Pesquisar

11 de jul de 2010

10 princípios essenciais para uma Dieta Saudável.

Contrapondo-se à máxima popular do "coma de tudo nas horas certas e sem exageros", aumenta a cada dia a legião de obesos e subnutridos funcionais, aqueles indivíduos que mesmo tendo acesso pleno à alimentação, fazem péssimas escolhas à mesa.
Para comprovar que o conceito de alimentação saudável vai muito além do “comer de tudo”, elegemos uma série de princípios que, apesar de simples, são sistematicamente ignorados devido ao estilo de vida massacrante vigente nos grandes centros urbanos.


1) Racionar os alimentos industrializados.
No processo de industrialização, vários componentes nutritivos essenciais são perdidos. Para compensar as deficiências, as formulações industriais apelam para os aditivos químicos na tentativa de restituir o sabor perdido. Só que cada uma das substâncias adicionadas, tais como flavorizantes, corantes, umectantes, espessantes, realçadores de sabor, etc., provocam efeitos colaterais na saúde humana na forma de enxaquecas, dores musculares e nas articulações, fadiga, inchaço e até podem induzir estados depressivos.

2) Eleger fibras, frutas, verduras e hortaliças.
Não há como falar em dieta saudável sem levar em conta o aumento substancial da ingestão de fibras alimentares e a adição à dieta de frutas, verduras e hortaliças.
Leia mais sobre fibras solúveis e insolúveis: Link1,  Link2.

3) Adotar alimentos integrais.
Grandes fontes de fibras disponíveis são encontradas nos alimentos integrais, arroz, farinha, aveia, feijões. Se possível, prefira alimentos integrais de origem orgânica.
Saiba mais sobre "Alimentos Orgânicos".

4) Qualificação das gorduras.
É errado pressupor que uma dieta saudável pressupõe a eliminação de todas as gorduras, já que elas são essenciais para o metabolismo, inclusive para a síntese óssea. Porém, devido ao estilo de vida “fast-food” baseado em vícios alimentares, mergulhamos num mar de gorduras e nos privamos das gorduras essenciais ao bom funcionamento do organismo.
Leia mais sobre as gorduras do bem: Link.

5) Substituição do açúcar branco.
A simples substituição na casa do açúcar branco refinado pelo mascavo (de preferência orgânico), causa uma diminuição importante do apetite por alimentos hipercalóricos, uma vez que o organismo se vê privado das descargas instantâneas de glicose proporcionadas pelo mais presente na cozinha tradicional.
Leia mais sobre “O perigo branco”.
» O que é Sugar Blues?
» Downloado do livro digital "Sugar Blues" de William Dufty.

6) Eliminação dos adoçantes artificiais.
Está comprovado cientificamente que TODOS os adoçantes artificiais provocam terríveis sequelas sobre a saúde humana, e o maior testemunho disto é o fato que ninguém em sã consciência, alimentaria seus animaizinhos de estimação com produtos contendo adoçantes artificiais, pois o resultado seria a morte certa em pouco tempo.
Leia mais sobre os “Perigos dos adoçantes atificiais”.

7) Substituição dos refrigerantes, bebidas alcoólicas e sucos por água natural.
O processo de industrialização trouxe miríades de alternativas à água que resultaram na decadência do hábito da ingestão deste líquido essencial à vida. Quando falamos de água, estamos nos referindo à água pura e não de água mineral, comumente consumida nas grandes cidades pela facilidade do delivery em bombonas. O consumo excessivo de minerais diluídos na água mineral pode provocar cálculos renais e a contaminação das embalagens plásticas pode redundar em intoxicação alimentar.
Leia mais sobre a campanha nos EUA para que as pessoas retomem o hábito de tomar água natural: Link.
Saiba porque você deve ingerir mais água: Link.

