Pesquisar

6 de out de 2010

10 maiores vilões da história da humanidade.

George W. Bush.
Os personagens aqui retratados não são criminosos no sentido estrito, mas encarnam a figura estereotipada do vilão. Não necessariamente uma pessoa considerada vilã é criminosa, assim como a maioria dos criminosos não pode ser enquadrada no time dos vilões. Logo, o que define o arquétipo do vilão tradicional é o tipo de reação que a sua imagem causa no meio social, cuja vilania é medida pela capacidade de provocar rejeição além fronteiras. Logo, os vilões aqui retratados possuem dimensão histórica e global.

1) Átila.
Ele foi considerado o “flagelo de Deus” por ter feito tremer as bases do Império Romano, cuja capital Roma chegou a sitiar. Ainda hoje, o Rei dos Hunos é lembrado como um paradigma inalcançável de crueldade e rapina.

2) Júlio César, Diocleciano, Omar.
O maior crime cultural contra a humanidade foi representado pela destruição da grande biblioteca de Alexandria, “modestamente” conduzida por estes três senhores, segundo registros históricos muito esparsos e pouco conviventes.


3) Napoleão Bonaparte.
Apesar de ser considerado ambiguamente herói e bandido, suas guerras, invasões e mortes perpetrados em todo o mundo civilizado da época são motivos suficientemente fortes para lhe assegurar um lugar nesta lista. Alguns creem que ele é um dos três anti-cristos profetizados por Nostradamus nas suas centúrias.
Napoleon
4) Adolf Hitler.
A grande vilão hors concours da história da humanidade adquiriu o seu posto de supremacia graças aos milhões de russos, poloneses, judeus, africanos, europeus e americanos mortos pelo regime nazista. Nenhum outro déspota se rivaliza a ele em termos de genocídio, exceto Mao Tse-tung e Stalin, como veremos abaixo, que só não são considerados maiores por não terem assassinado seis milhões de judeus.


5) Josef Stalin.
Além de ter sido o responsável pela morte de milhões de cidadãos soviéticos, Stalin foi o déspota que promoveu a maior remoção territorial de povos da história da humanidade, tendo varrido do mapa etnias inteiras. Graças ao seu trabalho incansável de aniquilação dos antagonistas do regime e consequente remoção para a Sibéria soviético, neste vasto território congelado se estabeleceram várias cidades, formadas a partir dos antigos Gulags, como eram denominados os campos de deportados políticos.
Stalin
6) Mao Tse-tung.
Os expurgos políticos, as execuções e a grande fome causada durante a Revolução Cultural colocaram no débito do grande ditador chinês a impressionante cifra de 50 a 70 milhões de mortos, o que o deixa certamente como um rival à altura de Adolf Hitler.
Mao Tse-tung
Foto [chinaSMACK]
7) Dinastia Bush.
Bush-pai e Bush-filho empenharam todas as suas fichas nas duas Guerras do Golfo, que renderam à humanidade centenas de milhares de mortos. Como eles foram os vencedores, não figuram na relação mundial de vilões contra a humanidade. Descubra no vídeo abaixo porque os EUA podem invadir impunemente qualquer país no mundo, sem que seus cidadãos se aflijam por isto.

