Pesquisar

16 de mar de 2009

A NASA não admite sexo no espaço por medo dos bebês espaciais.

O que todo mundo se pergunta é: já houve sexo no espaço? A NASA e a Rokosmos (Agência Espacial Russa) negam veementemente o fato, pelo menos que tenha sido cometido de maneira regulamentar. Por outro lado, segundo os boatos que correm, alguns astronautas já tiveram intercursos sexuais "extra oficiais" no espaço.
No entanto, o fato de manter relações sexuais no espaço não é apenas mais um tema de ficção científica, pois se tornará uma necessidade em missões de longa duração já em planejamento, tais como lançamentos de naves tripuladas para Marte e o estabelecimento de colônias na lua. Quando se sabe que uma viagem a Marte durará anos, não se pode pensar em condenar a tripulação ao celibato, nem esteriliza-la antes da partida.

Outra necessidade premente será imposta pelo turismo espacial que já está sendo estruturado para um futuro próximo. Tais turistas, a princípio somente os ultra endinheirados, ficarão hospedados em “hotéis espaciais”. Logicamente, um dos maiores sonhos dessa gente vai ser transar no espaço e para tanto, este problema deverá estar equacionado ainda na próxima década.
Problemas do sexo no espaço.
Corpos em livre movimento que precisam não só se tocar, mas também ficar colados é um dos grandes problemas enfrentados em ambiente de gravidade zero. Alguns especialistas afirmam que uma ereção é impossível, porque em micro-gravidade a tendência do sangue é se espalhar uniformemente pelo corpo para a cabeça e as extremidades.

Outro problema são os estranhos efeitos que a falta de gravidade produz sobre o membro masculino, se ele conseguir produzir uma ereção. Ao que tudo indica isto é possível e alguns artigos mencionam 4 posições que funcionam no espaço sem assistência mecânica, sendo que a posição clássica “papai e mamãe” não funciona de jeito nenhum.

A escritora americana Vanna Bonta propôs um saco de dormir gigante (2suit) que manteria o casal unido durante o ato. No entanto, a operacionalidade do aparato está sendo questionada por alguns especialistas, pois eles também se preocupam com as implicações futuras, que vão além do sucesso da realização do ato sexual propriamente dito.

O problema dos bebês espaciais.
A resistência das agências espaciais em admitir o sexo no espaço é que quando fizerem isto, vão ter que lidar com as consequências óbvias do ato: gravidez indesejada, gestação e parto de bebês espaciais. Após 47 anos do início dos vôos espaciais, o que se sabe é que a ausência de gravidade provoca consideráveis perdas ósseas em corpos humanos adultos. O que aconteceria com bebês em plena formação esquelética? Em ambiente de micro-gravidade seria possível a um mamífero completar os estágios da sua formação?

Todas estas questões deverão ser respondidas nos próximos anos, seja para atender à demanda crescente que será provocada pelo turismo espacial, seja para viabilizar futuras missões de longo curso. O futuro da vida no espaço depende da maneira como o assunto tabu de hoje será tratado. Por enquanto, tanto a NASA, quanto Rokosmos respondem secamente que não estão estudando esta possibilidade. Será? Quem é ingênuo que acredite.

Fontes:
Sex in space could be out of this world.
Sex in Space.......Astronauts test sex in space - but did the earth move?

Foto: Tiny News.

4 comentários:

  1. Adorei o blog... Show! o meu ainda tá no inicio.. se voce me permitir, vou posta essa materia, claro... respeitando todos os direitos autorais

    ResponderExcluir
  2. mais da pra bate uma punheta

    ResponderExcluir
  3. é uma idéia muito radical, porém muito interesante, que transmiti dois laods superficiais; na minha opinião o sexo no espaço deve sim não ser aprovado até que encontrem novas teorias e descobertas e possibilidades de determinar o que fazer a respeito do mesmo.
    Mas finalizando, eu adoro muito a NASA, a Astronomia e todas as coisas do universo, desde meus 4 anos de idade vanho me aperfeiçoando em asyronomia, pois pretendo ser astrobiologa ou cosmologista.
    Atenciosamente... Jéssica Magalhães

    ResponderExcluir
  4. Jéssica, já que você se interessa por coisas do espaço, tem todas as chances de um dia trabalhar na NASA, como fez a cientista brasileira Rosaly Lopes, que segue uma carreira brilhante estudando vulcões extraterrestres.

    ResponderExcluir