Pesquisar

20 de nov de 2009

Sistema Operacional do Google leva o seu computador às nuvens.

Depois de vários golpes desferidos pela Microsoft contra o Google, eis que o gigante revida com a antecipação do anúncio de lançamento para 2010 da sua versão de Sistema Operacional, baseado em Linux e de código aberto. Um detalhe dos novos tempos é que o Browser Chrome será a única estrela da festa.

O Windows e o Office (que custam chegam a custar 60% do preço do computador), Browser e aplicativos são coisas com a cara de anos 90, justamente quando o Google dava os seus primeiros passos. De lá para cá muita coisa mudou. Hoje, a maioria dos usuários com acesso à banda larga dispende mais 90% do tempo de uso de computador com o Browser.

Então o Google ladinamente inverte a lógica, já que as pessoas usam basicamente o Browser, porque não transformá-lo em Sistema Operacional? Porém, para a infelicidade dos puristas, o SO do Google elimina radicalmente o processamento local. Isto significa que se você não estiver conectado à WEB, o seu computador simplesmente não funcionará, o que cá para nós, tal fato já é uma realidade.

Por que o Chrome OS é de graça?
Nada é de graça neste mundo de Deus! O Google não se tornou uma empresa de 100 bilhões de dólares perfazendo atividades filantrópicas. Na realidade, a grande sacada do gigante da Internet foi ter descoberto o ovo de colombo dos serviços. Ele investiu pesadamente em estrutura de hospedagens armazenando blogs, documentos, emails, vídeos, fotos, mensagens, etc., e fatura indiretamente com o volume de tráfego e com o interesse das empresas em anunciar para um imenso público qualificado de milhões de consumidores.

O sucesso da aposta significará que os usuários preferem fazer tudo online: edição de fotos e vídeos, redação de documentos, edição de blogs, gerenciamento de emails, montagem de planilhas e bancos de dados. O email foi o primeiro a ir para as nuvens e aos poucos as coisas estão escapando do controle dos computadores das pessoas e indo parar nos servidores dos prestadores de serviço.

Vídeo explicativo do Chrome SO, legendado em espanhol.

O Google não entende porque devemos pagar para a Microsoft algo que ela deveria nos fornecer de “graça” em troca do nosso tempo de exposição aos produtos dos seus anunciantes. Espero que, depois do Chrome OS, tais espertinhos não continuem nos empurrando produtos, que na realidade são serviços, para complicar a nossa vida com problemas de segurança, atualizações críticas, trocas de sistema, lerdeza para ligar o computador, vírus, etc.

E agora? Chupa Microsoft!

Referência: Google anuncia sistema operacional Chrome OS com código aberto [Infosfera].

9 comentários:

  1. Por outro lado, a "nuvem" ainda é um meio instável, o que talvez seja mesmo parte da metáfora. Mas além da confiança, de que adianta um sistema operacional voltado para a utilização online intensiva se o usuário não estará sempre conectado à internet? Aliás, qual é, realmente, o atrativo de um sistema operacional "nas nuvens" num país onde o serviço de internet banda larga é odiado indiscriminadamente?

    O Chrome tem seu lugar, mas não é como líder, ainda. Quando nossa civilização inevitavelmente liberar a conexão como commodity, e não serviço preso às garras de poucas operadoras, possivelmente como uma grande rede Wi-Fi de alcance mundial, aí sim, o Chrome OS terá sua chance de crescer horrores. Mas o quanto será, isso eu vou deixar de incógnita...

    ResponderExcluir
  2. O engraçado Bruno, é que 3 anos depois de ter instalado a banda larga por DSL não consigo mais usar o computador em "Batch". Se por algum motivo cai a conexão babaus, vou cantar em outra freguesia. Por isso acho que se o Google jogar toda a sua força em cima dos fabricantes e eles começarem a inundar o mercado de netbooks e outros hardwares anoréxicos já com o Chrome pré instalado, a coisa vai pegar como fogo em palha seca.
    A Microsoft usou essa estratégia (do atrelamento) com o Internet Explorer 6 e até hoje tem milhares de usuários usando esta coisa.

