Pesquisar

2 de abr de 2009

Há 10 anos a Matrix chegava ao deserto do real.

Uma das frases mais famosas do cinema que até hoje repica nas nossas mentes é: “bem-vindo ao deserto do real”.

No dia 31/03/2009 o filme Matrix completou 10 anos de aniversário.
Normalmente o cinema e o teatro bebem no veio literário para dar vida aos seus personagens. No entanto, pela primeira vez na história um roteiro de um filme nasce totalmente autônomo de qualquer peça literária – ele mesmo se tornou uma peça literária capa de original um livro, coisa que não ocorreu e, se tivesse ocorrido, talvez houvesse amealhado uma parte do sucesso do filme.

Como uma obra tão hermética obteve tanto sucesso? Um thriller que mistura Kung-Fu, faroeste, filosofia oriental, games e elementos de cyberpunk tinha tudo para fracassar rotundamente, que seria um prêmio justo por não repisar a ortodoxia explorada pelos filmes que alcançaram sucesso até 1999. Talvez justamente o ineditismo da proposta de Matrix tenha sido a sua maior força e o motivo de ter arrastado multidões aos cinemas... apesar de até hoje a maioria dos espectadores não terem decodificado as subtilidades embutidas no enredo.

1999 –Caleidoscópio filosófico.
O insólito mix de realidade virtual, cibernética, inteligência artificial, infovias, universos paralelos e deformações do espaço/tempo só é real atualmente quando se concretizou a Second Life, games de última geração e redes sociais. Hoje compreendemos a Matrix e nos sentimos dentro dela.

2000 – As chaves da simbologia.
Os irmãos Andy e Larry Wachowski não escondem que usaram elementos da filosofia oriental para cimentar a sua distopia. É só procurar que lá estão os códigos do bhagavad gita, zoroastro, tarô, etc. O não domínio destes códigos reduz o filme a um Kung-fu de ficção científica.

2001 – O Um.
O “The One” do filme, traduzido para o português como “O Escolhido” é o messias que não pode faltar a nenhuma jornada de auto-realização. Os irmãos Wachowski, mais uma vez fiéis à sua intenção de atualizar as cosmogenias antigas à linguagem moderna, resgataram a figura do Messias, Cristo, Quetzalcóatl. Porém, ao invés das esvoaçantes túnicas brancas de milhares de anos atrás, vestiu o iniciado com a famosa capa preta digna de um legítimo herói Pop contemporâneo.

2002 – A realidade é a ilusão.
As formas do mundo sensível são ilusórias e o real é feito de bits. Eis uma reinterpretação tributária à dualística Budista de Maya (ilusão) versus real.

2003 – O Oráculo.
Dentro da máquina habita a contradição: se o mecanicismo dominar totalmente, não haverá espaço para a renovação e se a revolução imperar, somente haverá o caos. A simpática velhinha que encarna o Oráculo é resolução deste dilema, ou seja, o tempero insólito implantado na uniformidade do determinismo com o objetivo de dar alguma chance à renovação. A verdadeira natureza do Oráculo só será revelada ao longo dos dois filmes finais da trilogia.

2004 – O sistema.
Neo leva duas vidas distintas, uma idônea num emprego idôneo e uma outra de criminosos cibernético. O sistema tolerou as suas peripécias no submundo do crime até ele se tornar uma ameaça, quando os agentes decidem implantar um chip de rastreamento. O sistema na Matrix é o controle, a vigilância, é a analogia do conceito implantado hoje em dia da “liberdade eletronicamente vigiada”. Visionariamente os roteiristas, ao revisitar a visão do Big Brother do livro de George Orwell “1984”, profeticamente anteviram o nosso tempo cheio de câmeras e lentes espiãs instaladas em satélites.

2005 – A inteligência da máquina.
O Golem proposto na Matrix é o de uma inteligência que se apossa da máquina e domina o criador. A conflituosa relação criador/criatura é recorrente na FC, plasmada na famosa criação do Dr. Frankstein. Assim, na distopia construída no roteiro de Matrix a inteligência extra-humana é brutalmente opressora. Pode-se depreender um reducionismo conceitual que confina necessariamente qualquer manifestação de inteligência extra-humana ao reino do mal.

2006 – Morpheu.
A Matrix retrata a história do Iniciado, Neo (neófito) ao longo de uma trajetória de auto-conhecimento. Ora, todo o iniciado necessita de um mestre que acredite, descubra e treine. O papel de Morpheu (na mitologia o Deus do Sono) resgatar o neófito do adormecimento. Na linguagem cinematográfica, o personagem Morpheus entrega a Neo as duas pílulas que representam o despertar, ou a aceitação definitiva do sonho. Todavia, mesmo depois do despertar, o Iniciado continua precisando do mestre para lhe indicar o caminho.

2007 – A iluminação.
Na dualidade budista ilusão/realidade, aquele que atinge a iluminação não sonha mais. O iluminado vive no mundo, mas não para o mundo. Ele se alija da roda do sofrimento e assume o controle do próprio destino. A grande narrativa escrita pela humanidade é a jornada do auto-conhecimento sob as diferentes formas, desde livros sagrados às mitologias dos heróis. O destino de Neo é a Iluminação que acontece somente no final do 3º filme, quando ele renuncia peremptoriamente ao próprio Eu e morre/renasce numa nova realidade.

2008 – O Computador.
O roteiro de Matrix trabalhou com o pressuposto mecanicista e determinista sistematizado pelo grande filósofo moderno René Descartes. O computador gerador da Matrix é máquina e natureza, ele encarna tudo que está aí e subjacente as miríades de prédios, ruas e cidades, há a realidade imperceptível. Contrariando o sistema cartesiano em que a realidade se confunde com o mecanismo de relojoaria, a Matrix trabalha com o conceito dualístico da possibilidade da realidade existir somente fora da máquina.

