Pesquisar

19 de jul de 2010

Coisas que só aprendemos nos filmes de Ficção Cientifica.

O fato do universo da Ficção científica ser constituído de realidades alternativas, apocalipses, humanização de máquinas, sociedades tecnológicas autoritárias, dimensões paralelas, viagens no tempo, etc., oportuniza o acesso ao mundo mágico entreaberto nas “dobras espaciais” dos roteiros, o que enseja especulações acerca dos grandes problemas que engalfinham a Filosofia.


No interessante universo paralelo criado pela imaginação estão as questões do Ser, a origem da vida, as implicações einstanianas do espaço/tempo, a função social da tecnologia e o próprio sentido da vida, tudo embalado sob a roupagem rápida do cinema. Porém, é necessário possuir algum pré-requisito, pois tais viagens alucinantes não prescindem de leituras obrigatórias dos grandes clássicos da literatura de FC, como, por exemplo, “1984”, ”Admirável Mundo Novo”, “Duna”, “Contato”, “2001”, “A Máquina do Tempo”, “O Homem Duplo”, etc.

1) Os laboratórios alternativos dos cientistas malucos do bem, são sempre decrépitos e frequentemente estão instalados em subterrâneos imundos, como em “Minority Report”, “Johnny Mnemonic”, etc.

2) Os vilões costumam ser cientistas malucos, como em “Metrópolis”, “Blade Runner”, “12 Macacos”, etc.
» TOP 10 estereótipos de cientistas malucos do cinema.

3) A tecnologia usada do futuro nunca é totalmente boa, tanto que o mocinho passa o filme inteiro tentando re-humanizá-la, como em “A Ilha”, “Aeon Flux”, etc.

4) Dificilmente a realidade é o que parece ser, na verdade você passa a maior parte do filme sem discernir muito bem o real do simulacro, como em “Matrix”, “13º Andar”, “Vanilla Sky”, “12 Macacos”, “Nirvana”, etc.

5) A misturança entre ciência, religião e governança nunca dá boa coisa, como em “Star Wars”.

6) Muitas vezes o futuro é pior do que o nosso presente, como no exemplo nas distopias de “Blade Runner”, Brazil, “12 Macacos”, “Mad Max”, etc.
» Uma distopia pós-moderna.

7) As aplicações sociais da engenharia genética normalmente resultam em desastres que devem ser reparados pelos mocinhos, como em “Gattaca”, “A Ilha”, “Aeon Flux”, “Código 46”, etc.

8) Sempre há elementos retrô idênticos aos do nosso presente, tais como metrôs, carros, edifícios, etc., como em “Minority Report”, “Código 46”.

9) No futuro os mocinhos costumam usar ferramentas tecnológicas antiquadas, como em “Brazil”, “Matrix”, “12 Macacos”, “Mad Max”, etc.

10) As drogas na ficção científica provocam viagens realmente alucinantes, como em “Nirvana”, “Viagens Alucinantes”, “O Homem Duplo”, “Matrix”, etc.

11) As doenças do futuro são pandêmicas, mortais e costumam dizimar a maior parte da população, como em “Johnny Mnemonic”, “Aeon Flux”, “12 Macacos”, etc.

12) Os alienígenas mocinhos sempre tem problemas tipicamente humanos e o resto deles são invariavelmente vilões, como em “O Dia em que a Terra Parou”, “Alien o 8º Passageiro”, “A Experiência”, etc.

13) Desconfie bastante das máquinas, pois elas podem ser do mal, como em “Eu Robô”, “Metrópolis”, “Matrix”, “Tron”, “2001 Uma Odisséia no Espaço”, etc.
» Dez máquinas ficcionais do mal.

14) Quando a máquina é boazinha, seu “desejo” é virar humano, como em “O homem Bicentenário”, “Blade Runner”, “Eu Robô”, “Inteligência Artificial”, etc.
» Dez máquinas ficcionais do bem.

