Pesquisar

15 de out de 2008

O antigo ofício dos vitrais repaginado em moderníssimas instalações públicas de arte.

Os vitrais vêm sendo utilizados tradicionalmente desde a idade média para fins sacros, como atestam as milhares de obras estampadas nas igrejas. Mas, a intensa beleza dos vitrais não poderia ficar restrita aos ambientes monásticos e foi em Flandres e na Suíça que eles saltaram dos motivos divinos para o mundo da decoração residencial.
Nos primórdios da era moderna, por ocasião da separação entre a Igreja e Estado, o poder institucional também passou a se utilizar da arte do vidro para instalar obras de arte em espaços públicos, porém valendo-se de motivos profanos, até chegar aos nossos dias sob o império da temática abstrata, onde os movimentos das formas e a textura das cores assumiram o papel de protagonistas, em detrimento da supremacia das figuras.

A invenção do Avião.
Este vitral, baseado em motivos aeronáuticos, foi instalado em homenagem ao centenário do primeiro vôo dos Irmãos Wright em 1903.
Centenário do 1º vôo – Janela do Aeroporto Park Aviation Trade Center da cidade de Washington, EUA.

Elevador de Escher.
O motivo deste mural, instalado numa universidade, baseia-se na não linearidade e intriga pelos seus elementos ilógicos. Através da confrontação de perspectivas o espectador, o expectador é provocado a resolver o conflito estabelecido entre seus substratos intelectual e perceptual.
Elevador de Escher. Vitral instalado na Universidade de Utah, EUA.

O Relógio do Milênio em Aço.
O desenho desta peça escultural simboliza a função da estação. Num exercício de interpretação da forma do relógio, esta sugere a frente de uma locomotiva, com o relógio representando o farol do trem.
Relógico de Milênio, escultura em aço e vidro, Estação da cidade de Washington, EUA.

Tsunami Solar.
A intenção deste vitral é refletir o imaginário oceânico, evocando fenômenos físicos da natureza, tais como tempestades, movimentos tectônicos e evolução das galáxias.
Tsunami Solar, Departamento de pesquisas Oceonográficas e Atmosféricas da Universidade de Oregon na cidade de Portland, EUA.

Caleidoscópio.
Este projeto resultou da remodelação de uma janela para de frente para a rua mais movimentada de Seattle. É um exemplo de como a solução de um espaço privado pode se tornar arte pública. O louco tráfego de pedestres foi o elemento inspirador do artista, que se socorreu de pedaços concêntricos de cores diversas para simbolizar a correria moderna.
Caleidoscópio, vitral instalado em Residência em Seatle, estado de Washinghton, EUA.

Mudança de Paradigma.
O vitral em forma de arco é uma metáfora literal à “ponte” construída entre os séculos XIX e XXI.
Mudança de Paradigma, vitral do Hall do Departamento de Educação da Universidade de Utah, na cidade de Cedar, EUA.

Fonte:
Archibald Glass.
Breve História da arte dos vitrais profanos.

Um comentário:

  1. Olá, acho que você deveria prestigiar vitrais brasileiros também... fui durante um bom tempo projetista de vitrais na empresa Geukas, uma empresa que prima muito pela qualidade da arte assim como outras empresas brasileiras!

    ResponderExcluir