2009 – O Universo e a Matrix.
O universo é dualístico: no mundo da mente vivem os adormecidos, pessoas que acordam, tomam café e vão para os seus trabalhos, comem e voltam para casa, jantam, assistem TV e dormem novamente e no dia seguinte repetem a mesma sanha, durante a vida inteira. Até que se aposentam e morrem sem nunca ter se dado conta da função de tudo aquilo.

A Matrix não é o Universo, ela faz parte do universo e o filme, fiel a tradição budista, situa o plano da Matrix na mente, no mundo dos desejos e dos apegos. A grande mensagem propalada por este Hit da era da informação é que os humanos estão adormecidos e não se dão conta disto, já que as suas almas estão presas em casulos.

Referências:
Sedentário & Hiperativo. Yesod - Bem-vindo ao Deserto do Real.
As polêmicas "verdades" de Matrix.

12 comentários:

  1. "You take the blue pill, the story ends, you wake up in your bed, and believe whatever you want to believe. You take the red pill, you stay in Wonderland, and I show you just how deep the rabbit hole goes."

    O filme foi uma marco no cinema!
    E pode-se tirar várias teorias filosóficas dele.

    Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  2. Tenho que discordar quantoa a parte que o conceito não se baseou em obras anteriores.

    Os próprios Irmãos Whatthefuckoisky(nem lembro agora) falaram pro Keanu Reves ler NEUROMANCER, e se alguém ler aqui, vcs iram ver que já metade do filme. Já existia a "matrix", o Neo, Trinity, Zion....

    ResponderExcluir
  3. Eu não afirmei que o conceito não tenha se baseado em obras anteriores, só que o script do filme surpreendentemente não se originou de um só livro. Por exemplo, não é o caso de Harry Potter, Um bonde chamado desejo, Senhor dos Anéis, etc.

    ResponderExcluir
  4. Você afirmou sim: "Talvez justamente o ineditismo da proposta de Matrix".
    Neuromancer, como citado pelo outro anônimo, é um das influências.
    Mas outras são tamém muito claras: Johnny Mnemonic, A Fúria do Dragão (referência para várias cenas, inclusive Bullet Time), além dalinguagem mangá, só pra citar as mais óbvias. MATRIX não é novo nem em fórmula nem em conteúdo. O que há de novo é a fantástica mistura produzidaspelos Irmãos Whacthoskoliskivisksisk.
    O texto do post é demasiaso divagador e fantasioso (pra não dizer falacioso) e se arrasta, arrasta, arrasta...
    Não gostei do que li - e só li a metade.

    ResponderExcluir
  5. O Ponto pricipal do filme você não falou.
    A explicação da variação na "equação do sistema" que tanto intrigava as maquinas quanto ao agente smith. Neo era paranormal, isso o permitia se comunicar com as maquinas atravéz da mente. Mas as maquinas não conseguiam entender esse poder, por isso chamavam de "anomalia".

    ResponderExcluir
  6. a expressao de "desert of the real" vem do filósofo Baudrillard em seu livro (q aparece no filme) Simulaçao e Simulacro. Esse é o mesmo cara que escreveu em um livro na decada de 70 sobre a simbologia capitalista das torres gemeas. e até sugeriu a derrubada delas como simbolo anti-capitalista.

    ResponderExcluir
  7. Muito boa a referência ao simulacro, os diretores dão destaque ao livro no filme.
    Àqueles que criticam o post por não abranger outros pontos de vista, incito-os a escreverem a própria versão, já que cabem muitas, senão infinitas.

    ResponderExcluir
  8. Ando estudando o budismo e vinha pensando exatamente o quanto esse pensamento se encaixa na triologia. Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  9. varios filmes nao sao baseados em livros esse nao é o primeiro(voce so esta vendo o lado dos filmes gringos)mas é o fato que a maioria de todos os filmes do mundo tem influença(a)dos filmes, porem o starwars é tao original quanto matrix mas ao mesmo tempo nao é porque tambem é todo bazeado em mitologias chinezas, medievais europeias e e.t.c , concluindo nao existe originalidade só a renovação dos conceitos que nos cerkam......fui(foda-se do matrix, nao gostei preferi mil vezes mais o '' v de vingança''

    ResponderExcluir
  10. Gosto não se discute, comprei o V de Vingança e fui correndo devolver a coisa, pena que o sujeito não aceitou de volta e tive que trocá-lo badulaques num brique.

    ResponderExcluir
  11. alguem traduz pra mim?

    1001100101110000011011110111001001110010011000010010000001110110011000110010000001100100011001010111011001100101001000000111010001100101011100100010000001110011011001010010000001101100011000010111001101100011011000010110010001101111001000000111000001100001011100100110000100100000011101000111001001100001011001000111010101111010011010010111001000100000011001010111001101110011011000010000101001101101011001010111001001100100011000010010000001110000011000010111001001100001001000000110010001100101011100110110001101101111011000100111001001101001011100100010000001101111001000000111000100100000011001010111001001100001001000000000101001110100011101010010000011101001001000000111010101101101001000000111010001110010011011110111010101111000011000010010000001101101011001010111001101101101011011110000101001100010011011110110110001110101011001000110111100100000011001000110010100100000011011010110100101100101011100100110010001100001001000000010000000100000

    ResponderExcluir
  12. Esse filme foi uma revolução. Pena que depois o $$ entrou na história e aconteceu o que aconteceu com Matrix 2 e 3... :/
    Ótimo post!
    Jade

    ResponderExcluir