15) O sentido da vida pode ser conhecido na trilogia de Matrix. Lá você aprende que a negação do EU é o caminho para a iluminação. Somente quando Neo renunciou à sua individualidade, ele pode superar o conflito maniqueísta entre a sua parte boa e a má, representada pelos milhares de Agentes Smiths.
» Chaves Simbólicas para a compreensão da Matrix.
» Há 10 anos a Matrix chegava ao Deserto do Real.
» Alegoria da Caverna de Platão em Animações.

9 comentários:

  1. Bah! Eu sou tri careta! Mesmo tendo visto a maioria dos filmes que tu citou aí, ainda continuo achando o bom e velho De Volta Para o Futuro o melhor filme de ficção... E o Dr. Emmett Brown é o Rei dos cientistas malucos! Tomara que eles nunca inventem de fazer uma refilmagem, para não estragar essa obra prima da geração que curtia uma Sessão da Tarde nas décadas de 80 e 90.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Nem citei o Devolta para o Futuro porque considero-o entretenimento puro, sem grandes sacadas filosóficas. Para você ter uma ideia, o também não citado "Solaris" do diretor russo Andrej Tarkowsky é um dos meus preferidos e considero o filme "Stalker" do mesmo diretor, o melhor filme de ficcção científica de todos os tempos, excetuando-se Metrópolis é claro.

    ResponderExcluir
  3. Sem pretender ofender, parece-me que existe uma tendência para a panaceia através do misticismo em todos os âmbitos do conhecimento.
    É como se a pseudo ciência tivesse braços como tentáculos que a cada morte ou amputação feitas por aqueles que ainda buscam a verdade nos fenómenos naturais ou físicos, crescessem mil braços.

    ResponderExcluir
  4. pra mim ficçao e religiáo estao sincronizadas . vejam aliens versosakele outro bicho ke eskeci o nome rs tem a ver com a civisilaçao maia ou inca bem tbm como filmes ke falam do exito de sers com cara de gatos ..a biblia fala de carruagem de fogo com som de aguas .tudo a ver com nave espacila ou foguete ke faz tal sim com suas turbinas, falam de um ser com armaadura dourada ke mais parece um astronauta com eu trage esspacial ..viajem ao passado ou seres avançados ke passam por aki ou melhor ke nos criaram e veem ver como estamos de vez em kuando rs ..kem sabe nos robos de hoje daki a 500 anos seram nossa criaçoes ne ,,afina se a 500 anos atras dissesemos ke um aviao de toneladas voesae com mais de 200 pesoas ou naves ao espaço seriamos presos por loucura pensem niso ..desculpa ai o portugues rs ..viva a ficçao nao importa como ou de que forma

    ResponderExcluir
  5. Muito legal a sua reflexão sobre FC x religião. Realmente, muitas coisas registradas na bíblia podem ser relatos de coisas que eles não compreendiam, então usaram elementos do seu próprio cotidiano para descreve aquilo que chamaríamos de naves voando (o arrebatamento de Elias numa carruagem de fogo), trajes espaciais e astronautas, explosões atômicas (Sodoma e Gomorra).

    ResponderExcluir
  6. O melhor é que não importa se eles viajam na velocidade da luz há decadas, todo mundo tem foto dos pais em preto e branco. Como em Battlestar Galactica.

    ResponderExcluir
  7. Adorei o artigo uma vez ja escrevi um sobre ficção cientifica pessimista antigamente a ficção cientifica tinha em seus filmes um fundo de lição de moral como em o planeta dos macacos que era uma critica as armas nucleares e o racismo existe muitos outros exemplo eu citei varios no meu post e ainda teve uma pessoa que leu e disse que a ficção cientifica não era pessimista mais o pessimismo na ficção cientifica não e necessariamente uma coisa ruim ele nos ensina a rever nosso modo de pensar e agir.

    ResponderExcluir