8) Controle do Sódio.
Conforme falado no primeiro item, a industrialização fomentou o hábito da ingestão de alimentos hiper-salgados. Porém, é recomendado mundialmente que a quantidade máxima de sódio ingerido por dia não ultrapasse 2,3 gramas, o que equivale a uma colher de chá de sal de cozinha. O agravante do problema é que, por problemas de hipertensão e avanço da idade, quando o organismo se torna menos eficiente em eliminar sódio, a recomendação baixa para 1,5 gramas por dia (o que equivale a 3,75 gramas de sal, ou seja, meia colher de chá por dia).
Quando vejo as pessoas no restaurante despejando sal “a gosto” sobre a comida já salgada, me dou conta de que o sódio se inclui na galeria dos piores vícios do século.
Leia mais sobre como “O sódio pode sabotar qualquer dieta”.
» Hipertensos não sabem relacionar sal e sódio nos rótulos dos alimentos.

9) Aumentar a frequência da alimentação.
As pessoas que costumam passar grandes períodos sem se alimentar, podem ser facilmente reconhecidas por abdomens protuberantes. Normalmente tais pessoas sacrificam a refeição matinal, “comem qualquer coisa” no almoço e se dedicam aos festins pantagruélicos à noite. Esta é a fórmula mágica de formação da “redondura da morte”, ou seja, o acúmulo da gordura abdominal de natureza mórbida.
Leia mais sobre “Os efeitos maléficos da gordura abdominal e a formação da síndrome metabólica fatal”.

10) Adotar os chamados alimentos funcionais: prebióticos, probiéticos e simbióticos.
Os alimentos que produzem efeitos metabólicos ou fisiológicos benéficos sobre a saúde são classificados em três grupos:

- probióticos: aqueles que tem em suas composição micro-organismos vivos, tais como lactobacilus, bifidobacterium, capazes de equilibrar a miocrobiota intestinal e trazendo como benefícios a otimização da digestam da lactose, redução do mau colesterol e melhoramento do sistema imunológico;

- prebióticos: em vez de micro-organismos vivos, tais alimentos contem ingredientes que não são diretamente metabolizados, mas fornecem energia para as bactérias que vivem naturalmente no trato intestinal humano. Seus benefícios são igualmente notáveis, pela diminuição dos processos inflamatórios, aumento da absorção de sais minerais e produzem efeito anti-carcinogênico.

- simbióticos: tem propriedades probióticas e prebióticas, potencializando assim o seu efeito saudável.

Saiba mais sobre “Alimentos Funcionais”.

6 comentários:

  1. Matéria é boa, mas acho que algumas coisas faltaram.

    "A simples substituição na casa do açúcar branco refinado pelo mascavo"
    O preço do açúcar mascavo é até assustador, por isso não compro. Opto por um tipo meio escuro ensacado.

    Sobre água, tenho duas opções: tomar água do filtro, com aquele sabor ruim de barro, cuja água veio da empresa de abastecimento, que por sua vez adicionou flúor(não dizem que flúor faz mal?)
    ou
    comprar garrafão de 20L de água mineral. Difícil saber o que é água pura. Uma água tem flúor(e passa por encanamento antigo. Na minha casa a tubulação é antiga), a outra tem minério.

    ResponderExcluir
  2. A água do sistema público é checada pelo menos uma vez por dia, enquanto as empresas de água mineral sofrem fiscalizações muito esporádicas, quando sempre são encontradas irregularidades e contaminações na maioria das marcas comercializadas.
    A questão do excesso de flúor é realmente grave na água do sistema público, conforme este vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=ASLx0CePSCI
    Portanto, a solução saudável é investir num filtro que de água que contenha elementos para eliminar também os fluoretos.

    ResponderExcluir
  3. Achei a matéria excelente! Serve como um bom alerta para todos nós.

    Meus parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Entendi, obrigado.

    ResponderExcluir
  5. Um belo trabalho didáctico que merece a atenção do “ Sistema Educativo “ pois deve ser incluído nos manuais escolares.

    Os meu parabéns

    ResponderExcluir
  6. Mário, todo o conhecimento para uma vida saudável é de domínio público. Infelizmente, o opção pela praticidade induz as pessoas a escolherem o pior para si, coisa que não fazem com seus pets.

    ResponderExcluir