Pesquisar

24 de jul de 2010

Como emagrecer com água aprendendo a diferenciar sede de fome.

Aviso: este artigo te dará uma sede danada!
Há tempos atrás, quando me deparava com mulheres portando garrafinhas de água, chegava a ironizar tal procedimento como se fosse uma forçação de barra contra o organismo. Porém, mesmo tendo conhecido há anos o visionário livro de Louis Kuhne “Cura pela Água”, nunca achei que poderia aplicar algumas das suas máximas na vida diária.


Tudo começou recentemente quando levantei material para publicar o artigo “Terapias curativas alternativas ou bizarras” e encontrei uma sucinta apresentação, que fala justamente sobre a confusão que a nossa percepção costuma fazer entre fome e sede:

Então, através da auto-observação constatei que ao longo do dia, quando vem frequentemente aquele impulso de comer alguma coisinha, na realidade se trata de sede mal interpretada, confundida com fome. Evidentemente todos sabem que o “comer alguma coisinha” significa guloseimas de alto valor calórico, "açucarentas", salgadas e saturadas de gordura, conforme você pode constatar nesta “Galeria das 10 delícias mais gordurosas, adocicadas e hipercalóricas do mundo”.

Mais ainda, descobri que durante anos passei muitas noites em estado de sede, por não a detectar corretamente, por ingerir quaisquer bebidas no lugar de água, ou por pura preguiça, não me levantar para saciar a sede. Hoje, esporadicamente, chego a levantar três vezes durante a noite para beber um copo grande de água e quando me deito novamente, arrependo-me de não ter aprendido antes que a hidratação dá um conforto danado!

O segredo para aumentar a ingestão de água é não forçar o organismo como um ato mecânico, mas aprender a diferenciar sede de fome. Quando você começa a substituir guloseimas por água nos intervalos entre as refeições, o resultado forçosamente é a diminuição das calorias ingeridas e quanto mais este hábito prolongue-se noite à dentro, maiores serão os benefícios em termos de emagrecimento.

É importante esclarecer o que é exatamente a “água” a que me refiro. Trata-se do líquido insípido e inodoro também conhecido como água potável ou água natural, e não água mineral(*), cerveja, chá, sorvete, refrigerante, suco, cachaça, vodca, uísque, vinho, leite, etc. A maioria das pessoas confunde os líquidos embutidos nos alimentos e bebidas com água e o resultado é a obtenção de nenhum déficit calórico.

Porém, sempre há um “porém” nestas questões, a adoção do estilo de vida hidratado requer um programa de reeducação alimentar, ou seja, a pessoa deve adotar uma dieta balanceada e saudável. Ora, mesmo os maiores "comedores de lixo" acham que estão fazendo a melhor coisa do mundo. Então, para conceituar o que é “dieta balanceada e saudável”, me dei à pachorra de escrever os “10 princípios essenciais para uma Dieta Saudável”.

Note que não falei de quantidade de água por dia pois suponho que cada um deve descobrir o tamanho da própria sede, que certamente deve diferir de organismo para organismo. À propósito, um dos hábitos sociais mais danosos para a saúde é a tendência das pessoas não tomarem água por causa dos seus efeitos diuréticos, ou seja, como forma de evitar o desconforto de ir mais vezes ao banheiro. Diante deste dilema, é necessário que a pessoa decida qual é a prioridade da sua qualidade de vida e onde isto deve ficar na sua escala de valores.

Qual é a temperatura correta da água a ser tomada?
Discordo veementemente da recomendação da água gelada. Seus preconizadores afirmam que a menor temperatura do líquido obriga o corpo a queimar calorias para elevá-lo à temperatura do corpo. No entanto, eles ignoram que o nosso sistema digestório necessita de calor para realizar seus processos de reações enzimáticas, o que quer dizer que a cada vez que você dá “um banho de água fria” na complexa usina de força do seu organismo, ele momentaneamente tem que paralisar os seus processos até atingir a temperatura de trabalho. Experimente fazer a mesma coisa com o motor do seu carro funcionando a pleno vapor e depois me conte os resultados! Portanto, a minha recomendação é que a água seja bebida na temperatura ambiente em regiões quentes e tépida nas regiões frias.

