice
Dos 15 aos 18 anos, a mulher sente intensa vontade de queimar etapas e antecipar os rituais de passagem da maioridade, mesmo que seja à custa do enfrentamento de chapaleiros malucos, rainhas de copa e gatos misteriosos. Tudo isso para tirar carteira de motorista e cair nos braços dos machos predadores, não necessariamente nesta ordem...

Complexo de Cinderela.
Complexo de Cinderela
… para depois dos 18 anos até o final da vida, continuar eternamente parecendo como se ainda tivesse 18 anos.

Complexo de Branca de Neve.
Complexo de Branca de Neve
A mulher passa a vida inteira buscando um príncipe encantando é só enfrenta anões pelo caminho, não necessariamente em número de 7.

Complexo de Bela Adormecida.
Complexo de Bela Adormecida
A mulher paga para dormir com uma anestesia geral, esperando acordar jovem para sempre, embalada em silicone. Todavia, nenhuma delas conta com o famoso efeito colateral dos “lábios limpa-trilhos”.
» Aspectos escabrosos do Transtorno Dismórfico Corporal.

3 comentários:

  1. Vixi, eu conheço várias que já dão lição pra Alice no meio da Hello Kitty.

    ResponderExcluir
  2. Penso que estamos a falar de genética comportamental que se enquadra na ciência. Isto é válido para mulheres e homens. Talvez os cientistas tenham alguma explicação, eu como leigo, limito-me a constatar as fases descritas.
    Todas elas são reais e indesmentíveis.
    No fundo, presumo que seja o desejo de ser feliz, tal como os homens. Já Aristóteles afirmava, há mais de 2 mil anos, que a felicidade se atinge pelo exercício da virtude e não da posse.
    Estar feliz ou triste é um ir e vir. Apesar de difíceis, os processos de infelicidade também funcionam como um momento para amadurecer, pensar e repensar as atitudes, os projectos.
    A felicidade não é permanente, todos nós sabemos isso.
    Certamente não há respostas concretas do que leva até ela

    ResponderExcluir
  3. Edu,
    fiz um exercício de crédito numa utopia de Hello Kitties ingênuas até os 15 anos. Sei que a TV transforma meninas inocente em velhacas fornicárias, mas ao recusar a realidade posta aí, reservo-me o mergulho na ironia por um lado, e por outro, confiar minimamente na Santa das Causas Impossíveis.

    Mário,
    lendo o velho Aristóteles, começamos a pensar que a felicidade está aí, quem sabe alcançável através do exercício da doutrina do meio-termo (mesotes), ou mais:
    "E por esta razão que se pergunta se podemos aprender a ser felizes, ou se podemos ser felizes graças ao hábito ou a algum tipo de exercício, ou então à providência divina, ou finalmente graças à sorte". Aristóteles - Ética a Nicômacos.

    ResponderExcluir