Pesquisar

12 de mai de 2010

As crianças islandesas não são uma piada.

A financeiramente quebrada Islândia, pela crise mundial de 2008, hoje pipoca nos noticiários internacionais por causa da ira do seu vulcão de nome esquisito e impronunciável Eyjafjallajökull(*).
Eyjafjallajökull apocalíptico

Mas afora o aborrecimento da perda de voos, irritação das pessoas e prejuízos das companhias aéreas globais, nada se fala do fumo negro que se abateu sobre o futuro das crianças à sombra da erupção do Eyjafjallajökull.
Crianças islandesas

É certo que elas viviam numa ilha de gelo em pleno círculo polar ártico, mas correndo pela turfa gélida, tendo um futuro pela frente, como vemos na canção Glósóli da banda islandesa Sigur Rós.


Hoje as cinzas são o céu e os relâmpagos apocalípticos da geleira Eyjafjallajökull, os cavaleiros do apocalipse.
Eyjafjallajökull - Os Cavaleiros do Apocalipse
Embora muitas gerações tenham tido uma infância feliz desde a última erupção de 1821, as crianças atuais terão alguns anos roubados das suas vidas: ou ficando e convivendo com as máscaras, ou saindo e virando refugiadas.

Os velhos dos arredores do povoado de Hvolsvöllur preferiram ficar.

(*) Aprenda pronunciar Eyjafjallajökull cantando:

Fonte das fotos do glaciar Eyjafjallajökull [Scienceblogs].

Um comentário:

  1. Uma pequena empresa islandesa está a vender cinzas do vulcão Eyjafjöll pela Internet e desfruta já de um sucesso enorme, tendo recebido pedidos de mais de 130 países.
    A loja on-line Nammi.is, que vende produtos diversos da Islândia, está a vender, há 10 dias, potes de 160 gramas de cinzas vulcânicas a 3.900 coroas islandesas, o que equivale a 23,80 euros, sendo que os lucros das vendas são doados para a caridade.
    "Tudo começou quando um dos nossos clientes estrangeiros, um coleccionador, perguntou se não podíamos ir buscar as cinzas do vulcão. Eu, imediatamente, pensei que era uma óptima ideia", disse o proprietário do site, Sofus Gustavsson.
    "O meu pai mora perto do vulcão, então, eu pedi-lhe para me trazer as cinzas. Ele reuniu uma boa quantidade e trouxe", concluiu o empresário.
    Desde então, para atender à procura, o pai de Gustavsson já fez três viagens adicionais e a empresa tem fornecido clientes em inúmeros países.
    Segundo o empresário, outras duas empresas também vendem cinzas do vulcão, mas com fins lucrativos.

    Fonte: Diário Económico

    O ser humano é capaz do melhor e do pior.

    ResponderExcluir