Efeitos benéficos da hidratação sobre a saúde humana:
emagrecimento por troca de água no lugar da ingestão de calorias extras, eliminação do inchaço nas pernas, aumento da vitalidade dos cabelos, devolve a memória, combate a dor de cabeça, acaba com o “intestino preso”, revigora a pele, resolve a insônia, combate a depressão, extingue os processos inflamatórios crônicos, etc. Sintetizando todos as vantagens, no momento em que a pessoa aprende a se hidratar, ela descortina uma nova perspectiva de felicidade na vida, pois afinal, somos seres constituídos de 70% de água e à medida que envelhecemos, vamos nos desidratando e mineralizando, podendo chegar a 50%, o que explica a turrice e a renitência dos velhos.

Última dica: sobre o filtro para se conseguir água natural a partir daquela entregue pelo sistema público.
Achei um artigo interessantíssimo sobre o fato de que um dos melhores filtros de água do mundo é fabricado aqui no Brasil. Trata-se do tradicional filtro feito de barro cozido, que opera por gravidade e tem elemento filtrante de cerâmica. Confira aqui:
» O melhor filtro de água do mundo é de barro e é brasileiro!

(*) Por que não água mineral? Simplesmente porque qualquer líquido com excesso de minerais hidrata menos e incorpora no organismo maior quantidade destes elementos do que ele necessita. Os dois extremos são igualmente danosos: de um lado a água destilada, que é inútil para o corpo porque drena seus sais minerais para ser metabolizada – de outro, a água do mar, que justamente por ser riquíssima em sais minerais, acaba drenando água do corpo para ser absorvida. Assim, o resultado de anos e anos de consumo de água mineral é a formação de cálculos renais, biliares e a tendência de desenvolvimento de problemas digestivos crônicos.

A água com balanceamento mineral perfeito para a alimentação é a natural, sendo altamente recomendável que seja isenta de cloro, flúor e contaminação por metais pesados.

18 comentários:

  1. Muitas vezes quando sinto fome vou direto tomar água e a vontade passa imediatamente, só que beber água à temperatura ambiente ou gelada não vai fazer diferença, isso é pura frescura.

    ResponderExcluir
  2. Achei muito interessante! Parabéns!M. Helena

    ResponderExcluir
  3. Henrique,
    a questão da temperatura da água pode ser frescura para um cara parrudo com saúde de touro, mas para quem já tem problemas, aí a porca torce o rabo.

    Maria Helena,
    obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  4. Hehe tens razão, não tinha pensado pelo ponto de vista de alguém que não tem uma saúde de ferro.

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde amigo!
    De fato, a água é importantíssima e disso ninguém duvida...
    Só há um porém que devo observar em seu artigo.
    A isenção de flúor na água não causará problemas, pelo contrário, seria ótimo que a água fosse mesmo isenta desse elemento, porém a isenção de cloro não é recomendável, já que a água "in natura" pode conter cianobactérias e outros muitos micro-organismos patogênicos cuja ação será, na medida de sua periculosidade, muito nociva.
    Em tempo: Sou químico, trabalho exatamente com a área de saneamento público.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Torres, é interessante a água chegar com cloro até à sua torneira, mas doravante ele pode muito bem ser filtrada, devido aos seus efeitos tóxicos e até cancerígenos: http://www.vidaesaude.org/nutricao-saude/porque-o-cloro-e-tao-perigoso.html
    Quando estive na Alemanha, Áustria, e Holanda, constatei que naqueles lugares eles não adicionam cloro à água do abastecimento público. Por que?

    ResponderExcluir
  7. Passo o dia todo sem beber agua, depois deste seu post, ja bebi um copo(rsrs...) Muito Legal, obrigada!

