Pesquisar

22 de abr de 2008

Por que Sócrates foi o precursor do sujeito moderno?

Platão e Aristóteles exprimem fielmente a verdade da cidade grega quando a apresentam como uma cidade orgânica que engloba os cidadãos como totalidade viva, engloba suas partes e, por isso mesmo, não deixa nenhum espaço para o princípio da subjetividade.

A cidade Grega não deixa nenhum espaço para a liberdade individual, para a consciência moral, para a moralidade. Nela os indivíduos estão em imediata adequação com o universal, que consiste não em um princípio exterior, mas nos costumes, em uma vida ética que se realiza de uma maneira simplesmente orgânica.

Em outras palavras, a cidade grega engloba os cidadãos como se ela fosse a sua segunda natureza imediata e certamente, o princípio da subjetividade afirmou-se no próprio âmago da cidade grega, aparecendo de repente em meio às características de Sócrates.

Sócrates foi, na verdade, o filósofo que introduziu na praça pública o questionamento das tradições, dos costumes, dos hábitos, em nome da convicção pessoal. Desde então, encarnou a idéia do indivíduo como consciência moral, como sujeito autônomo, como querer individual, como iniciativa singular.

É precisamente pelo fato da cidade ser de natureza simples ou imediatamente orgânica que ela era como estrutura incapaz de acolher em si uma vontade livre, e esta não podia se integrar nela. Ela não podia acolher e absorver Sócrates, pois, desde que este assumiu um distanciamento em relação aos costumes, hábitos, usos, ele apareceria para ela como uma vontade separada do universal, e, portanto arbitrária.

No seio de uma cidade que se entende como naturalmente orgânica, como a segunda natureza dos indivíduos, a vontade livre não pode parecer senão uma vontade arbitrária. O princípio da subjetividade é, à primeira vista, interpretado como princípio da liberdade arbitrária ou do capricho individual. Uma vontade livre não pode aceitar ser integrada em tal cidade, pois assim como o universal se identifica com os usos, os costumes, as tradições, ele não pode se curvar à convicção. Enquanto vontade livre e consciência moral, Sócrates não podia se submeter à cidade, e esta, na medida em que era uma cidade imediatamente orgânica, não podia senão rejeitá-lo.

Assim que a contestação de Sócrates se fez ouvir no seio da cidade grega, esta, incapaz de acolher em si uma vontade que pretendia agir por convicção pessoal, escolher por si mesma suas próprias regras, e, portanto, incapaz de integrar em si o princípio da subjetividade, foi pressionada a afirmar explicitamente a exclusão desse princípio, ou seja, excluir o que, na cidade pré-socrática era excluído mesmo sem não explicitamente.

Em oposição ao espírito da cidade grega, o espírito moderno afirma o princípio da subjetividade dos indivíduos. Essa afirmação se expande ao próprio seio das diferentes modalidades sociais; no direito, na moralidade, na vida política, antes de se traduzir e se compreender na arte, na religião e na filosofia. Ela assume de início, o sentido de uma afirmação exclusiva (o princípio da subjetividade é erigido em fundamento último e único). Em seguida, logo após a Revolução Francesa, ela se concilia com a afirmação do princípio segundo o qual o Estado é uma totalidade que engloba os indivíduos e todas as instâncias coletivas (o direito, a moralidade, a família, a sociedade civil) como partes dela mesma.

Modernidade, universal, pré-socrático, Platão, Aristóteles, subjetividade, vontade livre, sujeito

2 comentários:

  1. Excelente, o Sr. Kierkegaard adoraria!
    De facto, No caso da humanidade, o Indivíduo é superior à espécie.
    K I E R K E G A A R D (1813-1855)

    ResponderExcluir
  2. De fato existem manuais pra tudo, e muito em breve a educaçao, em todo o mundo, consistirá em decorar um maior numero de conceitos, e as pessoas sobressairão de acordo com sua capacidade de expelir uam variedade de fatos, como uma impressora expele letras, completamente ignorante de seu significado"

    ResponderExcluir