Pesquisar

23 de ago de 2009

Pequena crônica dos Automóveis bizarros de 8 rodas.

Não foi somente a Fórmula 1 que nos brindou com o surreal carro de 6 rodas Tyrrel P-34 de 1975, já que esporadicamente surgem outros modelos mais bizarros ainda, de encher os olhos e esvaziar os bolsos. Estou falando de automóveis de 8 rodas que a princípio não teriam outra justificativa, senão a de multiplicar os custos de manutenção com pneus, rodas e suspensão.

Assim, no mundo real você apelaria para uma tunagem de 8 rodas porque quer fazer bonito na balada com a sua pickup estilo extreme tuning?
Pickup tunada

Ou você quer transformaria seu jipe Hummer H2 numa super limusine como esta?
Hummer H2 de 3 rodas

Todavia, a história automobilística apresentou exemplos menos egocêntricos de carros de 8 rodas.

“Off-Road” alemão de 1936.
As estradas de 1936 não eram lá estas coisas, portanto, este carro prometia andar em terrenos tão ruins, que até Deus duvidava.
Off-road alemão de 1936

Nos anos 2000 entrou com toda a força a era do ecologicamente correto e com ela vieram os esforços para viabilizar carros totalmente elétricos. Porém, surgiu um problema: os motores elétricos de então não tinham potência suficiente para que apenas um propulsionasse o veículo. A solução foi o uso de vários motores elétricos que somados forneceriam o empuxo necessário. Com isto, voltou à baila o velho calhambeque de 1936, desta vez por motivos muito diferentes daqueles tempos, já que a preocupação não era mais afundar na areia.

I.D.E.A Kaz -2001.
Esta incrível limusine-conceito elétrica tinha uma grande preocupação, manter a dirigibilidade e para isto, 6 rodas são utilizadas para o veículo conseguir fazer curvas. Cada roda tem o seu próprio motor elétrico independente e, certamente com essa cara de cruz credo, o I.D.E.A não foi um sucesso de mercado.
Idea Kaz

Eliica – 2004
Uma certa lenda reza que o pessoal da universidade não é muito prático...
Desenvolvido em 2004 por uma equipe da Universidade Keio do Japão e lançado no Salão do Automóvel de Tóquio de 2005, este carro, possivelmente um dos candidatos ao título de automóvel mais feio da história, é totalmente elétrico e a quantidade de rodas se justifica porque cada uma delas é tracionada por um motor elétrico próprio. Impressionantemente, este trambolho consegue atingir de 370 Km/h e pode chegar à velocidade máxima de 400 Km/h.
Eliica elétrico Japão

Conclusão.
Logicamente que não há motivo ecológico suficientemente forte para justificar a poluição causada pela adição de quatro pneus a mais por veículo. Se ainda não há destinação convincente para a atual quantidade de pneus descartados, imagine o caos que haveria se o número fosse duplicado! Ademais, os custos de manutenção dos carros teriam uma elevação intolerável. Portanto, a grande luta da indústria deveria ser no sentido de reduzir o número de rodas, já que três rodas seriam suficientes para equipar um carro pequeno.
Veículo de 3 rodas
Leia mais sobre veículos de três rodas aqui.

3 comentários:

  1. Os dois primeiros não são feios!

    ResponderExcluir
  2. Este negocio de politicamente correto e ecologicamente correto já encheu o saco!!!

    ResponderExcluir
  3. Pelas razões já expostas neste artigo, veículos de 8 rodas serão sempre "carros conceito", com a possível exceção dos casos "off-road". No caso do Ellica, o objetivo foi mostrar que carro elétrico não é sinônimo de carro lento. As 8 rodas foram usadas porque cada roda possui um motor de "apenas" 80Hp. Portanto, foram necessárias as 8 rodas para totalizar os 640 Hp necessários para atingir os 400 km/h. Detalhe: Uma ferrari F50, com potência semelhante e metade do peso não consegue passar do 350km/h.

    Http://gilvan.apolonio.com.br

    ResponderExcluir