Pesquisar

23 de set de 2009

Como descobrir se você está num relacionamento vazio? Ouvindo a linguagem do corpo.

Os seres humanos são de natureza inexoravelmente dualista: constituídos de uma pequena porção de razão e dominados em maior parte pela emoção. Por isso mesmo, nos casamentos há grandes dúvidas sobre a base do relacionamento: será amor ou interesse?

A origem de tanta desconfiança está nos próprios fundamentos da sociedade de consumo, onde o ter se sobrepôs ao ser. Assim, muitos casamentos acabam depois de alguns anos subsistindo por causa dos filhos, cartão de crédito, comodidade, inércia, conformismo e um medo pavoroso de enfrentar o desconhecido.

Você já parou para pensar nas reais bases do seu casamento? A correria do dia a dia o tem impedido de pensar sobre a relação, ou talvez o medo de descobrir que tudo esboroou seja maior do que o sofrimento que seria causado por uma verdade terrível?

A sociedade de consumo impôs um novo tipo de relacionamento vazio. Antigamente os casais ficavam juntos, até que a morte os separassem, por motivos morais. Provavelmente nossos pais e avós tenham se odiado até o fim, mas continuaram juntos para salvar as aparências. Hoje, as pessoas continuam tocando relações falidas por motivos estritamente patrimoniais, seja pela posse do patrimônio, e/ou “segurança espiritual” e posse(tutela) dos filhos.

Paradoxalmente, mesmo que hoje não haja mais a estigmatização social causada pelo divórcio, muitos relacionamentos viraram casamentos de fachada, ou para “inglês ver”, já que a chama do amor, paixão e carinho há muito tempo soçobrou em baixo do motor maior das nossas vidas: o financeiro, pois em face da abolição das restrições morais, restou o temor da diminuição do padrão de vida.

Voltando ao aspecto importantíssimo apenas ensejado no início do do texto; como somos em grande parte constituídos de emoção, as maiores evidências do casamento, “casca” por fora e vazio por dentro, não são encontráveis nas coisas propriamente ditas, e sim no que não é dito. Ou seja, os sinais são dados quando o espírito está desarmado, quando a pessoa fala usando a sua linguagem mais íntima e sem mediações intelectuais.

E a linguagem verdadeira é entoada pelo corpo. Preste atenção no corpo do seu cônjuge quando ele não está sendo governado pela razão. A forma como ele lhe trata revela o verdadeiro estado do casamento, pois quando dormimos manifestamos a nossa mais sincera índole.

Há um senão para o sucesso deste teste singelo, os casais em questão tem que necessariamente compartilhar a mesma cama, quarto e casa, pois os cônjuges que renunciaram há muito à linguagem do corpo, certamente estão envolvidos num tipo de relação que extrapola o escopo deste texto, já que são casamentos regidos pelo estatuto da Sociedade Anônima.

Então, preste atenção como é o seu relacionamento não racional com o seu cônjuge. Quando as pessoas se amam, seus corpos se procuram e se abraçam espontaneamente, estando seus donos dormindo ou não, pois é no detalhe miúdo da linguagem externada pela metade inferior do corpo (a descerebrada), que os indícios da vitalidade de uma relação se revelam cruamente.

Quando os pés já não se tocam e não se procuram, as canelas não se roçam, os joelhos se evitam e as pernas não se encaixam, você pode ter certeza de que, apesar do casamento estar morto de fato, subsiste de direito por motivos estranhos ao relacionamento afetivo entre vocês. Ao chegar a este nível de hipocrisia, você não está sendo nem um pouco diferente dos seus pais e avós.


Crédito da foto: Fotógrafo Frederico Mena-Quintero [photo.net] via [gnome]

Link relacionado: Guia de sobrevivência masculino no Mar da Intranquilidade feminino. [Blogpaedia]

5 comentários:

  1. Não sou casado, mas com as namoradas acontece a mesma coisa. Quando você percebe que faz um esforço para lembrar acariciar a companheira o relacionamento está esfriando. Quem consegue identficiar a linguagem do corpo sofre um pouco, pois acha que pode estar enganado, que pensa demais, mas no final das contas está certo.

    ResponderExcluir
  2. Richard, não confunda sexo, com atos de carinho. Muitas vezes, a mulher só quer aconchego e o homem já fica com tesão. E não é bem por aí.

    ResponderExcluir
  3. @Georgia Ah isso é verdade. É péssimo quando vc so quer um aconchego, um carinho do parceiro e ele ja pensa que a mulher quer sexo. Ou quando o homem so vem cheios de carinho para depois transar, sao as chamadas ''carícias sexuais'' que a maioria das mulheres odeia. Claro que é bom um carinho, beijinhos antes de transar, mas so chegar perto da mulher com esse tipo de carinho tendo so a finalidade de sexo é péssimo.
    No caso do Richard, a namorada dele se afasta dele qdo ele veio cheio de carinho pq imagina que logo ele ja vai querer transar, mas no momento ela nao quer sexo. É realmente mto chato isso, a mulher fica pensando ''Ah, ele so vem cheio de carinho so pra transar''. Isso fica na cabeça da mulher, e qdo ele chega assim pro lado dela, ela sai.

    ResponderExcluir
  4. Que estranha coincidência o leitor se chamar Richard, algo a ver sobre o outro artigo sobre o Ricardão? http://www.blogpaedia.com.br/2009/08/top-10-virtudes-que-o-ricardao-esbanja.html

    ResponderExcluir
  5. As pessoas ainda se apaixonam, os livros que contam histórias de amor continuam no top de vendas, as comédias românticas mantêm as plateias cheias e os meios modernos de comunicação virtual estão pejados de corações a bater e de flores a nascer.
    O amor continua a vender, na moda, nas campanhas de perfumes, nas séries da Fox e nas novelas.
    Parece que andamos todos à procura do mesmo todos queremos amar e ser amados, todos sonhamos com momentos cinéfilos perfeitos, um a correr em direcção ao outro em câmara lenta num prado verdejante ou numa praia tropical, e a magia desses eternos clichés mantém o nosso coração fresco e em constante processo de reciclagem.
    Então, por que passamos mais tempo a conversar por chat do que sentados no sofá ao lado uns dos outros, por que nos é cada vez mais fácil teclar ‘amo-te’ e mais difícil dizer a quatro olhos ‘gosto de ti’?

    ResponderExcluir