Pesquisar

31 de jul de 2009

O pouso impossível do caça militar que voou sem asa.

Quem vê o vídeo pensa que é mais um daqueles fakes do YouTube, como este:

Vídeo Fake de pouso sem uma asa, em que foi usado aeromodelo e truncagens de edição.


Apesar de a Internet ser a terra de ninguém dos Fakes, nem tudo nela é falso. Para discernir a verdade da mentira é necessário que o internauta tome as devidas precauções confrontando as fontes e se inteirando do assunto.

O pouso de avião mais bizarro de todos os tempos aconteceu em 1983 e foi realizado por um manicaca* pilotando um F-15 da Força Aérea Israelense durante uma batalha aérea simulada chamada de “Dogfight”. A batalha consistia na luta de dois F-15 contra quatro A-4 Skyhawk.



Durante uma manobra evasiva o F-15 se chocou acidentalmente contra um dos Skyhawks, que devido à avaria catastrófica, começou a cair. Felizmente o piloto do Skyhawk se ejetou e caiu de paraquedas em segurança.

O mesmo não aconteceu com o piloto do F-15, que passou a enfrentar um comportamento animal da sua aeronave, girando loucamente e fora de controle. O problema é que o piloto não percebeu em nenhum momento que o choque com Skyhawk havia lhe custado muito caro: a asa direita fora decepada quase que inteiramente, restando um cotoco de 60 cm. O único indicativo de que havia algo muito errado, além do comportamento anormal do avião, era um rastro de fumaça branca que o piloto podia observar pela janela. Na realidade, o rastro estava sendo produzido pelo resto de combustível escapando do tanque da asa destroçada.

Nos instantes cruciais de descontrole o piloto quase apeou daquele cavalo doido durante 2 vezes e colocou a mão na alavanca de ejeção. Passado o perrengue, ele conseguiu assumir o controle do jato e passou a voar razoavelmente bem. Apesar do seu instrutor em terra ter imperativamente ordenado que o piloto se ejetasse, diante da ignorância do problema o manicaca preferiu fazer a coisa do seu jeito, ou seja, levar o caríssimo F-15 de volta ao ninho.

Quando se aproximou para a rampa final de pouso, o piloto intuiu que não poderia fazer o procedimento usando os padrões habituais de velocidade final, altitude, etc. Assim, ele fez o pouso no dobro da velocidade indicada pelo fabricante a cerca de 450 Km/h, quando a velocidade padrão é de 220 Km/h. Diante da emergência, o pessoal do controle da base aérea decidiu estender a rede de pânico no final da pista para tentar “pescar” o avião no caso dele “comer” a pista. Não foi necessário, já que o piloto conseguiu brecar o monstro veloz a apenas 10 metros da rede!

Somente quando saltou da cabine é que o piloto pode perceber o tamanho do estrago e a proporção da sua sandice. O resultado da sua façanha é que ele recebeu uma suspensão do seu instrutor e... uma promoção dos superiores por ter trazido a salvo o patrimônio de milhões de dólares da Força Aérea Israelense.

A fabricante do avião, a McDonnel Douglas, tinha poucas explicações para dar sobre o feito. Segundo a empresa, eles não conseguiram repetir algo semelhante nas simulações em túneis de vento. Logo, atribuíram a uma série de fatores o sucesso do vôo impossível:

- fuselagem do avião larga o suficiente para funcionar como uma pequena asa;

- este tipo de avião voa mais graças ao empuxo gerado pelo motor, do que pela força de sustentação gerada pela sua forma aerodinâmica;

- em nenhum momento o piloto deixou o avião perder velocidade, logo, ele continuou voando muito mais graças ao efeito “foguete” do que ao conjunto de leis aerodinâmicas que permitem o vôo aos aviões normais;

- o manicaca se revelou um piloto danado de bom além da conta. Esta aí o rapaz, com sua cara vitoriosa.
Em tempo: depois de consertado, o F-15 voltou à ativa na IAF (Israeli Air Force).

(*) Manicaca – no jargão aeronáutico é o alunão, aprendiz, aquele que está fazendo os primeiros vôos solo.

Leia também: O Segundo pouso mais impossível de todos os tempos [Blogpaedia]

Fonte: [StrangeMilitary]

4 comentários:

  1. Opa.

    Ótimo post. Mas na verdade Manicaca é qualquer piloto inexperiente. Não piloto-aluno. Conheço muito aluno que é bem menos manicaca do que intrutor... =X

    ResponderExcluir
  2. Realmente, o piloto pode ser manicaca o resto da vida, "braço duro", etc. Este cara do F-15 deu uma facilitada enorme porque foi ele que se chocou contra um dos Skyhawks. O incrível é que os dois episódios impressionantes, este e o do pouso do Sea Harrier num navio de containers, foram protagonizados por "manicacas", que de manicacas não tinham nada.

    ResponderExcluir
  3. Truncagem ? Eu truco !

    ResponderExcluir
  4. Este mesmo relato está em vários sites de aviação, será que os caras sabichões teriam endossado um fake?

    ResponderExcluir