    ResponderExcluir
  3. E eu, por outro lado, sempre tenho algo a fazer offline quando tenho de passar o fim de semana na casa de meus pais, tendo que escolher entre off-line e um modem 3G que mal chega a 256Kbps(quase inútil nessa Web 2.0 cheia de frescurinhas em AJAX e Flash)... Acho que sou antiquado, mas tem sempre algo que pode ser feito offline. =P

    De qualquer forma, o "negócio" do Chrome com certeza será o "atrelamento" em netbooks, mas nem netbooks se salvam de ficar sem conexão e, por mais que eu passe horas e horas online em casa, um computador que não funcione offline pra mim não cola, por ora. Acho que nesse caso um smartphone seria até melhor. ;D

    ResponderExcluir
  4. Se o Chrome é baseado em Linux, mesmo que seu enfoque seja a "nuvem", nada impede que se amplie este horizonte. Código aberto é pra isso mesmo. Eu sou capaz de apostar que 24 horas após o lançamento oficial, já vai ter gente com este problema resolvido. Inclusive rodando programas nativos para Windows usando o Wine.

    De minha parte, estou ansioso para colocar as mãos no Chrome.

    http://www.velivre.com.br

    ResponderExcluir
  5. Por outro lado...
    Tive que instalar no meu note velho uma máquina virtual do Windows 98 para conseguir utilizar alguns CDs didáticos, maravilhosos que não rodam em nada acima disso.
    Especialmente necessito de um CD de Bioquímica que possui animações fantásticas. Ele veio na primeira edição do livro do Voet, voet e Pratt de 2000, já a segunda edição de 2008 não vem com CD.
    Com outros CDs ocorre o mesmo. A Educação é uma espécie de NASA só trabalha com computadores antigos. Um programa maravilhoso para trabalhar com cores a partir da luz ou dos pigmentos de 1998 utiliza o DOS e esse não tem mesmo jeito, virou um fóssil num disquete, apesar de maravilhoso.
    Assim, enquanto alguns pensam em chegar às nuvens outros não conseguem deixar as cavernas!

    ResponderExcluir
  6. O que acontece é que a Google vai ganhar mais dinheiro cada vez que mais pessoas aderirem aos serviços online. Por esse motivo ela prega que não devemos ter nada nos nossos computadores e sim em servidores remotos.
    Mas quem me garante que meus arquivos vão estar a salvo em um servidor remoto?
    No meu ponto de vista é uma grande jogada da Google pra fazer tanto dinheiro quanto a Microsoft.
    Porque no fim o que importa são as verdinhas ;)

    ResponderExcluir
  7. Na Internet o Google é o Leão e a Microsoft o ratinho, portanto, qualquer tentativa do Bill Gates de abocanhar a rede encontrará firme oposição da trinca Larry Page, Sergey Brin e Eric Schmidt.

    ResponderExcluir
  8. Gente, achei muito bem vinda essa discussão.

    Concordo com o Bruno e também com o Isaias. Eu sou um "viciado" por Internet. Tenho empresa de informática e recentemente agreguei Lan House com link de 8MB e tbm wireless para terceiros. Dependo da Internet. Acho que o Google tá dando uma dentro. Sim Bruno, é verdade que alguns cabeças preferem deixar o povo sem recursos de Internet, mas ainda haverá milhares que se beneficiarão com a "nuvem" e isso será um novo começo para outras idéias que acredito que o Google já tem prontinho pra lançar.

    Caso amigos queiram compartilhar direto comigo informações, trocar idéias, apoio, amizade, etc, segue meu e-mail: dirceujs@gmail.com

    Isaias, seu blog é tudo de bom. abs. Dirceu JS - Estância Velha - RS

    ResponderExcluir
  9. Dirceu, é inevitável que todo o usuário, depois que entra na broadband, já fica viciado em nuvem.

    ResponderExcluir