Pesquisar

6 de out de 2008

A Arquitetura Utópica das Casas Futuro dos anos 60.

O arquiteto finlandês Matti Suuronen projetou as habitações em formato de Discos-Voadores em 1968, inicialmente destinadas a cabines de pistas de esqui, ou casas de férias, muito comuns no hemisfério norte. Suuronen batizou a sua idéia visionária de “Casas Futuro”.

A idéia por trás do projeto reflete o otimismo reinante nos anos 60, quando as pessoas acreditavam no poder da tecnologia para resolver todos os problemas.
Família reunida alegremente dentro do Disco-Voador.

De acordo com os ideais Utópicos da recém inaugurada Era Espacial, futuramente os cidadãos teriam aumento de lazer, que seria usufruído fora das residências. Conseqüentemente, uma nova arquitetura deveria responder a este tipo de demanda, proporcionando moradias pequenas e de fácil manutenção.
Planta baixa do interior de uma Casa Futuro, um JK da era espacial.

Cozinha da Casa Futuro antiga com móveis em vermelho vivo, bem ao gosto psicodélico da época.

Cozinha de uma Casa Futuro hoje, de onde foram removidas as cores berrantes.

Cada casa Futuro era pré-fabricada, podendo alojar 8 pessoas. Sua estrutura básica era feita de fibra de vidro, revestida de plástico poliuretano, uma solução barata e leve que facilitava o transporte para qualquer lugar.
Uma Casa Futuro sendo transportada por helicóptero na Suécia em 22/10/1969.

O plano inicial era produzir casas disco-voador em massa, o que faria decair tanto o preço, que seria capaz de atender a demanda habitacional do resto dos países do mundo.
Vila utópica composta unicamente de Casas Futuro.

Devido ao seu baixo peso (2.5 ton) e o seu tamanho reduzido, era facilmente transportável por helicóptero, até para lugares extremamente inacessíveis. Foi cogitada a possibilidade de dotar os futuros projetos de casas disco-voador de mobilidade, o que daria aos seus moradores o conforto delas poderem levar suas casas para onde quisessem, numa realização utópica de nomadismo moderno.

Podemos suspeitar como o visionário arquiteto finlandês pensava nestas casas transportando famílias felizes nos céus de hoje.
Ilustração: Modern Mechanix.

Infelizmente a crise do petróleo de 1973 afundou definitivamente o projeto, sob as águas tormentosas do aumento de custos ocasionados pela subida vertiginosa do preço do plástico. Assim, construir casas de plástico se tornou inviável e o projeto Futuro acabou nos deixondo uma herança de apenas 96 Casas Futuro construídas, 48 delas na Finlândia e outras 48 espalhadas mundo afora, que foram fabricadas mediante licença.
Casa Futuro em Hirvensalmi, Finlândia - 1968.

Como estão as casas Futuro hoje?


Casa Futuro restaurada.

Fontes:
The Futuro Houses.
The Fantastic Futuro House.
Livro sobre o projeto Futuro.

6 comentários:

  1. Espero que não transportassem as pessoas junto, devia dar um enjôo que só vendo... =P

    (Perdão pelo comentário curto, meu cérebro está funcionando em estado de thrashing eterno. Fica difícil pensar...)

    ResponderExcluir
  2. Essa casa aí lembra a nave do seriado Perdidos no espaço, gostei projeto bem interessante,espero que alguém realmente possa se sensibilizar com o estado deplorável dela e a restaure.

    ResponderExcluir
  3. menos, meu amigo ,vamos curtir o hoje pois o futuro a Deus permite e as casas estao incluidas,viva o hoje...

    ResponderExcluir
  4. q legau desse jeito os marcianos so vao ter o trabalho de nos despejar pois as casas ja estarao prontas

    ResponderExcluir
  5. por isso eu e q nao vou ficar sentado num trono de um apartamento com a boca escancarada cheia de dentes esperando os marcianos chegarem fui

    ResponderExcluir
  6. q legau desse jeito os marcianos so vao ter o trabalho de nos despejar pois as casas ja estarao prontas

    ResponderExcluir