8) Carol Bartz (arqui-vilã segundo um olhar Nerd).
Não bastou ter ocorrido o maior crime cultural da história da humanidade representado pela destruição da Biblioteca de Alexandria, pois o mundo assistiu estarrecido no ano de 2009 uma nova queima de informações preciosas. Desta vez foi a deleção da imensa fonte de conhecimentos armazenada durante 15 anos no Geocities do Yahoo. A responsável pelo segundo incêndio da Biblioteca de Alexandria, desta vez em formato digital, foi Carol Bartz a CEO do Yahoo.
Contra a argumentação de que os proprietários do conteúdo poderiam ter migrado para outros sítios de hospedagem, há o fato de que muitos deles morreram, outros perderam as senhas e outros se esqueceram do material lá deixado desde 1994. Ou seja, milhões de páginas criadas na idade da chamada WEB 1.0 simplesmente se esfumaçaram em nome de interesses financeiros.
Para entender a extensão do crime contra a WEB leia este artigo e aprenda a diferenciar WWW de Internet:
Assassinou o Geocities
9) Bill Gates.
Não há teoria conspiratória que não coloque o inventor da Microsoft e do Sistema Operacional mais famoso do mundo na berlinda dos grandes vilões odiados salve, salve! Acostume-se com a ideia, os vencedores sempre são vistos como vilões. Com o crescente débâcle da Microsoft, vitimada pela emergência dos dispositivos computacionais móveis, o mundo está a cata de um vilão substituto à altura. Quem se candidata?
Bill Gates
10) Mark Zuckerberg.
Tudo o que você precisa saber para eleger o criador do Facebook como mocinho ou vilão, estará no filme “Rede Social” recém lançando nos Estados Unidos. Ademais, qualquer um que crie uma Rede Social com meio bilhão de usuários, é automaticamente cotejado para integrar qualquer galeria de vilões. Enquanto o filme não é lançado aqui, conheça a rude personalidade Nerd de Mark no texto linkado abaixo.

25 comentários:

  1. Gostei de ver o item número 8. Realmente ela pode ser considerada uma das maiores vilãs.

    Foram 15 anos de conteúdos, trabalhos, histórias e provavelmente uma geração de pessoas que começaram no ramo da web por lá. Eu tinha historias nesse geocities. Tudo que eu sei relacionado à html eu comecei por ali.

    Lembro de meus 9 anos tentando montar um website naquele construtor de sites... Hehe

    Esses dias eu estava procurando um host bom de sites extremamente simples. Lembrei do Geocities na hora... Ai eu me lembrei com pesar que não existe mais.

    Infelizmente tinham coisas nas páginas do Geocities que eu não acho mais em lugar nenhum.

    Muito triste.

    ResponderExcluir
  2. Youko
    infelizmente o Yahoo deu o pontapé inicial no sentido da extinção da WEB, já que ela não é a mesma coisa que Internet.
    Leia este interessantíssimo artigo que me lembrei agora, amanhã vou linka-lo no texto:
    A WEB está morrendo.
    http://idgnow.uol.com.br/internet/2010/08/18/artigo-a-web-esta-morrendo/

    ResponderExcluir
  3. No final é sempre a busca desenfreada por riquezas. Isso vai acabar com a humanidade...

    ResponderExcluir
  4. Para mim o mal em pessoa se chama Adolph Hitler. Esse eu desprezo mesmo! Mais os que destroem informações tambem são vilões de marca maior!

    Beijos ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E pra mim são os Judeus, vê que gozado né!!

      Excluir
  5. Somos educados a tomar Hitler como vilão e ver os americanos como mocinhos, mas os genocídios não foram abolidos depois do III Reich.

    ResponderExcluir
  6. Olá, adorei o post, mas uma pessoa que merecia um lugar VIP na lista dos 10 maiores vilões da humanidade, assim como Hitler, Mao Tse-Tung, Napoleão é Idi Amim Dada

    ResponderExcluir
  7. Thiago,
    na realidade falta muita gente nesta lista, entre eles, vários ditadores africanos tais como Moubuto Seseco, porém, considero que os seus danos ficaram mais restritos à mãe África.

    ResponderExcluir
  8. O grande vilão da humanidade é o dinheiro.
    Simplesmente a busca por esse pedaço de papel tira a vida de milhões de pessoas sem dó nem piedade.

    O mundo todo gira em torno disso. Hoje em dia somos escravos de valores antigos, valores esses que deveriam ser destruídos.

