Pesquisar

17 de jul de 2010

Darwin in Rio.

Diário de Darwin comentado - parte 16.

Neste ponto da viagem Darwin ficou sozinho no Rio, pois o Beagle teve que retornar à Bahia para refazer algumas medições topográficas (Casa da Ciência).

No ano em que Darwin chegou ao Brasil (1832), este gigante pela própria natureza, tinha um Imperador ainda criança e era governado pela Regência Trina Permanente. Embora deitado eternamente, havia muito decontentamento político e social que gerou uma série de movimentos revolucinários como a CABANADA, que agitou as matas ao sul de Pernambuco e norte de Alagoas (Fernando Dannemann).

Nesse mesmo período, na Bahia, ocorreram vários movimentos, Classificados, na historiografia, sob o título genérico de “Movimentos Nativistas” e um dos quais eclodiu no Recôncavo Baiano, em 1832, a partir da Vila de São Félix, chegando a estabelecer um governo provisório (Wikipédia).

A história mostra que os movimentos sociais sempre agitaram o nosso "berço esplêndido" e que na atualidade eles são bem "mais pacíficos", por mais fortes que sejam as tintas usadas para divulgá-los, nacionalmente.

Porém, em 1832, não havia como se tomar conhecimento de eventos tão extraordinários em todo o território nacional, por isso eles ficavam circunscritos à sua vizinhança mais imediata. Assim, Darwin relata a vida cotidiana numa das maiores cidades do Brasil, que vivia seu período de Regência.

Para saber como viviam os cariocas em 1832 leia as observações de Darwin no Teliga.net.

Partes anteriores: *1* *2* *3* ... *13* *14* *15
Próxima parte *17*.

2 comentários:

  1. Darwin um homem genial cujo legado para a comunidade cientifica " A Origem das Espécies" de um mérito indiscutivel é digno do nosso reconhecimento pelo seu esforço e dedicação.

    Sem pretensões, vou expressar o meu ponto de vista sobre a espécie humana.

    O Homem é um prematuro.

    Para fazer o que faz, precisaria de permanecer no ventre materno mais 20 anos, mas isso não é possível; assim, nasce no termo de 9 meses, tendo, portanto, de receber por cultura aquilo que a natureza lhe não deu.

    Frágil segundo a natureza e sem especialização, tem de criar uma espécie de segunda natureza ou habitat, precisamente a cultura, sua origem, e não na natureza.
    Os outros animais nascem feitos, o Homem, nascendo por fazer, em aberto, tem de fazer-se a si mesmo e caracteriza-se por essa tarefa de fazer-se com outros numa história aberta, em processo.

    Assim, no processo de nos fazermos, o outro aparece inevitavelmente. O outro não é adjacente, mas constitutivo. Só sou eu, porque há tu, em reciprocidade. O outro pertence-me, pois é pela sua mediação que venho a mim e me identifico: a minha identidade passa pelo outro, num encontro mutuamente constituinte.
    Então, o outro é vivido sempre como fascinante e ameaça. Os gregos, por exemplo, chamavam bárbaros aos que não sabiam falar grego, mas tinham fascínio por outros povos, concretamente pelos egípcios.

    O outro é outro como eu, outro eu, e, simultaneamente, um eu outro, outro que não eu.
    Daí, a ambiguidade do outro. O outro enquanto outro escapa-se-me, não é dominável.
    Nunca saberei como é viver-se como outro.
    Quando olhamos para outra pessoa, perguntamos: como é que ela se vive a si mesma, por dentro?, como é que ela me vê?, como é o mundo a partir daquele foco pessoal?

    No quadro desta ambiguidade, entende-se como, por medo, ignorância, desígnios de domínio, se pode proceder à construção ideológica e representação social do outro essencialmente e, no limite, exclusivamente, como ameaça, bode expiatório, encarnação e inimigo a menosprezar, marginalizar, humilhar e, no limite, abater, eliminar.

    Num mundo global, cada vez mais multicultural e de pluralismo religioso, é urgente repensar a identidade e avançar no diálogo intercultural e inter-religioso.

    ResponderExcluir
  2. isso e muito interessante

    ResponderExcluir