Pesquisar

20 de jun de 2009

Erik Satie, o primeiro Emo da história.

Há muito me interesso pelo compositor francês de música clássica Erik Satie. Quer por sua estrutura musical despudorada e despretensiosa, quer por suas atitudes extravagantes que lhe marcaram a biografia.

Para comprovar a personalidade Emo de um dos compositores que integraram o movimento vanguardista de desconstrução da arte formal, submeti as características psicológicas de Erik Satie ao teste “Você é um Emo?” elaborado pelo Blog Os vigaristas. E a resposta foi um sonoro SIM!

Para um sujeito nascido em 17/05/1866 e morto no dia 1/07/1925, este cara foi um muito além do seu tempo!

Erik Satie Gnossienne No 3.


- Usa roupas de velhos e de crianças de cinco anos de idade, mistura camisas polos, com listras, coletes, suéter.
Erik Satie era famoso por possuir 12 idênticos ternos cinza de veludo e fazia coleção de guarda-chuvas e cachecóis.

- Usa óculos de estilo soldador.
Os óculos do compositor atendem plenamente a este quesito Emo.

- Todo Emo é branco, muito branco.
Erik Satie detestava sol, logo, nem precisa dizer o quanto ele era branco.

- Curte rock britânico, estilo The Libertines.
Erik só não curtiu rock porque não havia sido inventado. Bandas do tipo Fresno, Forfun, Nx Zero, etc., talvez lhe tivessem feito a cabeça.

- É depressivo.
Após anos de bebedeira, Erik Satie morreu de cirrose em 1 de julho de 1925

- Evita ter relações sexuais com pessoas do sexo oposto.
Seu único amor foi um vizinha pintora e modelo dos pintores Renoir e Degas, Suzanne Valadon. O romance iniciado em 14/01/1893 durou apenas seis meses. Satie a pediu em casamento logo no primeiro dia, mas ela terminou se casando com outro.

- Nunca é ele mesmo.
Erik Satie tocava todas as noites no Café du Chat Noir, em Montmartre usando o pseudônimo Gymnopédiste.

- Pinta o cabelo com cores estranhas.
Erik pintava os cabelos de cor Verde! Imagina isto em plena era Vitoriana?

- Emo gosta de coisinhas, bichinhos, botons e mais botons, enfeites e prendedores de cabelo.
Satie extravasou esta faceta da sua personalidade Emo na sua música. Toda ela é composta de pequenas peças com nomes estranhos do tipo: peças em forma de pêra, danças góticas, infantilidades pitorescas, a canção de guerra do rei dos feijões, valsa do chocolate, etc.
Erik Satie transformou visionariamente a sua música em coisa, numa premonição do advento do movimento Pop que industrializaria a obra de arte e a tornaria um produto. Ele introduziu na sua música sons de máquina de escrever, sirene e tiro de pistola, numa antevisão daquilo que no futuro se chamaria sampleamento.

Satie inventou a música incidental (de elevador), chamada por ele de musique d'ameublement. A música concebida para ser usada como mobília, para preencher o ambiente. Era uma música que deveria se integrar aos ruídos naturais e os levar em conta, sem se impor, que desse conta dos silêncios patéticos que ocasionalmente podem cair sobre os convivas e que neutralizasse os ruídos da rua. Todavia, tal música não funcionava quando as pessoas insistiam em ficar quietas concentradas na sua performance. Então, ele gritava nervoso: "Falem alguma coisa! Mexam-se! Não fiquem aí parados só escutando!".

Qual seria o look de Erik Satie nos dias atuais? Tomei a liberdade de reunir algumas releituras alternativas:
Releitura Emo de Erik Satie
Por: Isaias Malta.

Fontes:
Você é um Emo? [Os Vigaristas]
Biografia de Erik Satie. [Wikipédia]

6 comentários:

  1. Se ele foi o primeiro emo não sei,mas com certeza foi uma pessoa muito a frente de seu tempo.

    ResponderExcluir
  2. puta lezeira, viu. os emos são um lixinho lacrimoso e cheirando a lavanda Johnson. eric satie foi um genio, seu post é insipiente demais e mostra como a revolução digital abre espaço pra fezes digitais.

    ResponderExcluir
  3. Erik Satie foi um compositor modestíssimo, vagabundo e bêbado, ao contrário do seu conterrâneo Debussy, que desenvolveu uma linguagem própria. Satie nunca ultrapassou o nível dos barzinhos imundos onde tocou em troca de alguns copos.
    Sua sobrevivência se deveu mais ao ineditismo da sua proposta do que ao rigor da sua estrutura formal.
    Certamente, se Erik Satie tivesse estudado mais e bebido menos, teria alcançado um lugar de destaque no panteão do impressionismo musical.

    ResponderExcluir
  4. meu blog e de emo entra la ta tem coisas enteresantes http://soquemeemo.blogspot.com/2010/02/emo.html

    ResponderExcluir
  5. comeu merda e saiu no vento?
    o que é que tem em comum um minimalista com um emo?
    Vai estudar sua besta.

    ResponderExcluir
  6. sem preconceito com emo pow (os emos são a melhor coisa mais emotional que eu já vi!!!)

    ResponderExcluir