    ResponderExcluir
  9. Kijimoro,
    é preciso generalizar a causa da desgraça humana: cobiça. Ao longo dos tempos o que tem dominado o coração dos tiranos é a cobiça por terras, mercadorias, bens, domínio de pessoas e modernamente o dinheiro.
    A civilização sofreu vários ciclos, desde o agrário, passando pelo mercantilista, até redundar na grande teia do sistema financeiro mundial e em todos eles a cobiça foi a mola mestra das guerras e a responsável pelo erguimento das tiranias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o homem criou fronteiras,e domina o proprio homem

      Excluir
  10. O que seria "registros históricos muito esparsos e pouco conviventes."???????????

    ResponderExcluir
  11. Paula,
    conforme você pode ser no link para o artigo sobre a Biblioteca de Alexandria, se torna difícil apontar UM responsável pela destruição do maior repositório de conhecimento da antiguidade. O que sabemos é que a sua destruição resultou de vários desmandos e interesses mesquinhos, todos eles na base do "saber é poder". Então, se o tirano controla o conhecimento, tem mais chances de manter o poder.
    Vide casos atuais de cerceamento da internet por chineses, coreanos, iranianos e todo um naipe de povos não acostumados a conviver com a explosão de liberdade de expressão representada pela Internet.

    ResponderExcluir
  12. na boa cara, acho que os numeros "9" e "10" não tem nada de vilões, o fato da microsoft querer ganhar dinheiro pelos softwares que produz nao da o titulo de vilão ao bill, e criador do facebook? o que tem a ver? o restante esta ótimo.

    ResponderExcluir
  13. acho que o feito de hitler foi em "combate" logo se na guerra vale tudo, ele não estava tão errado, os "aliados" mataram muitos alemães, japoneses e italianos na guerra, muitos pais de familia ou filhos que lutavam obrigados como todos que para a guerra foram, não sei até que ponto podemos definir um vilão dentro de uma guerra...

    ResponderExcluir
  14. Um esclarecimento sobre os números 9 e 10. O texto trata de vilão e não de bandidos ou criminosos, mas a forma como as pessoas interpretam determinadas celebridades. Neste contexto, por muito tempo o Bill Gates foi tido como um grande vilão e acho que a fama se justifica até hoje, pois a sua empresa está tentando minar os esforços do software livre no campo da telefonia celular via processos judiciais, tudo para encarecer um produto que é entregue de graça às indústrias de smartphones. Se não é vilão, anjo ele nunca será.

    ResponderExcluir
  15. estão esquecendo do famoso DUQUE DE CAXIAS!!! esse matava sua própria gente... o que a história não conta...

    ResponderExcluir
  16. Hehehe, bem lembrado o Duque de Caxias foi brabo, acabou com a gayuchada que ficou brigando entre eles em meio à Revolução dos Farrapos, numa verdadeira contenda de vedetes para saber quem seria o maioral na República do Piratini.

    ResponderExcluir
  17. No contexto, uma reflexão actual.

    Mais ou menos há cinco anos, um cartoon onde Maomé aparecia com um turbante em forma de bomba foi o suficiente para o autor da obra ser condenado à morte pelos fundamentalistas que tantos adeptos têm na Europa.

    Desde então, Kurt Westergaard vive rodeado de seguranças para onde quer que vá.
    Na semana passada esteve em Portugal e deu uma entrevista muito interessante, retive uma afirmação assaz, que me obrigou a reflectir.

    «Sou tão velho que já experienciei o nazismo, o fascismo, o comunismo e agora este maldito islamismo. Todos estes ismos traduzem fanatismo e, quando se é fanático, vive-se uma vida sem dúvida. Ora, eu penso que a dúvida é o sentimento mais construtivo que nós podemos ter».

    Há algum problema com muçulmanos, hindus, judeus, arianos ou de outras raças ou crenças que respeitem as normas do país onde estão inseridos?
    Parece-me que não. As diferentes culturas só enriquecem os países que as acolhem. Mas o grande drama são os fundamentalistas que se infiltram na Europa e vão espalhando as boas práticas pelos seus discípulos, que transformam os subúrbios das grandes cidades em autênticos guetos, que servem, muitas vezes, de rampa de lançamento para acções terroristas.