    ResponderExcluir
  8. Reconheço os efeitos cumulativos do Cloro, mas em dosagem superior à recomendada. Só para que se tenha uma idéia, há padrões exigidos na portaria 518 do MS, que dispõe sobre os valores máximos e mínimos aceitáveis de todos os componentes químicos adicionados à água tratada.Nos sistemas em que trabalho, dosamos no máximo 1,8 ppm de cloro na estação de tratamento, que com o consumo natural do cloro na rede de distribuição chega às casas com a concentração em torno de 0,5 ppm.A importância do cloro está em eliminar microorganismos patogênicos, que com sua ação, matariam mais gente anualmente e com isso reduziriam a expectativa de vida populacional(com isso muitos nem chegariam à velhice, onde eventualmente se desenvolvem problemas como o câncer, cuja causa é multifatorial, não dependendo apenas do Cloro). E quanto à sua afirmação da ausência de cloro em águas de países da Europa, devo dizer que desconheço esse fato, mas certamente algum outro agente bactericida deve ser utilizado em seu lugar, e dependendo de sua natureza pode ser tanto quanto, ou até mais nocivo. De qualquer forma, pesquisarei a respeito. Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Olá amigo. Achei sensacional o artigo. E acho importantíssimo não confundirmos sede com fome também. Aproveito para lembrar as pessoas que já estejam eufóricas achando que poderão enganar a fome tomando água com pouca refeição por dia, que o corpo está programado evolutivamente para estocar energia quando acredita que há um período de jejum forçado. Ou seja, ele vai baixar o metabolismo e utilizar mais das calorias recebidas de qualquer coisa que for comida logo após o jejum.

    Beber água e fazer corretamente as refeições é o segredo.

    Abraço, vou acompanhar esse blog.

    ResponderExcluir
  10. Rato,
    interessantíssima a sua ressalva. Por causa da realidade das pessoas tomarem pouca água, não frisei o perigo oposto, ou seja, tomar excesso de água pode provocar no corpo um estado de desmineralização.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, aprendi muito por aqui.
    Conhecia apenas algumas coisas sobre água, realmente, esse lance de confundir fome com sede, já tinha lido e é fato.
    Adorei as dicas.

    ResponderExcluir
  12. Danii,
    a coisa legal que aprendi com a minha própria experiência é que, além de não confundir fome com sede, o nosso corpo "aprende" a sentir sede, ou seja, ele ao longo do tempo abandona a timidez da sensação de sede e passa a enviar sinais claros de que realmente está com sede, ressecando a boca e produzindo pigarro. Notei que hoje estes sintomas são bem mais intensos e ocorrem no máximo umas 2 horas depois de ter ingerido qualquer coisa.

    ResponderExcluir
  13. "A água com balanceamento mineral perfeito para a alimentação é a natural, sendo altamente recomendável que seja isenta de cloro, flúor e contaminação por metais pesados."
    Ava,é mesmo?então vou parar de tomar agua conaminada com mercurio,e expulsar os garimpeiros dos arredores da minha propriedade...

    ResponderExcluir
  14. Olá, Isaias.
    Adorei a matéria, tema super relevante.
    Fazem oito meses que estou regulando minha alimentação, que por sinal já era adequada.
    A diferença desta vez, e para sempre, é a ingesta de água (10copos/dia),que foi decisiva para alcançar benefícios para minha saúde. Até agora já eliminei 11kg(emagrecer não era minha intenção inicial quando consultei médicos), entre outros resultados positivos mas deixo aqui uma sugestão: Consultem sempre um médico! Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Parabéns Sílvia! Também sou um "case" de sucesso desta pequena fórmula. Além do mais, estamos passando as festas de fim de ano a água e líquidos nutritivos. Como normalmente as pessoas engordam no mínimo uns 5 quilos nesta época caótica de ceias e festas sem fim, resolvemos nadar contra a corrente. Agora só falta escaparmos do ano novo para ganharmos o diploma de monges anacoretas.

    ResponderExcluir
  16. Eu não poderia usar esse truque de beber água quando estiver com fome. Não sei por que, se eu bebo água estando com fome, me sinto mal, me dói a barriga, o estômago, e fica pior do que estava.

    ResponderExcluir
  17. Eu sou praticamente um camelo, nunca bebo água...Preciso começar a tomar água diariamente, e não 2 vezes por semana...

    ResponderExcluir
  18. "o estômago tem a função de igualar a temperatura dos alimentos e formar o bolo alimentar.
    Tanto faz a temperatura, pois o estômago vai fazer este papel. É bem verdade que alimentos mais mornos do que frios FACILITAM A DIGESTÃO."

    Fonte
    http://blog.maisnutricao.com.br/2008/09/16/frutas-verdades-e-mentiras/

    ResponderExcluir