    Sinceramente acredito que com o diálogo os europeus vão conseguir transformar o islamismo clássico num islamismo light.

    Para já, os fundamentalistas ganham terreno e estão a provocar uma subida ao poder na Europa dos partidos de extrema-direita. O que como se sabe não augura nada de bom.

    A Europa e os países ditos civilizados só podem acolher aqueles que querem e podem ser integrados.

    Respeitando os costumes vigentes, para que os seus também sejam respeitados. Para que o medo não se instale e os radicais assumam esta guerra cultural como uma guerra religiosa. Até porque a grande maioria dos europeus e dos muçulmanos só querem estar na paz do Senhor.

    Seja ele Jesus Cristo ou Maomé.

    ResponderExcluir
  18. Mario,
    por meu turno acho que este dinamarquês, ou qualquer outro, não tem direito de atacar os fundamentos do islamismo. Assim como sou contrário contra a ação perpetrada por um bispo evangélico no Brasil em 1995, ele simplesmente chutou e destruiu a Nossa Senhora Aparecida, em pleno programa de TV. http://pt.wikipedia.org/wiki/Chute_na_santa
    Intolerância religiosa é crime, que deveria ser punido em qualquer lugar do mundo. Os crápulas que confeccionaram as caricaturas de Maomé deveriam ter sido punidos pelo crime de intolerância religiosa. Infelizmente, eles são salvaguardados e protegidos sob o manto da leniência dos Estados europeus.

    ResponderExcluir
  19. Isaias

    Subscrevo na íntegra. Também eu partilho da sua visão.

    Não sabia que tinha existido esse comportamento no Brasil.

    Porém temos que convir que a afirmação dele dá que pensar.

    Encerra uma grande verdade.

    ResponderExcluir
  20. De volta ao tema.

    Como já escrevi, desconhecia o caso do “Chute na santa” apesar de ter acontecido em 1995 o acontecimento não foi difundido na comunicação social em Portugal, ou se foi,não lhe foi dado um grande relevo, senão tinha-me apercebido.
    A explicação que encontro para o facto, é que talvez por razões certamente históricas e culturais raramente se encontram críticas ao que se passa no Brasil ao contrário do que é usual sobre outros países.
    Porém, não é demais realçar a grande diferença entre os “Mundos Ocidentais e os Islâmicos”. Enquanto que no Brasil ele foi julgado, condenado, o Bispo Eder Macedo veio a terreiro “onde pedia desculpas pelos actos e qualificava a atitude de Von Helde de "impensada, insensata, inconsequente e desastrosa".
    Foi muito significativo e louvável apesar de na prática, o resultado final não ter tido um desfecho justo. Mas, a grande diferença a que aludi é simples “ Não foi condenado à pena de morte”.
    Na qualidade de ser humano, os ocidentais não o perseguiram nem o perseguem e a sua vida não corre nenhum risco. Até o Papa João Paulo II adoptou uma atitude de conciliação.

    Estas atitudes fazem toda a diferença.

    PS.No empolgamento do tema, não salientei (já conhecia) a destruição da grande biblioteca. Não significa que todos os outros não sejam condenáveis.
    Mas este é para mim o expoente máximo do obscurantismo.

    ResponderExcluir
  21. Cadê o criador da música sertaneja?? Grande omissão.

    ResponderExcluir
  22. Juancho, uma séria omissão com certeza, rsrsrs.

    ResponderExcluir
  23. E o Gengis Khan? E o alexandre? Se fossem contar as mortes que estes teriam feito com suas conquistas, sem contar a crueldade... Acredito que alguns desses que você citou iam ficar 'no chinelo'.

    Mas parabéns pelo post, forte abraço!

    ResponderExcluir